Universal Music cresce 17,3% e alcança receita de R$ 23 mi
Justin Bieber e Olivia Rodrigo, são um dos artistas em destaque do crescimento da receita da Universal Music no 1º Semestre de 2021. Foto: Getty Images/Divulgação
in

Universal Music cresce 37,7% no 1º semestre de 2021

Justin Bieber e Olivia Rodrigo, são um dos artistas em destaque no crescimento da receita da Universal Music no 1º Semestre de 2021

O Universal Music Group cresce 37,7% no primeiro semestre de 2021, de acordo com o relatório divulgado pela controladora Vivendi divulgado nessa semana (28). As receitas de música gravada aumentaram 20% em moeda constante.

Para o primeiro semestre de 2021, o lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (EBITA) da UMG foi de € 753 milhões (cerca de R$ 4.5 bilhões) um aumento de 37,7% em moeda constante em comparação com o primeiro semestre de 2020 (+ 32,8% em base real), enquanto a margem EBITA melhorou para 19,7% de 16,4% alcançado no primeiro semestre de 2020, em um bom resultado que foi impulsionado pelo crescimento da receita e controle de custos.

A análise aponta que o primeiro trimestre de 2020 se beneficiou do recebimento de uma reivindicação de royalties digitais e as receitas no segundo trimestre de 2020 – particularmente físicas e receitas de streaming financiadas por anúncios – foram impactadas por restrições de bloqueio inicial em resposta ao COVID-19.

Enquanto que o segundo trimestre de 2021 se beneficiou de um “pagamento de recuperação de um serviço digital fornecedor”, aponta o relatório. As receitas de assinatura e streaming cresceram 24,7%, e as vendas físicas aumentaram 40,1% em comparação com o primeiro metade de 2020.

Leia mais:

Os mais vendidos da música gravada no primeiro semestre de 2021 incluíram um lançamento “Best Of” do BTS, novos lançamentos de Justin Bieber e Olivia Rodrigo e continuaram as vendas com The Weeknd, Pop Smoke e Ariana Grande.

Nos Estados Unidos, o UMG teve 8 dos 10 melhores álbuns no primeiro semestre do ano com base nos dados do MRC, incluindo todos os Top 5. No Reino Unido, a gravadora teve 7 dos Top 10 artistas na primeira metade do ano, incluindo Taylor Swift em primeiro lugar.

Universal Music: resultados positivos no digital e novos acordos

Na parada global do Spotify, UMG ficou em primeiro lugar em 20 das 26 semanas do primeiro semestre de 2021, com “Drivers License” e “Good 4 U” de Olivia Rodrigo e “Peaches” de Justin Bieber. As receitas de edição de música cresceram 3,9% em moeda constante em comparação com o primeiro semestre de 2020, impulsionado pelo aumento das receitas de assinatura e streaming.

O segundo trimestre de 2020 foi beneficiado pelo recebimento de uma reivindicação de royalties digitais, separada da mencionada em relação à música gravada. As receitas de merchandising e outras aumentaram 22,2% em moeda constante em comparação ao primeiro semestre de 2020, devido ao crescimento do varejo e da atividade D2C (direto ao consumidor), apesar do impacto contínuo do Pandemia de COVID-19 em atividade turística.

Universal Music cresce 17,3% e alcança receita de R$ 23 mi
Foto: Unsplash

O Universal Music Group focou no primeiro semestre na ampliação das parcerias criativas com plataformas digitais com o objetivo de expandir as oportunidades de monetização para artistas, com atenção para nas redes sociais e fitness.

Durante o primeiro semestre de 2021, UMG firmou uma série de novos acordos no espaço de mídia social, incluindo com TikTok, Triller e Snap Inc., entre outros. UMG também anunciou um acordo para servir como o primeiro parceiro musical para Liteboxer, uma empresa de boxe fitness doméstico. Isso segue uma série de acordos que a UMG fechou recentemente no setor de fitness
e espaço de bem-estar com empresas como Calm e Equinox+.

Receita de operações UMG para o primeiro semestre de 2021

  • A música gravada cresceu 13,2% para 3,14 bilhões de euros ($ 3,8 bilhões) de 2,77 bilhões de euros ($ 3,0 bilhões) no primeiro semestre de 2020;
  • A edição de música caiu 1,6% para 564 milhões de euros (US $ 683 milhões) de 573 milhões de euros (US $ 626 milhões) no primeiro semestre de 2020;
  • Merchandising e outras fontes de receita cresceram 14% para 138 milhões de euros ($ 167 milhões) de 121 milhões de euros ($ 132 milhões) no primeiro semestre de 2020.

> Universal Music cresce 9,4% receitas no primeiro trimestre

Receita de música registrada no primeiro semestre de 2021:

  • O Streaming cresceu 17,4% para 2,13 bilhões de euros (US $ 2,6 bilhões), de US $ 1,8 bilhão (US $ 1,98 bilhão) no primeiro semestre de 2020;
  • Os Downloads caíram 35,7% para 153 milhões de euros (US $ 185,3 milhões) de 238 milhões de euros (US $ 259,9 milhões) no primeiro semestre de 2020;
  • Físico cresceu 33% para 463 milhões de euros (US $ 560,7 milhões) de 348 milhões de euros (US $ 380 milhões) no primeiro semestre de 2020;
  • O licenciamento e outras fontes de receita cresceram 5,45% para 391 milhões de euros ($ 473,5 milhões) de € 371 milhões ($ 405,1 milhões) no primeiro semestre de 2020.

Receita de música registrada por porcentagem da receita:

  • Globalmente o Digital compreende 72,8% da receita dos Selos, abaixo dos 74,1% no primeiro semestre de 2020;
  • O streaming representa 67,8% da receita de música gravada, ante 65,5% no primeiro semestre de 2020;
  • Os downloads representam 4,9% da receita de música gravada, ante 8,6% no primeiro semestre de 2020;
  • Físico compreende 14,8% da receita de música gravada, ante 12,6% no primeiro semestre de 2020;
  • O licenciamento e outras fontes de receita representam 12,5% da receita, ante 13,4% no primeiro semestre de 2020.

>Universal Music cresce receita e gera R$ 47 bilhões em 2020

Receita de música registrada por local

  • América do Norte: 49,5% do total, aumento de 11,3% para 1,55 bilhão de euros ($ 1,88 bilhão), de $ 1,4 bilhão ($ 1,5 bilhão) no primeiro semestre de 2020;
  • Europa: 29,3%, um aumento de 9,8% para 920 milhões de euros (US $ 1,1 bilhão), de 838 milhões de euros (US $ 915 milhões) no primeiro semestre de 2020;
  • Ásia: 13,6%, um aumento de 12% para $ 428 milhões de euros ($ 518,3 milhões), de 382 milhões de euros ($ 417 milhões) no primeiro semestre de 2020;
  • América Latina: 3,4% do total, um aumento de 12,6% para 107 milhões de euros (US $ 129,6 milhões), de 95 milhões de euros ($ 103,7 milhões) no primeiro semestre de 2020;
  • Resto do mundo: 4,1%, um aumento de 113,3% para 128 milhões de euros ($ 155 milhões), de 60 milhões de euros ($ 65,5 milhões) no primeiro semestre de 2020.

Siga as redes do POPline.Biz é Mundo da Música para saber mais sobre os principais assuntos do mercado da música: Instagram, LinkedInFacebook e Twitter.

Escrito por Láisa Naiane

BLACKPINK: Lisa posa para capa da Vogue Hong Kong

BLACKPINK: Solo de Lisa deve ser lançado em agosto, diz site

Silk Sonic lança “Skate”, novo single da dupla, já com clipe