Foto: Reprodução Instagram/ @glastofest
in

Indústria da música reage ao cancelamento do Festival Glastonbury: ‘devastador’

Executivos do mercado musical destacam o apoio governamental para que o setor não seja danificado nos próximos anos

A indústria da música reagiu fortemente a notícia de que o Festival de Glastonbury, maior festival da Inglaterra, passará por mais um ano de cancelamento forçado, por causa da pandemia da Covid-19, com muitos chamando a necessária decisão de um golpe “devastador”, de acordo com o Music Week.

Phil Bowdery, presidente da Concert Promoters Association, disse: “É devastador que Glastonbury, uma das joias da coroa da música ao vivo e do cenário de festivais do Reino Unido, tenha sido forçado a cancelar por mais um ano. Com alguma luz no fim do túnel e com a implantação da vacina em andamento, precisamos de tempo para nos preparar e precisamos desesperadamente de um esquema de seguro apoiado pelo governo para desbloquear nosso futuro. Agora, mais do que nunca, precisamos que isso seja implementado ou nossa indústria de festivais de sucesso global poderá ser danificada nos próximos anos”.

Paul Reed, presidente-executivo da Association of Independent Festivals, disse que o cancelamento de Glastonbury não significa necessariamente o fim da temporada de festivais em 2021, mas soou como uma nota de cautela.

“Considerando seu significado cultural global como o maior festival greenfield do mundo, é claro que Glastonbury pode definir o tom, especialmente em termos de confiança do público nos festivais que estão acontecendo este ano”, disse Reed.

“Embora eu deva enfatizar que há 975 festivais no Reino Unido e, embora grandes festivais possam tomar decisões este mês sobre se avançam em 2021, como vimos hoje, para muitos festivais menores, o ponto de corte será mais como março ou início de abril. Já estamos começando a ver os festivais em maio e junho mudarem para o final do ano”, afirma.

Ele acrescentou: “O cancelamento de Glastonbury mostra que não estávamos blefando quando dissemos ao Comitê Selecionado do DCMS, que precisamos de intervenção governamental urgente se quisermos manter o potencial para uma temporada de festivais no Reino Unido este ano. O tempo está passando. Leva um mínimo de seis a oito meses para organizar um festival e custa algo entre £ 500.000 para planejar um festival com capacidade para 5.000 e £ 12 milhões para um festival com capacidade para 70.000, razão pela qual temos pedido intervenção do governo – seguro garantido e por algum senso de prazo para a reabertura”.

O chefe executivo da UK Music, Jamie Njoku-Goodwin, disse:

“Este cancelamento é devastador para todos nós, tanto em nível pessoal quanto profissional. Terá um sério impacto em milhares de empregos em todo o país e em muitos empregos nas cadeias de suprimentos para Glastonbury. Agora há uma enorme nuvem de incerteza pairando sobre todo o festival de verão e a temporada de música ao vivo, com toda a indústria no limbo e milhares de empregos em risco”, relata.

Michael Kill, CEO da Night Time Industries Association, disse: o ano de pausa prejudicará os frequentadores de festivais e as empresas que buscam a temporada de verão e a oportunidade de negociar em 2021″.

Kill acrescentou: “O Governo deve reconhecer o impacto dos níveis insignificantes de apoio dado ao setor de festivais e eventos, e trabalhar por uma solução que irá salvaguardar o setor e permitir que a temporada de festivais e eventos de 2021 tenha lugar em todo o Reino Unido.

O presidente do Comitê DCMS (Department for Digital, Culture, Media & Sport), Julian Knight MP, recém-chegado da audiência parlamentar dessa última semana, disse:

“A notícia de que o Reino Unido perdeu o Festival de Glastonbury pelo segundo ano consecutivo é devastadora. Solicitamos repetidamente aos ministros que ajam para proteger nossos festivais de renome mundial como este com um esquema de seguro apoiado pelo governo. Nosso apelo caiu em ouvidos surdos e agora as galinhas voltaram para o poleiro. A joia da coroa estará ausente, mas certamente, o governo não pode mais ignorar a mensagem – ele deve agir agora para salvar este vibrante e vital setor de festivais”.

Em um comunicado, os organizadores Michael e Emily Eavis anunciaram seu “grande pesar” em ter que retirar o evento pelo segundo verão consecutivo devido à pandemia de coronavírus em curso.

“Apesar de nossos esforços para mover céus e terra, ficou claro que simplesmente não seremos capazes de fazer o Festival acontecer este ano”, diz o comunicado. “Sentimos muito por decepcionar todos vocês”.

Mais uma vez, aqueles com ingressos têm a opção de rolar seu depósito de £ 50 para o próximo ano, quando os organizadores esperam poder entregar um festival que os fãs e a indústria da música estão esperando. Em anos anteriores, a BBC alcançou milhões com sua cobertura de TV, rádio e online. Os planos para a próxima edição devem ser revelados em breve.

Leia o depoimento na íntegra sobre o cancelamento do Festival Glastonbury abaixo:

No Brasil, Rock in Rio segue confirmado

No Brasil, a organização do festival Rock in Rio confirma a realização do evento para os dias 24, 25, 26 e 30 de setembro e 1º, 2 e 3 de outubro deste ano. Criador do festival, Roberto Medina se mantém confiante na vacinação em massa para a população brasileira, apesar das notícias. A previsão do governo federal é que todos os brasileiros sejam imunizados até a metade de 2022.

Confira mais detalhes acessando aqui.

Escrito por Láisa Naiane

Hit da vacina! Nova versão de “Bum Bum Tam Tam” ganha clipe

Zé Felipe diz que parou de estudar após repetir três vezes