banner com link para rádio globo
Foto: Marcos Michael
in ,

Roberto Medina sobre Rock in Rio 2022: “uma energia parecida com a de 1985”

Leia entrevista com Roberto Medina, idealizador do festival.

A grandiosidade do Rock in Rio é uma certeza que se confirma a cada edição. Neste ano, isso vai se repetir, não há dúvidas pelo line-up rechegado de grandes artistas. A proposta é olhar para este ano como um recomeço depois da pandemia do covid-19 e fazer um pareço com a primeira edição icônica, que aconteceu em 1985.

O Portal POPline conversou com Roberto Medina, idealizar do festival, para saber mais sobre suas visão sobre futuro, presente e passado do Rock in Rio.

Divulgação/Rock in Rio
Foto: Divulgação

Leia Mais:

O empresário assumiu que está sentindo uma energia muito parecida com a edição de 1985. Apesar de serem ocasiões diferentes, ele quer mostrar que o show pode continuar.

Acho que 85 simbolizou a coisa de ser disruptivo, simbolizou garra de entrar o sonho, sair da zona de conforto, para gente se expor com plateia… Eu falo sempre: ‘eu tenho talento para fazer o que eu fiz’. Essa coisa foi conjunta, não tinha estrutura e a gente fez, a gente entregou. Foi 1 milhão e 380 mil pessoas, paz o tempo inteiro, então eu agora estou sentindo uma energia muito parecida com a de 1985“, explicou ele.

Foto: Getty Images

Os desafios do Rock in Rio 2022

A abertura da venda de ingressos já traz uma emoção. Conseguir comprar já faz o coração do fã bater mais forte e saber: “vou pisar no Rock in Rio e ver meu artista favorito”. Mas será que em uma situação pós-pandemia foi mais difícil montar esse line-up dos sonhos?

“Os desafios sempre são muitos, mas não foi tanto, porque os artistas estão vivendo o mesmo problema que a gente. Ele está louco para tocar, tá louco para ver pessoas. Então está bem diversificado. “, disse Medina.

O idealizador do festival comenta os destaques entre as atrações: “Tem o dia do Post Malone, que entrou uma praia mais eletrônica, um dia da Dua Lipa, que a gente entrou no final, que eu acho que vai ser muito bacana. Os dias do Justin Bieber e o Coldplay, que vão acabar (os ingressos) em dois minutos. Eu acho que a gente fez nosso Iron Maiden de sempre, que vai lotar de sempre, aquele negócio fica preto, muda a cara da cidade do rock“, listou.

Foto: Getty Images

Apesar de ser um festival principalmente de entretenimento, Roberto Medina faz questão de ressaltar a questão do cuidado ambiental, um bandeira que será levantada durante as festividades. “Eu acho que esse ano, mais do que tudo, é a oportunidade da gente se reencontrar e de pensar um pouquinho no que a gente vai fazer. Eu acho que a gente não está cuidando do nosso planeta em todos os sentidos que você possa imaginar e a gente pode cuidar, acho que a música é capaz de fazer isso, de tocar as pessoas“, disse.

“Eu acho que música não é de esquerda, nem de direita, a música é música, é boa, mexe com a alma das pessoas” – Roberto Medina.

Representatividade

Na edição de 2022 haverá um dia no palco mundo só com mulheres. Dua Lipa, Megan Thee Stallion, Rita Ora e Ivete Sangalo (que fará sua 15ª apresentação). Não é a primeira vez que isso acontece, mas é um grande avanço para a representatividade.

Foto: Getty Images

Eu acho que na verdade a gente forçou a mão, foi um tapa, vamos fazer uma homenagem às mulheres porque o Rock in Rio tem tamanho o sucesso para isso, para mudar a questão de gêneros, a questão feminina. Se você lembrar no Rock in Rio de 85, o Ney Matogrosso vai quase nu para fazer um show espetacular. Então ele nasceu para o que as pessoas estão buscando hoje, a gente nasceu assim“, soltou ele, garantindo que não tem medo de quebrar paradigmas.

O Rock in Rio foi declarado patrimônio cultural imaterial pelo estado do Rio de Janeiro. Se já era importante, agora é muito mais. Com isso, vem a importância de devolver à sociedade muito do que se ganha.

Quando você tem o apoio da população, você tem uma responsabilidade nesse apoio, o que você pode devolver. Eu acho que o bilhete do Rock in Rio é muito pouco para estar ali, mas é uma coisa séria economicamente, é uma coisa que as mães querem levar os seus filhos mas é um pouco complicado“, refletiu ele.

No final das contas, o Rock in Rio é um realizador de sonhos e Roberto Medina faz o possível para que isso seja refletido no mundo.

Escrito por Caian Nunes

Oi? Gustavo sugere indicar Laís no 9ª paredão do BBB22

"Sei que as pessoas sentem falta do Duque", diz Shonda Rhimes sobre "Bridgerton"

“Sei que as pessoas sentem falta do Duque”, diz Shonda Rhimes sobre “Bridgerton”