in

First Listen: “Let You Love Me” tem todos os ingredientes para levar Rita Ora a um sucesso comercial global

As próximas horas são de empolgação para os fãs da Rita Ora. Afinal, “Let You Love Me” é o primeiro lançamento desde (finalmente!) a confirmação real do segundo álbum da estrela. “Phoenix” vai sair seis anos após o “Ora” e é de conhecimento de todos que de 2012 para cá ela não ficou sem lançar músicas. Rita tentou, por várias vezes, lançar o seu segundo disco, mas não esperava todos os percalços que impossibilitaram uma estreia antes de 23 de novembro.

Eu sou particularmente uma fã da cantora. Acho Rita talentosíssima e uma das ótimas cantoras de sua geração, mas por motivos de mercado, ela (assim como Jessie J) acabam não sendo lembradas logo de cara quando o assunto é cantora pop. Lamentei muito a falta de espaço da imprensa internacional e de repercussão de alguns singles que achei que poderiam, pelo menos, mantê-la em alta e celebrei o caminho acertado, finalmente Rita com a carreira no eixo, em 2017.

Então primeiramente é hora de celebrar! O POPline acompanhou toda a saga de Rita e recebeu nesta quinta-feira (20/9) “Let You Love Me” para audição do “First Listen”, horas antes da chegada oficial da música para o grande público. De cara eu aviso: a música NÃO tem Anitta. Informações dadas pelo site de letras Genius confundiram os fãs, mas enquanto o debate rolava nas redes sociais, a Warner Music sempre nos reafirmou na interna: a faixa é Rita, apenas ela. E foi o que ouvi na manhã de hoje.

“Let You Love Me” é extramente radiofônica e cai como uma luva na sequência de lançamentos de Rita – “Your Song”, “Anywhere”, “For You”, “Girls”. Se for para comparar eu achei melhor estruturada, amarrada, cantada e mais melódica que “Girls”. É a minha favorita das quatro. Na letra, Rita canta a dificuldade de deixar o crush apaixonar-se por ela. “Deveria ter ficado com você ontem à noite ao invés de ter buscado problemas / o que há de errado comigo?”, diz.

O refrão tem a fórmula pop que sempre deu certo: tem uma frase repetitiva de fácil assimilação, chega no auge da inserção de elementos eletrônicos com uma puxada para um R&B. Eu sou muito metódica com músicas pop e sempre fico procurando “buracos” na produção das faixas. “Let You Love Me” não tem. O “bridge” também de fácil reconhecimento com trilhas a capella sobrepostas marcado por palmas. Vai ser o momento de interação de Rita com os fãs ao vivo.

Minha curiosidade agora é saber como a cantora irá se comportar ao vivo. Digo ao vivo mesmo, se possível com banda.

“Let You Love Me” é grudenta, pega na segunda ouvida e tem todos os ingredientes para ajudar a fincar Rita Ora de vez na programação das rádios principalmente fora do Reino Unido. Lá, ela manda e desmanda, mas infelizmente ainda para entrar e ficar no mercado norte-americano, o maior do mundo, é preciso mais. Eu genuinamente torço para que “Phoenix” seja o momento que Rita espera desde o início da carreira.

Se você se empolgou, mora em São Paulo, e não quer esperar até às 00h, há uma ação especial ocorrendo nesta quinta (20/9).

Escrito por Amanda Faia

Reprodução

Spotify anuncia versão teste para que artistas publiquem suas músicas sem intermediários

Avril Lavigne estreia “Head Above Water” no Top 10 do iTunes Global