Connect with us

Entrevistas

Entrevista: Yann conta como conseguiu lançar um clipe com Britney Spears, Demi Lovato, Lorde, Celine Dion e tantos outros

Cantoras participam de “Igual”, tema da Parada LGBTI do Rio de Janeiro.

Published

on

Um antes e depois de “Igual”. Com um EP lançado, o cantor brasileiro Yann não era muito conhecido dos fãs de música pop até causar alvoroço com o lançamento do clipe dessa música. O vídeo conta com participações de (em ordem alfabética) Alfonso Herrera, Boy George, Britney Spears, Bruno Gagliasso, Céline Dion, Chelsea Handler, Claudia Alencar, Criolo, Demi Lovato, Diplo, Dita Von Teese, Elza Soares, Fernanda Lima, Jason Mraz, Jesuíta Barbosa, John Waters, Laerte, Lana Wachowski, Lorde, Luba, Melanie C, MØ, Nico Tortorella, Sonia Braga, Tegan Quinn (Tegan & Sara) e The Chainsmokers. O mundo inteiro se perguntou: quem é esse cara que conseguiu reunir tantos nomes de peso em um clipe?

Autor de suas próprias músicas e roteirista de seus clipes, Yann é cara de pau: não tem vergonha de abordar e perguntar. No seu primeiro EP, já havia uma música com participação da atriz Mariana Ximenes. Mas “Igual”, claro, é outro nível. Quem poderia imaginar que um brasileiro desconhecido teria Britney, Celine, Demi e até Boy George em seu clipe? Até a Billboard americana publicou uma matéria sobre essa história. O cantor convenceu essa galera por causa da temática da música: ela foi criada como um manifesto contra a violência sofrida por pessoas LGBTI+ no Brasil, especialmente para ser tema da Parada LGBTI do Rio de Janeiro neste ano. Yann conta tudo isso e muito mais em entrevista ao POPline. Confira!

Como você conseguiu reunir todos esses nomes? É o que todo mundo quer saber.
Começou mais ou menos há uns seis meses. Criei esse projeto maluco e não queria colocar um limite nele. Pensei: quais pessoas seriam meu sonho maior de vida para participar? Fui falar com elas. Foi isso. Fui atrás de cada um, falei do projeto, mostrei meu trabalho, viram quem eu sou, escutaram minhas músicas… Foi simples assim: perguntei se as pessoas topavam.

Muitas pessoas poderiam não perguntar, por achar óbvio que os gringos não topariam.
Não tenha medo! Pergunte, porque você realmente pode se surpreender. Tipo, Britney Spears! É louco. Mas ela viu que era por uma causa boa. Obviamente, sua equipe quis ver o corte final do clipe, quis ver tudo, mas entendeu que era por uma causa boa. Viram que a música era bacana, viram quem eu sou como artista, viram que era um projeto realmente sério. Por que não?

Qual foi a primeira participação que você conseguiu?
Fernanda Lima! Ela foi tão fofa! Eu mandei o projeto e, quando ela respondeu, já respondeu com o vídeo dela. Ela nem questionou. Eu obviamente mandei um senhor e-mail, com link de tudo, todas as explicações e, quando ela respondeu, já mandou o vídeo.

Como surgiu essa ideia?
Por ser gay, ter uma voz que posso usar por essa causa e ver a situação do Brasil que é desesperadora, pensei: “tenho que fazer alguma coisa”. As pessoas não percebem o quão ruim está para a comunidade aqui. Eu queria falar sobre isso não só nas minhas músicas, que já falo, mas de uma forma não tão manifesto quanto esse clipe. Pensei “preciso fazer algo um pouco mais político”. E também pensei “não posso ganhar dinheiro em cima disso”, porque não creio que é moralmente certo lucrar em cima de um manifesto pela comunidade. Então, me associei ao Grupo Arco-Íris, que tem mais de 20 anos e é de fato uma ONG séria. Toda a grana vai para eles, que fazem um trabalho muito além de organizar a Parada do Rio.

E você esperava essa repercussão toda? Com tantas divas, esperava, né?
Sim e não. É muito louco. Acho que a ficha ainda não caiu: o tamanho que se tornou esse clipe e o nível das pessoas que falaram “vou topar participar do projeto daquele brasileiro ali”. Eu estou começando minha carreira. Lancei só um EP e não tenho um grande histórico. Mas tenho uma força de vontade enorme! Melhor do que poder trabalhar com pessoas que de fato me inspiraram enquanto eu crescia, é poder fazer isso pela causa que faço parte.

Como foi sua reação quando saiu uma matéria na Billboard americana?
Eu publiquei em tudo quanto é lugar! Gritei! Liguei para cada um gritando: “estamos na Billboard americana, o que está acontecendo?!”. Muito louco. E começou a sair em várias mídias americanas. Várias, várias. As pessoas entraram em contato. Eu sou independente, não tenho milhões de reais para investir, e consegui fazer isso. É legal ver que as pessoas de fato acreditam em mim como artista, e não na marca que criei ou o que quer que fosse. Das pessoas que aparecem no clipe, várias pediram para ver o corte final para aprovar. E aprovaram. Gostaram da música. Sou validado por diversos dos meus ídolos! O artista é muito inseguro, então se sentir validado por pessoas que você admira como heróis, não tem nem como agradecer.

Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Entrevistas

“Eu acredito no meu talento”: Lauren Jauregui conta ao POPline os rumos de sua carreira solo

Entrevista: cantora acaba de lançar o primeiro single de seu primeiro álbum e conta em que pé está o projeto.

Published

on

(Foto: Katia Temkin)

Já faz dois anos que Lauren Jauregui está em estúdio, trabalhando em seu primeiro álbum solo. Sua estreia, no entanto, é diferente da maioria dos outros artistas. Ela desenvolve seu álbum de debut acompanhada de forte interesse popular: Lauren vem do girlgroup Fifth Harmony, que colocou três álbuns no Top 5 da Billboard 200 e alcançou números fenomenais com o single “Work From Home”. Só o clipe desta música teve 2,2 bilhões de reproduções no Youtube.

– Como parte do Fifth Harmony, eu sei o quanto custou para alcançar esses números. Sabe o que quero dizer? Eu sei que levaram quatro ou cinco anos de trabalho duuuuro até termos um “Work From Home”. Eu sei o quanto esforço, energia e trabalho tivemos que dedicar para alcançar aqueles números e aquele sucesso. Eu sei que, se fui capaz de fazer isso pelo grupo, eu sou capaz de fazer isso por mim. – ela diz em entrevista ao POPline, parte da agenda de divulgação de seu novo single, “Lento”.

A música, em espanhol, é a primeira amostra do álbum, que ainda está em desenvolvimento. Ela criou a faixa com o produtor porto-riquenho Tainy, nome do momento no mercado latino. Selena Gomez, J Balvin, Anitta, DJ Snake e Becky G já recorreram ao seu talento. Lauren continua trabalhando com ele. É um dos colaboradores do seu processo criativo. Questionada se sente pressão para repetir o sucesso do Fifth Harmony, ela garante que não. O momento e a situação são outros.

– Eu acredito no meu talento e eu acredito no que eu posso fazer. Esses números não são imediatamente importantes para ninguém. Se você se pressionar para ser um fenômeno e ter um single estourado, você não consegue criar, produzir, e esperar que algo aconteça. Eu não meço meu sucesso em relação ao que alcancei no passado, eu meço meu sucesso em relação a quanto de energia estou colocando no meu trabalho e o quanto estou orgulhosa dele. Se eu amo, não importam os números. Você me entende? – ela diz com doçura.

POPLINE – Por que você levou tanto tempo para lançar um single novo?
LAUREN JAUREGUI – Uh, essa é uma boa pergunta! Primeiro de tudo, leva tempo para fazer os clipes, tem todo um plano. Então eu faço as músicas e a gravadora tem que concordar que é a música perfeita para sair. Tem que ter um acordo. Eu faço tudo com paixão e amo criar. Estava mais focada na criação do que no lançamento.

E sobre Tainy? Como foi trabalhar com ele?
Foi ótimo. Amo esse cara. É um grande ser humano, super talentoso. Eu amo trabalhar com sua galera.

Vocês lançaram “Nada” e “Lento” juntos. Fizeram outras músicas além dessas?
Sim, fizemos (risinho) A gente continua fazendo músicas juntos, na verdade, porque ficamos amigos.

O que “Lento” significa para você?
Hum… “Lento” não tem um grande significado, eu acho. Eu sinto que é mais como um contraste sensual para lançar, curtir a vibe, e mover o corpo. É assim que vejo a intenção de “Lento”.

Você está explorando suas raízes latinas em “Lento”. O que te motivou a finalmente fazer isso?
Eu queria fazer música em Miami. Sabe o que isso significa? (pausa) Eu venho criando músicas há dois anos, mergulhando nesse processo, descobrindo qual é meu som, como eu quero chegar às pessoas e como eu posso colaborar com a gravadora. Ir para Miami pareceu a oportunidade ótima para buscar esses elementos. Quando cheguei ao escritório em Miami, eu me senti muito bem. Eu provavelmente morreria se não explorasse minhas raízes na minha música. Não tenho nenhuma ressalva com isso.

Você vem trabalhando em estúdio por dois anos. “Lento” é completamente diferente de “Expectations”, a primeira música que você lançou. Mudou a direção do álbum?
“Expectations” não entrará no álbum, então “Lento” é tecnicamente a primeira vibe do álbum. Mas eu vou lançar outras músicas em breve e vocês terão uma noção melhor do conjunto do álbum. “Lento” é definitivamente uma das vibes que ele trará.

Quantas músicas finalizadas você já tem?
Eu tenho… (risinho) Eu acho que tenho umas cinco músicas finalizadas. Talvez quatro, talvez cinco, por conta da masterização. Mas eu tenho centenas de músicas (risos).

Podemos esperar o álbum para este ano?
Sim. Obviamente estamos enfrentando circunstâncias inesperadas, mas estou fazendo meu melhor para ter o álbum e executar isso. Mas, ao mesmo tempo, não tenho o controle de salvar o mundo, então infelizmente não sabemos o que poderá acontecer. Mas meu objetivo é, absolutamente, lançar o álbum neste ano. Esse é meu objetivo.

Há dois anos, você disse que seu álbum não traria participações, porque você quer que conheçam sua voz. Mantém essa decisão?
Hum… Eu digo o que penso no momento, sabe? Mas me dei conta que tenho algumas participações que somam tanto às músicas, mas tanto, que… Trabalhar com pessoas que eu realmente admiro é uma das melhores partes de fazer música, então eu não mantenho essa restrição, mas a maior parte do álbum serei só eu. Só eu. Eu tenho muito a dizer. As faixas que trouxerem participações é porque são essenciais, agregam muito e foi ótimo trabalhar com essas pessoas.

(Foto: Katia Temkin)

Qual seria o melhor elogio para seu álbum?
Meu Deus, meu favorito é quando alguém me diz que minha música o fez se sentir visto, escutado e menos sozinho. Esse é o melhor elogio para mim: quando minha música, minha inspiração e minha cura podem te oferecer uma cura para seus próprios sentimentos.

Vocês todas do Fifth Harmony têm estilos musicais diferentes hoje em dia. Você se identifica com o som de alguma das outras cantoras?
Acho que cada uma tem sua própria vibe. Eu sempre vou apoiar se elas estiverem fazendo as músicas que gostam. É tudo que importa.

E o Brasil, hein? Seus fãs sentem muitas saudades. Claro que enfrentamos o coronavírus agora, mas podemos esperar uma visita sua no futuro?
Sim! Assim que eu puder, quero fazer turnê com essas músicas. Não há dúvidas na minha cabeça de que quero ir ao Brasil. Eu amo o Brasil. AMO! Não há paralelos para os shows feitos aí. Eu nem consigo me ouvir quando estou cantando! (gargalha) As pessoas cantam mais alto do que eu! Eu definitivamente voltarei.

Para terminar, deixe uma mensagem para os fãs.
EU TE AMO MUITO! (fala em português) Muito obrigado por seu apoio. Muak!

Continue Reading

Entrevistas

Entrevista: cantor HRVY fala sobre música inspirada em fã, continuações do clipe de “Me Because Of You” e sonha com colaboração com o BLACKPINK e Billie Eilish

Conversamos com este jovem britânico de apenas 20 anos louco para encontrar os fãs brasileiros.

Published

on

Com as ferramentas de divulgação de música online, que permite a qualquer um disponibilizar seu trabalho para milhões de casa, e a disseminação dos reality shows de canto, o mundo teve acesso a uma nova geração de cantores. São jovens que sonham em viver de suas composições, de seus shows, e inspirar uma legião de fãs.

Foto: Divulgação

HRVY, uma abreviação de seu nome de batismo, Harvey, é um britânico de apenas 20 anos e que começou sua caminhada apoiando artistas como Little Mix, The Vamps, Jonas Blue e NCT Dream em turnê e esteve com Danna Paola, a Lucrécia de Elite, em um remix para a música “So Good”.

Com os primeiro EPs de 2017, “Holiday” e “Talk to Ya”, HRVY já conquistou fãs no Brasil e expandiu os seguidores principalmente com a faixa “Personal”. Agora, o cantor trabalha em seu primeiro álbum de estúdio e prepara sequência para o atual single “Me Because Of You”. A faixa foi inspirada por um tweet de uma fã.

Conversamos com ele sobre o que está por vir e sua relação com fãs aqui no Brasil. Confira:

POPline: Oi HRVY, como você está? Legal falar com você!
HRVY: Olá! Ótimo falar com você também. Estou animado por essa entrevista, uau, quem dirigia esse jovem de Londres, Inglaterra, conversando com o Brasil.

(risos) Você começou o ano de 2020 com um novo single, “Me Because of You”, e ele foi inspirado por um fã, correto? É uma declaração de amor, mas não necessariamente para um amante! Ela sabe que a música partiu do tweet que enviou?
Esta é realmente uma história louca, pouco antes de entrarmos em um acampamento de composição eu estava percorrendo o Twitter respondendo aos fãs e me deparei com esse tweet: “sou apenas eu por sua causa” e fiquei super inspirado por isso. Eu pensei que seria um ótimo título e, ao invés de apenas escrever outra canção de amor genérica, o título tinha muito mais significado. Literalmente diz como realmente é, estou apenas fazendo as coisas que amo e vivendo meus sonhos por causa dos meus fãs. Na verdade, sou apenas eu por causa deles, então eu queria dedicar e escrever uma música para os fãs.

Você conseguiu falar com ela depois?
O mais louco é que voltei alguns dias depois que escrevemos e procurei a fã para contar a ela, mas não a encontrei. Então, quem quer que seja, obrigado, eu te amo!

E o videoclipe sai um pouco da letra real, mas ainda tem esse sentimento de pertencer a algum lugar ou com alguém. Como você chegou a este conceito?
Eu queria fazer algo diferente, não apenas uma história de amor. O roteiro foi todo inspirado em filmes de ficção científica como Jogador Nº 1 e Guerra nas Estrelas, etc. O clipe e a música nem sempre se complementam, mas neste mundo da música temos ainda que sermos interessantes visualmente. A ideia partiu em um voo para Los Angeles e desenhei esse mundo em todas as minhas viagens e coisas relacionadas a mim, então eu tive a ideia de fazer dois vídeos consecutivos e a história se entrelaçando. Foi super legal filmar também, nós fizemos na África do Sul. Mal posso esperar para você ver mais.

Então você não vai dar uma de “Telephone” e nos entregar a continuação (risos).
(risos) Sim, eu não posso falar muito, mas como qualquer história eu gosto de pensar que ela tem início, meio e fim. E existe um fim e que fim! (risos)

Você já abriu shows do Little Mix, The Vamps, colaborou com o NCT e Jonas Blue e pelas suas músicas fica claro que você gosta de pop e música eletrônica. Você tem uma lista de parceria dos sonhos? Quem é que está nela?
Eu absolutamente amo o BLACKPINK, uma colaboração seria incrível. Já fiz parceria com o NCT Dream e eles são tão legais, amo o k-pop em geral, os vídeos e as cores são maravilhosos. Sobre colaborações futuras, a lista de desejos é enorme. A Tori Kelly tem vocais insanos, eu amo, amo, amo, amo Billie Eilish. Ela é super legal, a música dela é ótima.

Para o nosso público que não te conhece, o que você quer que eles saibam?
Quero que saibam que eu tenho novas músicas para sair em breve, estou fazendo uma turnê mundial. Que mais? Eu amo amo amo dias preguiçosos quando fico andando de cueca pela casa, assistindo Netflix, amo o TGI Fridays que é um restaurante, não sei se vocês tem, é típico uma refeição americana. Amo carros esportivos, ficar com minha família. Então, quem quiser saber mais, espero que isso que dê uma ideia além do habitual.

Você começou muito jovem. Quando soube que queria seguir a carreira da música?
Eu cantava muito na escola com meus amigos quando eu tinha uns 13 anos e eles me incentivaram a publicar vídeos no Facebook e o primeiro foi do Trey Songz, “Simply Amazing” e ganhei milhões de visualizações. Eu mal conseguia acreditar, ficava ‘uau, 10 mil’, depois 100 mil, um milhão e cada vez que subir eu ficava mais animado. Meus amigos também então eles me incentivaram a colocar mais, eu coloquei mais alguns e foi assim que conheci meu empresário e minha jornada começou, foi uma loucura.

Você apenas lançou EPs até agora. Planos de um álbum?
100% de chance de um álbum inteirinho. Estou neste momento no processo de terminá-lo. Para aqueles que quiserem saber mais, fique ligado nas redes sociais porque vai sair este ano. É tudo o que posso dizer neste momento.

Tudo bem! Então conte pra gente como é seu relacionamento com os fãs no Brasil!
UAU!!! Os fãs brasileiros são incríveis, provavelmente eu recebo mais tweets do Brasil do que de qualquer outro lugar do mundo! Meu empresário disse que ‘Personal’ é disco de platina aí e é insano! Então muuuuuito obrigado por todo amor e apoio de vocês!

Então com essa turnê se desenrolando, chance de vir para cá?
Geralmente começa com uma viagem inicial ao Brasil e depois um show, mas eu estarei 100% quero e estamos apenas tentando resolver tudo agora. O Brasil está definitivamente na minha lista de desejos. Parece surreal… as praias, a comida. Estou super empolgado para chegar aí, então sim, vejo vocês em breve. Um beijo enorme para todos os fãs brasileiros. Amo vocês (disse em português).

Continue Reading

Siga a Playlist