Divulgação/Instagram
Divulgação/Instagram
in

Instagram explica como funciona o algoritmo para conteúdos virais

Confira a entrevista com Raphaela Araújo, Gerente de Parcerias com Criadores do Instagram

É difícil confiar em algo que não entendemos e, definitivamente, o algoritmo das plataformas sociais são um mistério para muitos artistas e criadores de conteúdo. Para desvendar o segredo dos conteúdos virais no Reels, o POPline.Biz é Mundo da Música conversou com a Raphaela Araújo, Gerente de Parcerias com Criadores do Instagram, que levantou questões importantes para o entendimento da importância de aderir a conteúdos que são trends na plataforma e como viralizar.

Mas, antes de entender como viralizar, é de suma importância saber como funciona o algoritmo do Instagram. De acordo com Adam Mosseri, CEO da plataforma, existem muitas ideias equivocadas sobre o assunto. Um dos principais equívocos que é a existência do tal “algoritmo”.

“O Instagram não tem um algoritmo único que define o que as pessoas veem ou não no aplicativo. Na verdade, utilizamos vários algoritmos, classificadores e processos, cada um com um propósito. Queremos que você aproveite ao máximo o seu tempo no Instagram e acreditamos que usar tecnologia para personalizar a sua experiência é a melhor maneira de alcançar esse objetivo”, revela o CEO.

Quando foi lançado em 2010, o Instagram era um fluxo único de fotos em ordem cronológica. Porém, conforme mais pessoas começaram a usar o aplicativo, uma quantidade maior conteúdo era compartilhada. Então, para a maioria delas, era impossível ver tudo o que era publicado, principalmente as publicações pelas quais se interessavam.

“Em 2016, as pessoas não viam 70% das publicações no Feed e quase metade das publicações de amigos mais próximos. Por isso, desenvolvemos e implementamos um Feed que classifica as publicações com base no conteúdo que você considera mais relevante”, explica Adam.

Cada parte do aplicativo (Feed, Explorar, Reels) possui o próprio algoritmo adaptado à maneira como cada pessoa a usa. As pessoas costumam usar o Stories para ver conteúdos publicados pelos amigos mais próximos. Já o Explorar é mais usado para a descoberta de novidades. Nós fazemos classificações diferentes em cada parte do aplicativo com base na forma como as pessoas a utilizam.

Raphaela Araújo, Gerente de Parcerias com Criadores do Instagram | Foto: Divulgação

Mas, afinal, como funciona o algoritmo dos Reels para conteúdos virais?

Segundo Raphaela, a plataforma se utiliza de vários algoritmos, classificadores e processos, cada um com uma finalidade, mas todos trabalham como uma espécie de “previsão” do que cada pessoa está mais inclinada a gostar, ou não, baseados no que eles chamam de ‘sinais’, que são as informações que a plataforma tem sobre o que foi publicado, as pessoas que fizeram as publicações e as suas preferências.

“Várias coisas podem ser um sinal, como o horário em que uma publicação foi compartilhada, se você estava usando o celular ou a web e a sua frequência de curtidas em vídeos, etc”, revela.

E dá um exemplo: “recentemente, estive buscando várias páginas sobre roupinhas de bebê para dar um presente a uma amiga que acabou de ter filho. Como comecei a seguir, curtir, e salvar conteúdos ligados a bebês recentemente, mais e mais eu vejo conteúdos ligados a bebês no meu Explorar – foram sinais que eu dei sobre um assunto, que, naquele momento, eu estava interessada”.

Dito isso, a Gerente de Parcerias com Criadores do Instagram relembrou o propósito do Reels: “o Reels foi criado para as pessoas se divertirem e, por isso, analisamos a probabilidade de você assistir a um vídeo do Reels até o fim, curti-lo, achá-lo engraçado ou interessante”.

“Como conteúdos virais, em geral, são conteúdos que muitas pessoas conseguem se identificar com eles, acha-los divertidos e interessantes, são naturalmente conteúdos que recebem muitos sinais de interesse e por isso acabam sendo distribuídos para uma quantidade grande de pessoas, tornando-se portanto, virais. Desta forma, podemos dizer que, na verdade, quem “molda o algoritmo” são as pessoas”, completa.

Leia mais:

Ao aderir a uma trend é possível afirmar que seu conteúdo terá mais alcance?

Raphaela Araújo explica: “É importante levar em conta o interesse do público, se uma tendência capta mais atenção da audiência, é natural que aquele conteúdo tenha mais alcance. O que é mais importante e uma dica valiosa para quem está criando conteúdo é: conheça sua audiência, entenda o que seu público gosta de ver, interagir, compartilhar. E a maneira mais assertiva de entender o que pode funcionar melhor com a sua audiência é acompanhando as métricas dos seus conteúdos“.

Contas comerciais e de criadores têm acesso a informações como reproduções, contas alcançadas, curtidas, comentários, salvos e compartilhamentos. São excelentes indicadores para poder entender o que funciona e o que não funciona com sua comunidade.

“Independentemente da tendência, o que eu sempre digo para criadores é que o fator mais importante nessa identificação com a audiência é ser autêntico. Entrar nas tendências que tem a ver com o seu conteúdo, com você, com seu público, e os resultados acabam vindo como parte do processo”, destaca.

Quando um conteúdo é considerado trend dentro da plataforma?

O principal fator de uma tendência é a reprodutibilidade da narrativa ou da estética usada no conteúdo original. Quando o usuário cria um conteúdo tão interessante que as outras pessoas têm vontade não só de engajar com ele, mas de reproduzi-lo (às vezes, dando sua própria pitada, seu próprio tempero ao mesmo formato de vídeo), pode-se dizer que nasceu uma ‘trend’.

Em geral, as tendências compartilham do mesmo áudio e da mesma estrutura narrativa – é dessa forma que se popularizam dentro da plataforma, pois são facilmente reconhecidas.

Como o algoritmo funciona na entrega desses conteúdos para o público em geral?

A executiva explicou que cada superfície do aplicativo (Feed, Stories, Explorar, Reels, Instagram Vídeo) usa seu próprio algoritmo adaptado à forma como as pessoas o utilizam. Por exemplo, as pessoas tendem a procurar por seus amigos mais próximos ou familiares nos Stories, mas querem descobrir algo inteiramente novo no Explorar.

“No Reels, por exemplo, priorizamos o que você achará divertido e grande parte do conteúdo exibido no Reels é de contas que você não segue, assim como no Explorar. Ou seja, é como se fosse um palco para descobrir novos conteúdos, incluindo trends e novos criadores. Para os criadores, é uma oportunidade de se conectar com novas audiências também”, esclarece.

Usar os recursos do Reels diferencia o alcance de quem publica um vídeo pré-editado?

Raphaela explica que o Instagram não diferencia o alcance baseado em conteúdos criados nativamente no Reels, ou editados externamente, o alcance de um conteúdo é determinado pela quantidade de engajamento que ele recebe.

“Quanto mais engajamento, mais entendemos que esse conteúdo é relevante e, por isso, é mais distribuído. No entanto, ao utilizar recursos nativos, como, por exemplo, o timed text, o criador torna o conteúdo mais interativo, mais dinâmico e, portanto, mais divertido”.

Segundo, ao utilizar o áudio da biblioteca, o conteúdo passa a existir na página de áudio, criando novas possibilidades de ser descoberto por mais pessoas. E sim, o Reels tem um potencial imenso de alcançar novos públicos, mas isso não significa que seja a única ou melhor forma de produzir um conteúdo que vá atingir mais pessoas. “O @essemenino é um grande exemplo disso, o vídeo mais icônico dele é um vídeo longo, por exemplo. O que deixa muito claro que, independente da superfície, o que vale mesmo é ser autêntico e criativo”, finaliza a gerente.

Quer ficar por dentro de todas as trends que estão bombando no momento?
Acesse  #PoplineBizTrends, conteúdo é exclusivo do portal e que tem o objetivo de manter os leitores por dentro do que de mais novo e viral está rolando na plataforma.

Escrito por Rafa Ventura

“good 4 u”, de Olivia Rodrigo, alcança 300 milhões de visualizações

Hits natalinos invadem o Top5 do Spotify EUA e tiram Adele do topo