Fotos: Divulgação
in

Exclusivo: plataforma Frequências Preciosas promove evento gratuito com foco em artistas negras e afro-ameríndias

Para protagonizar as vozes e a arte de mulheres negras e afro-ameríndias, destacando cantoras e compositoras brasileiras da música independente, surgiu, em meio à pandemia, a Frequências Preciosas (@frequenciaspreciosas) – plataforma de ações culturais, com difusão, formação e pesquisa. O projeto vem – desde maio de 2020, quando foi criado pela artista baiana Viviane Pitaya – desenvolvendo um importante trabalho de mapeamento e divulgação de trabalhos musicais em todo o Brasil.

Visto que o valor recebido por mulheres no Brasil em 2020 representa apenas 9% do total, ou seja, a cada R$ 100 reais distribuídos, o valor destinado a elas é de apenas R$ 9 reais. E que, de acordo com o Ecad (Escritório Central de Arrecadação e Distribuição), apenas 2 mulheres figuraram no ranking dos 100 autores com maior rendimento em direitos autorais, em 2020, projetos como estes são fundamentais para ajudar o setor trilhar o longo caminho de representatividade galgado pelas mulheres.

Por isso, o POPline.Biz é Mundo da Música tem orgulho de divulgar em primeira mão o 1º Congresso Frequências Preciosas que visa fomentar esta cadeia produtiva e ampliar a sua rede de contatos. Inteiramente gratuito e virtual, entre os dias 26 e 28 de março, via Zoom, o evento tem como foco cantoras e compositoras negras e afro-ameríndias, mas é aberto a todas as pessoas interessadas.

“Existe uma produção musical atual muito expressiva feita por mulheres negras e afro-ameríndias que não é vista e que não chega ao grande público. Canções e trabalhos de mulheres preciosas, que falam sobre identidade cultural, pertencimento e tantos temas que contemplam a diversidade brasileira atendendo ao gosto dos mais variados públicos. A criação da plataforma e, agora, do Congresso têm como missão dar visibilidade a essas artistas e seus trabalhos”, resume Viviane Pitaya.

Em três dias de programação, palestras e mesas-redondas trarão assuntos ligados à gestão de carreira na música independente e temas fundamentais relacionados ao recorte do projeto.

Viviane Pitaya, cantora, compositora, artista independente e idealizadora do projeto | Foto: Divulgação

Entre os participantes, nomes importantes do cenário cultural nacional como Dani Ribas, Cristhiane Faria, Dani Rodrigues, Ítala Herta, Thiago Felix, Indy Naise, Alex Pinto, entre outros. Além deles, o Congresso tem como madrinha uma grande representante da música brasileira, que há anos conduz sua carreira de forma independente, inspirando outras artistas: Margareth Menezes, cantora e compositora com mais de 30 anos de carreira e ícone do AfroPop.

Programação

O evento começa no dia 26 de março (sexta-feira), às 10h, com a palestra “Números que artistas precisam entender: streaming e redes sociais”, ministrada por Dani Ribas, integrante da Rede SateliteLAT de Mulheres na Indústria da Música Latino-americana, professora de music business e consultora para planejamento e gestão de carreira na música, com mediação de Viviane Pitaya.

No mesmo dia, às 15h, a jornalista e especialista em Produção e Gestão Cultural Sílvia Abreu, e a multiartista, idealizadora do Coletivo Imune e uma das coordenadoras do Festival Sonora Bia Nogueira falam sobre “Coletividade e o Mercado Cultural”, com mediação da produtora cultural Carol Morena.

No sábado, dia 27, a programação começa com Dani Rodrigues, diretora da Foco na Missão Produções e Merchandising, que fala sobre “Gestão de carreira para uma artista independente” em momento mediado pela artista Iane Gonzaga, e segue às 15h com a mesa-redonda “Afroempreendedorismo feminino para gestão artística e cultural periférica em 2021”, com mediação de Udi Santos, rapper e idealizadora do selo musical EUMELANINA Produções, e tendo como convidadas Cristhiane Faria, fundadora da GRIOT Assessoria, agência de Comunicação especializada em artistas, eventos, afroempreendedores e criadores de conteúdo negros, e Indy Naise, cantora e compositora.

Fechando a programação, no domingo, dia 28, o produtor musical e fundador da produtora ISÉ, Alex Pinto, fala sobre “Tendências do mercado independente e relacionamento com marcas”, com mediação da artista baiana Aiace. Ela também mediará à tarde, às 15h, o papo entre a consultora e empreendedora social Ítala Herta e o produtor musical e gestor de carreira Thiago Felix sobre “Empreendedorismo e Inovação para impulsionar carreiras e negócios criativos”.

O 1º Congresso Frequências Preciosas tem inscrições abertas pelo Sympla, e foi contemplado pelo Prêmio Anselmo Serrat de Linguagens Artísticas, da Fundação Gregório de Mattos, Prefeitura Municipal de Salvador, por meio da Lei de Emergência Cultural Aldir Blanc, com recursos oriundos da Secretaria Especial da Cultura, Ministério do Turismo, Governo Federal.

Sobre o Frequências Preciosas

No trabalho de pesquisa, escavação e mapeamento realizado pela plataforma vêm sendo mapeadas mais de 500 cantoras-compositoras negras e afro-ameríndias da cena independente ao redor do Brasil.

“A iniciativa Frequências Preciosas busca criar uma rede de apoio sólida como forma de contribuir com o crescimento artístico múltiplo e compartilhado, criando estratégias de difusão artística de forma coletiva, realizando produções colaborativas, residências artísticas, congressos e festivais para impulsionar de forma estratégica o escoamento dos trabalhos dessas artistas”, destaca Viviane.

Como ferramenta de difusão, cerca de 50 artistas de 37 cidades de 14 estados brasileiros já tiveram seus trabalhos publicados nas redes sociais do projeto. Ainda em março, a plataforma terá seu suporte ampliado com o lançamento do site, que trará um com amplo conteúdo audiovisual e a publicação dos desdobramentos da pesquisa e mapeamento realizados pelo projeto.

Escrito por Rafa Ventura

BBB 21 cancelada

BBB 21: Ação na justiça pede retratação de Karol Conká aos nordestinos

Pai de Naya Rivera expõe diretor de “Glee” por não cumprir promessa