in ,

RBD: Após desentendimentos entre membros, parte 2 de turnê ainda é possível?

Integrantes do grupo podem estar vivendo momentos de tensão após escândalo envolvendo ex-empresário

O que levou o RBD a chegar à situação polêmica em que está inserido hoje? Entenda! Foto: Chino Lemus

Em 2023, tudo parecia um sonho para os fãs do RBD… O (agora) quinteto voltava aos palcos depois de 15 anos para uma acalorada turnê de reencontro, os integrantes viviam trocando declarações de amor e vários novos projetos tomavam curso. Bastou virar o ano, porém, para que a realidade se tornasse outra: escândalo envolvendo o ex-empresário e acusações de roubo, fagulhas de tensão entre os membros e uma enxurrada de incertezas. Diante desse cenário, ainda dá para vislumbrar uma “Soy Rebelde Tour 2.0”? O POPline analisa!

LEIA MAIS:

Foto: Carlos Ruiz

Na verdade, as coisas começaram a desandar para o RBD pouco antes de 2024 chegar. Na primeira quinzena de dezembro, quando o grupo já tocava a última etapa da turnê, no México, caiu no colo dos fãs a ‘bomba’ envolvendo o polêmico Guillermo Rosas, que, até então, ocupava o posto de empresário do grupo.

A imprensa mexicana repercutia, fervorosamente, que Guillermo, que também já havia cuidado de projetos solo de Anahí e Christian Chávez, teria desviado cerca de 250 mil dólares de um projeto associado a “Soy Rebelde Tour”, as NFTs. Essas eram uma espécie de pacote VIP adquirido pelos fãs que conferia a eles benefícios e regalias ao longo da série de shows, como entrada antecipada nos shows e sorteios para a passagem de som.

Ao contrário do que o público imaginava, os artistas nunca chegaram a emitir um pronunciamento oficial a respeito do ocorrido, e o burburinho só foi ganhando mais força. Algumas semanas depois, porém, já em 2024, alguns membros chegaram a falar isoladamente sobre o caso, durante aparições públicas ou em eventos.

Maite Perroni e Christopher Uckermann foram alguns dos que falaram sobre o escândalo, alegando que Guillermo já não trabalhava mais com o RBD. Foi dito, ainda, que os músicos precisaram abrir uma nova empresa após a demissão do ex-empresário e revisar os contratos com a Live Nation, produtora responsável pela turnê.

Entre os meses de janeiro e fevereiro, enquanto os fãs aguardavam ansiosamente pelo anúncio de uma possível extensão da turnê, os integrantes ficaram cada um na sua e diziam estar fazendo o fechamento administrativo da série de shows, além de outras burocracias. Foi revelado, ainda, que todos concordaram em iniciar um processo de auditoria, a fim de investigar a parte burocrática da “Soy Rebelde Tour” após o escândalo protagonizado por Rosas.

Nesse interim, a imprensa mexicana avançou em disseminar uma série de fake news sobre o grupo, o que foi desgastando cada vez mais a imagem deles e cansando os fãs. Chegou a ser dito até mesmo que Guillermo Rosas desviou dinheiro da turnê com apoio de Anahí para angariar verba para a campanha política de Manuel Velasco, marido da cantora.

Em meados de março, toda a situação pareceu ganhar um breve respiro quando os integrantes, que não eram vistos juntos desde o último show da turnê, em 21 de dezembro, se reencontraram para o batizado da filha de Maite, Lía. Acontece, porém, que Anahí foi a única a não comparecer e, obviamente, a imprensa do México começou a repercutir que eles estariam brigados e que, inclusive, a eterna Mia Colucci não teria sido convidada para o evento de família.

Nesse meio tempo, pressionados pela mídia, alguns dos membros, como Christian e Christopher, confirmaram alguns projetos do RBD para esse ano e esclareceram que todos, em consenso, gostariam de fazer novos shows. Entre os projetos já encaminhados, o grupo tem um DVD gravado em São Paulo, em novembro, um documentário e um álbum de inéditas – esse último, para a maioria dos fãs, já é quase certo de ser engavetado.

Agora em maio, no entanto, o que já era uma fagulha virou uma explosão a partir do momento em que Anahí tornou público que havia perdoado Guillermo Rosas. A voz de “Sálvame” publicou um texto de aniversário para o ex-empresário, que também era seu amigo de longa data, dizendo que em seu coração não havia espaço para mágoas.

A mensagem publicada pela cantora foi suficiente para que os fãs se enfurecessem e o caso ganhasse vários desdobramentos. Anahí esclareceu seu posicionamento, os integrantes do RBD que já não haviam dado, deram unfollow em Guillermo nas redes sociais, alguns deles postaram indiretas e a sucessão de fatos parece ainda não ter ganho um ponto final.

Para os fãs, é muito claro que, agora, o RBD estaria dividido entre Dulce María, Maite, Christopher e Christian, que estariam furiosos com Guillermo e suas atitudes, e Anahí, que teria decidido passar por cima do ocorrido e perdoar o ex-empresário e amigo. Os fãs, embora tão divididos quanto, parecem dar razão aos quatro primeiros integrantes.

Mas, e agora, quais as chances de uma nova turnê?

Foto: Instagram/@christianchavezreal

Em vários momentos ao longo da “Soy Rebelde Tour”, principalmente durante a catártica passagem pelo Brasil, em novembro, e na reta final, os membros davam vários indícios de que aquela ainda não seria uma despedida em definitivo. Muito pelo contrário, eles chegavam a dizer que queriam continuar com os projetos em grupo.

Alguns dos integrantes até verbalizaram que havia, sim, planos de estender a série de shows. Christopher e Christian chegaram a dizer que queriam passar por países que ainda não tinham visitado naquela turnê, como os países da Europa e outros da América do Sul. Enquanto isso, rolavam vários boatos de que eles voltariam ao Brasil para uma nova maratona de shows na capital paulistana e que isso aconteceria ainda no primeiro semestre de 2024 – o que eles nunca chegaram a confirmar.

É fato que a nostalgia segue sendo uma tendência na música e que o RBD, pelo fenômeno que é, teria demanda suficiente para continuar lotando estádios pelo mundo, inclusive em uma nova passagem pelo Brasil. Os 8 shows que os artistas fizeram em novembro do ano passado pelo eixo Rio-São Paulo deram sold out, e os fãs ficaram com aquele gostinho de ‘quero mais’.

Seja com um repertório de resgate de sucessos como o da “Soy Rebelde Tour” ou para uma turnê de um disco de inéditas, os fãs seguem dispostos a pagar ingressos para ver o grupo de perto. A questão é que a situação que se instaurou, fomentada pela mídia mexicana e pela falta de um posicionamento dos próprios artistas, parece ser um grande entrave para qualquer projeto em grupo, sobretudo uma turnê, que envolve tantas questões.

Agora, é ver como as pendências serão resolvidas e, sobretudo, como os cinco integrantes irão conduzi-las. Para os fãs do RBD, principalmente depois de um ano como 2023, nada é impossível – embora a situação no momento não seja nada favorável.