banner com link para rádio globo
Duda Beat | foto: Allison/Divulgação
in

Duda Beat investe em dancinha de TikTok como estratégia de divulgação de “Dar Uma Deitchada”

A música tem coreografia assinada por Flávio Verne – responsável também por passos memoráveis de Luísa Sonza e Pablo Vittar

A cantora e compositora pernambucana Duda Beat lançou o clipe oficial de “Dar Uma Deitchada com olhar atento para as tendências virais das redes sociais. A música, que veio para representar o momento vivido por si mesma e por muitas outras pessoas que se sentem animadas e ao mesmo tempo cansadas, tem coreografia assinada por Flávio Verne – responsável também por passos memoráveis de Luísa Sonza e Pablo Vittar.

Leia mais:

O objetivo da coreografia de fácil execução e com ares de TikTok é promover desafios musicais e de dança, gerando uma viralização e empoderamento para as pessoas que desejam demonstrar suas formas diversas de “Deitchar” nas redes sociais.

“Estou trabalhando com a Duda já tem quase um ano e a nossa linha de trabalho de dança vai por uma linha que tem muita mistura de influência, tem muita coisa misturada, muitas referências que a gente ama. Mas, quando ela me mostrou essa música, a intenção era que a gente fizesse uma coreografia que fosse para challege, para TikTok, para as pessoas reproduzirem”, revela Verne.

E completa: “Foi muito divertido porque é algo que a gente não vê muito a Duda fazendo. Foi algo novo pra ela e foi legal para eu que eu pudesse pensar na Duda dentro desse universo do TikTok também”. Confira bastidores da gravação do clipe:

 

Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por Flavio Verne (@flavioverne)

“Dar Uma Deitchada”, que surgiu em uma imersão ao lado dos amigos, apresenta ritmo alegre direcionado para a energia do verão, diferente de seu último álbum “Te Amo Lá Fora”, que tem uma essência dark e sombria. Com a ajuda dos produtores musicais Lux Ferreira e Tomás Tróia, Duda aposta agora em arranjos mais alegres e solares, que são a cara da estação mais alegre do ano.

Mantendo em alta as influências sonoras de seu último lançamento, a canção busca traduzir a energia de uma mulher com amor-próprio elevado e gostosa. Duda revela que consegue se encaixar em duas versões, a gostosa e a cansada. Como pontos positivos, a cantora reflete:

“Minha versão gostosa traz energia para dar tudo de mim quando estou executando um projeto. Quando me sinto cansada, olho pelo lado bom sobre a possibilidade de dar uma pausa, descansar e me ouvir!”, explica.

100% autoral, a canção revela duas versões de Duda Beat. “Sempre escutei dos meus amigos que sou uma melhor amiga, estou pronta para sair e dançar até cansar, como também posso ser uma ótima companhia para simplesmente “Deitchar” e assistir a uma série a noite toda.”, define. Por isso, a música foi inspirada em si própria e em suas vivências.

Clipe produzido pela O2 Filmes

Produzido pela O2 Filmes e dirigido por Gabriel Dietrich, responsável pela codireção do álbum “GRACINHA” de Manu Gavassi, o trabalho visual chega para o público não só mostrando uma Duda sensual e dançante, mas também abusa de incríveis referências do pop dos anos 90 e dos programas da TV brasileira mais clássicos e divertidos da época, além das cores vibrantes que abraçam o lado descontraído de Duda.

O diretor da O2 Gabriel Dietrich com Duda Beat nos bastidores de “Dar uma Deitchada” | Foto: Divulgação

“Quando li a letra de “Dar uma Deitchada”, realmente percebi quão contemporânea ela é, pois reflete como as pessoas estão se sentindo agora. Para o clipe, trouxemos essa vontade de mostrar duas versões da Duda: A poderosa e arrumada e a que está cansada, mas ainda gostosa. Também trouxemos referências de programas da antiga MTV, cores fortes e tudo muito retrô. É um clipe bem gostoso de assistir e ainda finalizamos com uma surpresa especial para o público!”, conclui Gabriel, diretor da obra.

Assista o clipe de “Dar uma Deitchada” da Duda Beat:

Escrito por Rafa Ventura

Mais Você: Vyni fala de Eli: “Gays e héteros podem ser amigos e isso deveria ser normalizado”

“Camille”: álbum perdido do Prince será lançado 36 anos após gravado