in

Crítica especializada elogia “Phoenix”, novo álbum da Rita Ora: “é tudo que você gostaria que fosse”

Nesta sexta-feira (23) Rita Ora lançou seu segundo álbum “Phoenix”, após uma longa espera de 6 anos. Pelo que parece, valeu o tempo, já que o projeto recebeu críticas de maioria positiva da crítica especializada. Apesar de pontos baixos, os sites reconhecem o poder da cantora de se reerguer e fazer música boa.

Leia destaques:

NME
Mesmo com algumas músicas dispensáveis, em grande parte, porém, o álbum de Rita Ora é tudo que você gostaria que fosse: infinitamente divertido, recheado de brilhantes produções e refrões pegajosos. Pode ter levado seis longos anos para chegar, mas “Phoenix” é a prova de Ora de que coisas boas chegam para aqueles que esperam.

CLASH
Apesar de uma experimentação ocasional, o álbum mostra sua força – enquanto seus vocais e lirismo brilham – sem se afastar muito de seu som pop e R&B ocasional. Honesta, polida e com faixas que são variadas o suficiente para manter a atenção, “Phoenix” está há quatro anos em construção, esperando nos bastidores para ver a luz. E agora que finalmente está aqui, definitivamente vale a pena conferir.

INDEPENDENT
Com todas as dificuldades, todo o processo demorado que tem sido para chegar até aqui, o segundo álbum de Rita Ora é um registro surpreendentemente coerente. […] Há alguns pontos baixos: “Keep Talking”, mesmo com a conhecedora de pop Julia Michaels a bordo, é frustrantemente lúgubre, enquanto “Summer Love” constrói, ameaçadoramente, uma queda desajeitada. Para a maior parte, no entanto, Phoenix vale a pena a espera – se você estava fazendo isso com indiferença ou suspiros.

CELEB MIX
Rita Ora pode ter sido rosto de programas de TV, campanhas de marca e nas manchetes mesmo afastada da música. Agora, com o “Phoenix”, tudo explode. Realmente, qualquer uma dessas faixas são ótimas o suficiente para serem singles de sucesso. Coloque todas juntas e você tem um álbum pop matador.

THE TIMES
É uma jogada arriscada chamar um álbum de “Phoenix” (Fênix). Isso evoca imagens de uma carreira em cinzas e a temida palavra: retorno. Ainda assim, isso é o que certamente significa para Rita Ora. A londrina foi ferida nos últimos anos por batalhas com duas das maiores estrelas do planeta. Primeiro seu ex-namorado, Calvin Harris, a proibiu de interpretar “I Will Never Let You Down”, ironicamente intitulado o hit número 1 que ele escreveu para ela. Depois, com a gravadora.

Escrito por Caian Nunes

Cheio de saúde! Caetano Veloso se exercita e faz flexões durante entrevista para Tatá Werneck

Sandy emplaca metade das músicas do álbum “Nós VOZ Eles” no top 100 do iTunes