Apple Music usa Shazam para identificar mixes de DJs
Foto: Apple Music/Divulgação
in

Apple Music usa Shazam para identificar mixes de DJs

A Apple Music anunciou que criou um processo para identificar e compensar adequadamente todos os criadores individuais envolvidos na criação de uma mixagem

A Apple Music está usando o Shazam para resolver o problema da indústria de streaming com mixagens de DJs. A empresa anunciou que criou um processo para identificar e compensar adequadamente todos os criadores individuais envolvidos na criação de uma mixagem de DJ. Usando a tecnologia do aplicativo de reconhecimento de áudio Shazam, que a Apple adquiriu em 2018 por US $ 400 milhões, a Apple Music está trabalhando com grandes gravadoras independentes para criar uma maneira justa de dividir os royalties de streaming entre DJs, gravadoras e artistas que aparecem nas mixagens.

O objetivo é ajudar as mixagens de DJ a reter um valor monetário de longo prazo para todos os criadores envolvidos, garantindo que os músicos sejam pagos por seu trabalho, mesmo quando outros artistas estiverem nele. Essa é uma das primeiras grandes integrações da Apple com a tecnologia do Shazam.

Leia Mais:

Historicamente, é difícil para DJs transmitir mixagens online, uma vez que plataformas de transmissão ao vivo como YouTube ou Twitch podem sinalizar o uso de músicas de outros artistas como violação de direitos autorais. Os artistas têm direito a royalties quando sua música é tocada por um DJ durante uma apresentação ao vivo, mas a dance music complica ainda mais isso, já que pequenas amostras de várias músicas podem ser editadas e mixadas em algo irreconhecível.

A Apple Music já hospeda milhares de mixagens, incluindo sets dos festivais digitais do Tomorrowland de 2020 e 2021, mas só agora está anunciando formalmente a tecnologia que permite isso, embora a Billboard tenha notado isso em junho. Como parte deste anúncio, o arquivo de mixagens DJ Kicks do Studio !K7 começará a ser lançado no serviço, dando aos fãs acesso a mixagens que não estão no mercado há mais de 15 anos.

“Apple Music é a primeira plataforma que oferece mixagens contínuas em que há uma taxa justa envolvida para os artistas cujas faixas estão incluídas nas mixagens e para o artista que faz essas mixagens. É um passo na direção certa, onde todos são tratados com justiça”, disse a DJ Charlotte de Witte em um comunicado em nome da Apple. “Estou muito animada por ter a chance de fornecer mixagens online novamente.”

 

Apple Music usa Shazam para identificar mixes de DJs
Foto: Apple Music/Divulgação

Para os fãs de dance music, a capacidade de transmitir mixagens de DJs é inovadora e pode ajudar a Apple Music a competir com o Spotify, que lidera a indústria em assinantes pagos à medida que ultrapassa o domínio da Apple no podcasting. Mesmo com a Apple Music introduzindo aquisições de áudio sem perdas, áudio espacial e música clássica, a empresa ainda não ultrapassou o Spotify, embora a adição de mixagens de DJ acrescente outro recurso musical único.

Apple Music e a remuneração atual do streaming

Ainda assim, o mergulho da Apple Music no enigma dos royalties do DJ não necessariamente aborda as crises mais amplas em jogo entre músicos ao vivo e DJs que sobrevivem a uma pandemia. Embora plataformas como a Mixcloud permitam aos DJs transmitir sets e monetizar usando música pré-licenciada, as mixagens de DJ da Apple Music não incluirão conteúdo gerado pelo usuário.

A MIDiA Research, em parceria com a Audible Magic, descobriu que o conteúdo gerado pelo usuário (UGC) – conteúdo online que usa música, seja um TikTok de sincronização labial ou uma mixagem de DJ Soundcloud – pode ser uma mina de ouro da indústria musical valendo mais de US $ 6 bilhões nos próximos dois anos.

Mas a Apple ainda não está investindo em UGC, já que os indivíduos ainda não podem fazer upload de suas mixagens pessoais para streaming na plataforma como fariam no Soundcloud. De acordo com um relatório da Billboard de junho, a Apple Music só hospedará mixagens depois que o streamer tiver identificado 70% das faixas combinadas.

A Apple Music não respondeu às perguntas sobre como exatamente os royalties serão divididos, mas este é apenas um pequeno passo parao mercado reestruturar como os músicos vão ganhar a vida em um ecossistema digital.

Embora essas inovações ajudem a compensar os artistas, os royalties do streaming representam apenas uma pequena porcentagem de como os músicos ganham dinheiro – a Apple paga aos músicos US$ 0,01 centavo de dólar por transmissão, enquanto concorrentes como o Spotify pagam apenas frações de centavos. Isso levou o Sindicato de Músicos e Trabalhadores Aliados (UMAW) a lançar uma campanha em março chamada “Justiça no Spotify”, que exige um pagamento de um centavo por fluxo igual ao da Apple.

Apple Music usa Shazam para identificar mixes de DJs
Protestos “Justiça no Spotify” que aconteceram no mês de março de 2021 por condições mais justas de remuneração no streaming. Foto: Patrick Perkins

Mas os eventos ao vivo continuam sendo a renda principal dos músicos, especialmente dados os irrisórios pagamentos de streaming das plataformas – é claro, a pandemia não tem sido propícia para turnês. Para piorar a situação, a Association for Electronic Music estimou em 2016 que os produtores de dance music perderam US $ 120 milhões em royalties de seu trabalho sendo usado sem atribuição em apresentações ao vivo.

A movimentação da Apple Music pode gerar uma tendência para uma mudança global na indústria da música, em um problema que ganhou mais destaque a partir das ausências dos shows no período da pandemia.

Escrito por Láisa Naiane

Duda Beat revela que Lady Gaga é seu sonho de feat

Duda Beat revela que Lady Gaga é seu “sonho de feat”

Paula Fernandes detalha experiência no “The Masked Singer”