in ,

Johnny Hooker estreia turnê “Estandarte”: “Narra aventuras sexuais e afetivas”

Shows seguem com a divulgação do disco “ØRGIA”


Johnny Hooker está pronto para colocar sua nova turnê na estrada em solo brasileiro! Depois de uma agenda pela Europa, o artista aterrissa diretamente no palco do Circo Voador, no Rio, nesta sexta-feira (5), com o show “Estandarte”, em apoio às canções do disco “ØRGIA” e, claro, contando com tantos outros sucessos da carreira do músico pernambucano no setlist.

Johnny Hooker. Foto: Divulgação

Leia Mais:

Ao POPline, ele falou sobre a expectativa da estreia da excursão, que ainda tem data confirmada em São Paulo, mais precisamente na Casa Natura, no dia 13 de agosto! O álbum, terceiro de estúdio da carreira de Johnny, sucede o o debut “Eu Vou Fazer Uma Macumba Pra Te Amarrar, Maldito!”, lançado em 2015, e o “Coração”, de 2017. E a tour vem cheia de conceito, viu?!

“O show do disco ‘ØRGIA’ se chama ‘Estandarte’ e narra aventuras sexuais e afetivas e o prazer como uma forma de resistir nos últimos quatro anos de governo fascista no Brasil. Como num filme somos levados em três atos aos prazeres da noite, ao fuga do delírio tropical e finalmente a dama do apocalipse que abre suas asas sobre um país devastado. Haverá futuro?”, questiona ele.

Johnny Hooker. Foto: Divulgação

Com produção de Tiago Bazani Abrahão, a narrativa vai do brega de “Amante de Aluguel”, single já conhecido do grande público, ao eletro-rock de “Nos Braços de Um Estranho“.

Aliás, “ØRGIA” surge livremente inspirado no livro “Orgia – Diários de Tulio Carella”, um dos grandes clássico do universo LGBTQIAP+, que conta sobre a série de aventuras sexuais que o dramaturgo e roteirista argentino teve pelas ruas e cabarés da cidade de Recife no ano de 60.

Ao se deparar com a obra em 2018, Hooker identificou diversas semelhanças e traçou paralelos entre as vivências dele e de Tulio. Tudo isso culminou na produção do disco, já disponível nas plataformas digitais. A sonoridade pra lá de brasileira mistura diferentes ritmos e gêneros.

Johnny Hooker. Foto: Divulgação

Do Brega ao forró, passeando pelo eletrônico e pop a misturado encanta logo na primeira audição, tudo isso somado a voz marcante do Johnny. No palco, além desse caldeirão sonoro, o figurino, outra marca do artista, impacta, junto à coreografia e muita atitude.

Assim como show, o disco é dividido em três partes, como capítulos de um livro. No decorrer de 13 faixas, começando pelo êxtase da “noite” e sua carnalidade pulsante com a faixas “Amante de Aluguel”, “Nos Braços de Um Estranho”,  a abertura é visceral, seguido de uma espécie de delírio tropical de fuga com “Cuba”, “Maré” e, finalmente, chegando aos tempos apocalípticos que se desenham diante de nossos olhos “Eu Te Desafio a Me Amar”, “Estandarte”.

Escrito por Leonardo Rocha

Grant Gustin enfim fala sobre fim de “The Flash”: “agridoce”

Selena Gomez diz o que achou ao sair com um homem mais velho