Foto: Instagram/ @anitta/ @zenetotoscanooficial
in ,

Anitta ironiza “tatuagem no tororó” após polêmica com Zé Neto

A cantora se pronunciou sobre as críticas que recebeu do cantor sertanejo

Após toda repercussão sobre as declarações de Zé Neto, da dupla com Cristiano, envolvendo o nome de Anitta, chegou a vez dela se pronunciar. Na madrugada deste domingo (29), a cantora ironizou o quanto sua tatuagem anal expôs cantores sertanejos. Nesse sentido, ela se refere aos cachês milionários que alguns deles têm recebido de prefeituras para shows.

Foto: Instagram/ @anitta

LEIA MAIS:

Enquanto no discurso, Zé Neto havia criticado a Lei Rouanet e citou até mesmo a tatuagem de Anitta.Nós somos artistas que não dependemos de Lei Rouanet, o nosso cachê quem paga é povo“, disse. “A gente não precisa fazer tatuagem no ‘toba’ pra mostrar se a gente tá bem ou não, a gente vem simplesmente aqui e canta”, completou.

Por outro lado, a cantora só foi se pronunciar cerca de duas semanas depois. “E eu achando que tava só fazendo uma tatuagem no tororó“, comentou em seu perfil do Twitter, sem citar nomes.

LEIA MAIS:

Nesse sentido, ela ironizou a fala do cantor sertanejo. Visto que pouco tempo depois foi descoberto que no mesmo show que ele havia feito as declarações, ele havia recebido R$ 400 mil de verbas municipais.

Logo após a repercussão, outro cantor sertanejo também foi exposto: Gusttavo Lima. Desse modo, o Ministério Público de Roraima abriu uma investigação para apurar o cachê de R$ 800 mil em uma cidade de oito mil habitantes.

Em seguida, outra cidade entrou para a lista. O cantor cobrou cerca de R$ 1,2 milhão para um show em Conceição do Mato Dentro (MG). No entanto, logo em seguida a apresentação do sertanejo foi cancelada.

Curtiu esta matéria? Clique aqui para ler mais conteúdos do Oh My God! by POPline. Tem listas, curiosidades, virais, celebs, k-pop, reality shows e muito mais sobre cultura pop!

Escrito por Natasha Werneck

Sujou! Quadro de Monalisa é atingido por bolo no Louvre

Luisa Sonza interrompe show para 120 mil pessoas após confusão por transfobia