Por que o ISRC automático é prejudicial para a música?
Foto: ISRC/Divulgação Ecad
in

Por que o ISRC automático é prejudicial para a música?

O ISRC automático ele não é válido e interfere na remuneração dos titulares de direitos autorais

Se você já escutou falar sobre “ISRC automático” ou “ISRC irregular” é fundamental entender o porquê que essas duas apresentações são tão prejudiciais para a música, nesse caso apresentada como um fonograma.

Recentemente, o Ecad (Escritório Central de Arrecadação e Distribuição) fez um comunicado a todas as agregadoras e distribuidoras musicais sobre a geração do ISRC (International Standard Recording Code) irregular de identificação de fonogramas. O texto esclarece o problema e solicita que estas empresas encaminhem seus usuários às Associações de Música para a emissão de códigos válidos para suas gravações, confira o comunicado na íntegra clicando aqui.

O ISRC é o International Standard Recording Code ou Código de Gravação Padrão Internacional, um padrão internacional de código para identificar de forma única as gravações (fonogramas).

 

Ver esta publicação no Instagram

 

Uma publicação partilhada por Ecad (@ecad_oficial)

Cada gravação (Fonograma) possui seu próprio e único ISRC. O código deve ser gerado e cadastrado na Associação de Música vinculada ao Ecad e essa função somente é realizada pelo (a) Produtor (a) Fonográfico (a).

Cada novo fonograma significa um novo ISRC. Antes de disponibilizar a música nas plataformas digitais é fundamental ter o ISRC devidamente cadastrado para que ocorra a correta arrecadaçãoe distribuição de direitos autorais.

Por que o ISRC automático é prejudical?

O ISRC automático ele não é válido, ou seja, qualquer código gerado por distribuidoras musicais ou agregadoras é inválido e pode comprometer o rendimento do artista que vier a utilizá-lo.

“Um ISRC irregular gera conflitos na base de dados nacional e internacional, trazendo custos para o sistema da gestão coletiva e prejuízos aos compositores, artistas e músicos, uma vez que precisam ser cancelados, substituídos e validados por uma nova numeração”, afirma Dr. Rodrigo Salinas, advogado especializado em direitos autorais. “Para evitar qualquer problema, basta que o artista procure sua associação para a geração do ISRC e esclarecimento de qualquer dúvida sobre este assunto”, orienta.

O Ecad enviou um comunicado sobre o assunto para as agregadoras, no qual destaca que a geração de ISRCs por esses agentes, pode resultar em códigos inválidos, que geram conflitos nas bases de dados nacionais e internacionais de direitos autorais, causando a impossibilidade do reconhecimento das respectivas gravações e a retenção dos pagamentos de direitos autorais.

Que tirar mais dúvidas sobre o universo musical? Conheça  agora mesmo o nosso Guia MM, que traz as explicações sobre os bastidores da indústria musical, clicando aqui.

Escrito por Láisa Naiane

Parceria de Israel e Rodolffo com Safadão tem a melhor estreia no Spotify

Jão, Luísa Sonza e mais famosos protestam contra Bolsonaro