Demi Lovato: pontos altos e baixos do comeback em 2020
(Foto: Reprodução / Instagram @ddlovato)
in ,

Demi Lovato: pontos altos e baixos do comeback em 2020

Cantora fez seu retorno no início do ano e encontrou coronavírus e Max Ehrich no seu caminho.

Demi Lovato quebrou um hiato de dois anos sem música nova em 2020, voltando a trabalhar depois um período dedicado à vida pessoal. A cantora havia se afastado dos holofotes para se recuperar de uma overdose e estabilizar sua saúde mental. A volta ao trabalho era aguardada com expectativa pelo público.

“Anyone”

O “comeback” se deu em janeiro, com uma apresentação no Grammy Awards. Tudo parecia grandioso e indicava que “agora ia”. Foi mesmo um grande momento para Demi. “Anyone”, a inédita que ela cantou na premiação, alcançou o Top 40 na Billboard Hot 100. Embora se esperasse mais barulho do retorno dela, estava bom para uma faixa que não era single. Em março, no entanto, o mundo parou. Era a pandemia do coronavírus.

“I Love Me”

A cantora americana já falou que tinha um álbum para lançar neste ano, e ele foi adiado, dadas as circunstâncias. “Eu gostaria de ter a data secreta. Eu genuinamente não sei quando meu retorno será feito”, ela disse ao “Good Morning America” em setembro.

Apesar disso, Demi Lovato lançou seis músicas em 2020, com destaque para o single “I Love Me”, que alcançou o 18º lugar na parada americana e ganhou certificado de ouro. A música foi considerada uma das 100 melhores de 2020 pela revista Billboard.

“Eu estava muito preparada para meu retorno, para lançar música que não tinha lançado em anos, e falar sobre coisas que queria falar há muito tempo”, disse Demi.

“I’m Ready”

Demi Lovato tinha uma carta na manga pra este ano: uma colaboração com ninguém menos que Sam Smith, cantor inglês vencedor do Oscar, de Grammys e BRIT Awards. Ele já colocou sete músicas em 1º lugar no Reino Unido. A aposta era alta. Os dois gravaram um clipe juntos, com tema de Olimpíadas. Em março, no entanto, os Jogos Olímpicos foram adiados para 2021 e o material ficou dissonante da realidade.

Demi e Sam lançaram a música e o clipe mesmo assim, mas obviamente não funcionou. “I’m Ready” acabou, inclusive, atrapalhando a divulgação do álbum do Sam Smith também. Pela primeira vez na carreira, um disco dele não pegou o topo da parada britânica. Em julho, Sam curtiu um tweet chamando “I’m Ready” de flop.

Boas oportunidades conquistadas pelo novo empresário – mas não tão eficazes

Para sua nova fase, Demi Lovato assinou contrato com o empresário Scooter Braun, o mesmo de Justin Bieber, Ariana Grande e J Balvin. Todos eles tiveram um 2020 profissional muito bom, no topo das paradas, menos ela. Scooter conquistou para Demi boas oportunidades, mas que não surtiram o efeito esperado.

Além da performance no Grammy, Demi Lovato se apresentou em 2020 no palco do Billboard Music Awards e foi a anfitriã do People’s Choice Awards. A cantora esteve em espaços de bastante visibilidade, mas não nada disso lhe ajudou a ter um hit neste ano.

Em novembro, Scooter comemorou as indicações de seus artistas ao Grammy Awards. Quanto à Demi, teve que forçar uma nomeação em Melhor Trilha Sonora Para Mídia Visual, pelo filme de “Festival Eurovision da Canção: A Saga de Sigrit e Lars”, no qual ela canta uma única música. O filme da Netflix, aliás, foi outra conquista do empresário. Mas a comédia não fez muito sucesso.

Desgaste na imagem com noivado polêmico

No meio do caminho de Demi Lovato, apareceu o ator Max Ehrich, um problema na vida dela. Se Demi vinha tentando sofisticar sua imagem nesse comeback, Max atrapalhou tudo. Os dois ficaram noivos quatro meses após se conhecerem, com direito a muita exposição nas redes sociais, e terminaram o relacionamento dois meses depois.

Demi Lovato não aguenta mais ex-noivo
Foto: Reprodução Instagram @ddlovato

Max Ehrich foi acusado de ser alpinista social e um antigo hater da cantora. Vários vídeos e prints antigos revelaram postagens do ator falando mal da Demi, antes de namorá-la, e sempre declarando seu verdadeiro amor por outra artista – Selena Gomez.

Quando Demi descobriu e terminou, Max protagonizou muitos vexames públicos, mantendo o nome da cantora recorrentemente nos sites de fofoca. Qualquer sofisticação se esvaiu. Demi acabou sendo mais comentada pelas polêmicas de Max do que por sua música.

Sequência de músicas “sem intenção de hitar”

Sem data para lançar seu álbum, Demi Lovato lançou mais três músicas – em meio ao turbulento relacionamento com Max. Foram “OK Not To Be Ok” (com Marshmelllo), divulgada como parte de uma campanha de prevenção ao suicídio; “Still Have Me”; e “Commander In Chief”. Não foram sucessos, mas também não tinham a intenção de.

“Commander In Chief”, um ponto alto na discografia da cantora, trouxe pela primeira vez o posicionamento político da cantora. “A diferença entre eu e o tipo de artista que você esperaria que eu fosse (mas, desculpa, querida, isso nunca será eu) é que literalmente não me importo se isso vai arruinar minha carreira”, ela escreveu no Instagram.

Demi Lovato no Oscar?

A indicação da trilha do filme “Festival Eurovision da Canção: A Saga de Sigrit e Lars” ao Grammy acendeu a luz de uma possibilidade também no Oscar. Já pensou se Demi conquista uma indicação na premiação? A disputa para 2021 é menor, porque poucas produções cinematográficas estrearam em 2020. “In the Mirror”, a música que ela canta na comédia, poderia concorrer ao Oscar.

Além disso, a Netflix submeteu Demi Lovato na categoria melhor atriz coadjuvante, por sua atuação no filme. A cantora faz uma pequena participação, mas o suficiente para a plataforma acreditar que ela pode conquistar uma nomeação. Seria um ponto alto depois de um ano tão turbulento.

Demi Lovato está em filme do Netflix
Foto: Divulgação

Escrito por Leonardo Torres

Divulgação

Artistas reclamam de atraso no pagamento de prêmios pela BeApp; empresa se posiciona

Confira as músicas que estrearão com exclusividade no programa POPline na FM O Dia

Direto do POPline.space, POPline na FM O Dia anuncia as músicas que vão estrear no Primeiro Play dessa semana