in ,

ENTREVISTA: Luísa Sonza conta detalhes sobre “Boa Menina” e fala sobre “a veracidade” deste trabalho: “fui eu mesma o tempo todo”

Uma boa menina faz o que ela quer fazer! É assim, com esta mensagem, que Luísa Sonza lança nesta semana seu mais novo single “Boa Menina”. Depois do sucesso de “Devagarinho” e do lançamento de “Nunca Foi Sorte” há duas semanas, Luísa volta ao spotlight com o que pode ser o seu momento mais genuíno. A música é divertida, dançante e traz um discurso de empoderamento feminino, muito usado atualmente no Brasil e no exterior, mas ainda novo para a artista gaúcha. O POPline teve a chance de assistir às gravações do clipe de “Boa Menina” – que já ultrapassa a marca de um milhão de visualizações – de perto e poder observar o trabalho do diretor Jacques Dequeker que, junto com Luísa, criou uma linha visual bem diferente do que temos visto no mercado. Além disso, também tivemos a oportunidade de conversar com a cantora sobre este lançamento e sobre seus planos para o próximo ano. Ela nos contou todos os detalhes a cerca de “Boa Menina” e ainda falou sobre sua participação na trilha sonora da próxima novela das 21h da Globo, “O Sétimo Guardião”. Confira!

Foto: Bruno Pereira

Depois de um sucesso tão grande como foi “Devagarinho”, como você se sente com este novo lançamento?

Me sinto animada, feliz e cada vez com mais responsabilidade. Conforme vamos lançando canções, o público interage e nos pede mais. Então sempre estou pensando lá na frente, sempre querendo inovar, apresentar novas facetas minhas, tudo para que o público curta. O trabalho é totalmente voltado para eles.

Você afirmou que em “Boa Menina” você estava, pela primeira vez, sendo 100% você mesma e se sentindo representada. O que tem de diferente nesta produção que faz com que você se sinto desta maneira?

Nessa produção fui a co-diretora do clipe. Fui eu mesma o tempo todo, sem personagens na construção do clipe, sem filtros. Eu, Luísa, sendo eu mesma, seja na roupa mais larga, nas cores preto e branco, no tênis, no olhar e no sorriso. Isso me trouxe mais liberdade e veracidade na transmissão da mensagem que eu queria passar. Foi importante ter esse espaço subjetivo, com meu olhar, minha atitude.

Você assinou a composição de “Boa Menina” e pelo que vimos no set de filmagens, você também pode opinar diretamente no clipe, nos takes. O quão importante é para você estar à frente de seus lançamentos?

É de uma importância ímpar, sabe? Gosto de dar ideias, pensar nos detalhes, sugerir. Ao lado do Jacques Dequeker, diretor geral, tive a chance de expor minhas ideias, minhas opiniões e considerações e chegamos a um termo comum. O Jacques foi super querido, entendia o que eu dizia e foi muito bacana essa troca. Ele, e toda equipe, foram fundamentais para chegarmos a um resultado tão rico e bem feito.

Falando do clipe… Logo que entrei no set de filmagem me impactei positivamente com o cenário. Achei inusitado e bem refinado. A ideia de criar uma imagem mais minimalista para “Boa Menina” foi sua? Quais foram as suas referências?

Queríamos muito trazer uma linguagem visual mais ‘clean’ e moderna pro clipe, o que acredito que tem a ver muito comigo e com minha personalidade. Pegamos também referências de algumas produções americanas de cantoras pop, ídolas para mim.

Nos últimos anos vimos o pop brasileiro crescer e a produção de clipes também, porém a grande maioria segue o caminho oposto ao de “Boa Menina” – têm mais cores e normalmente um roteiro de “história”. O que te levou a buscar outro caminho pro seu vídeo?

Justamente a chance de ir na contramão desse fluxo que temos atualmente. Quis inovar, trazer mais da Luísa para o videoclipe, para termos mais veracidade e energia, sabe?

No clipe você contou com um balé de dançarinas bem diverso e representativo. Como foi feita a escolha das bailarinas? O que você priorizou?

Eu, junto com minha equipe, fizemos testes de seleção com diversas bailarinas em São Paulo. Eu queria muito trazer a diversidade para dentro da gravação, queria exaltá-la ao público e mostrar o quanto é lindo nossa riqueza. Além disso, carregar com isso a temática da representatividade foi muito importante, precisamos falar mais disso, deixando de lado as ideias clichês e procurando mais informação. Por isso, quis trazer jovens de diferentes culturas, corpos, cabelos, cores.

A intenção por trás deste balé é muito clara e louvável. Acredita que conseguiu atingir as suas expectativas? Tem intenção de levar essa diversidade para suas apresentações ao vivo?

Muito obrigada pelo elogio, fico feliz de ouví-lo. Sobre expectativas, sim, eu atingi, adorei o resultado e a mensagem que construímos juntas. Quero muito levar essa diversidade para os meus shows, com certeza. Acho muito bacana trazer isso para o público.

Além de “Boa Menina”, você também lançou em outubro “Nunca Foi Sorte”, música de Aguinaldo Silva que estará na novela das 21h. Como você recebeu este convite? Ficou surpresa? Afinal, música em novela é uma grande porta para o mainstream e no seu caso, uma chance de alcançar um público ainda mais abrangente.

Fiquei muito surpresa e feliz demais com o convite. O Aguinaldo viu meu trabalho e gostou, isso é gratificante e especial para minha carreira. Só tenho a agradecer pela oportunidade e chance de atingir novos públicos através da novela.

Você pretende lançar um novo EP ou álbum no próximo ano? Acredita que ainda vale apostar neste formato?

Tenho alguns planos sim, mas ainda não posso falar muito sobre. Eu junto com minha equipe e gravadora estamos vendo o planejamento para o ano que vem.

Falando em 2019, este poderá ser um grande ano para você. Quais são seus planos (além do álbum ou EP)? Já pode adiantar alguma novidade?

Tem muita novidade vindo por aí, mas ainda não posso adiantar muita coisa. Vocês podem aguardar uma Luísa criativa, fiel à sua mensagem e responsabilidade, e cheia de amor e foco para 2019 haha

Escrito por Mari Pacheco

Carly Rae Jepsen lança single e o clipe de “Party For One”

Mel B se veste de Victoria Beckham “em greve” de turnê para o Halloween