Foto: Mariana Vusiatytska/Unsplash
in

Dos 100 autores mais remunerados do Brasil apenas 2 são mulheres, revela relatório inédito do Ecad

A indústria brasileira da música conta com compositoras de talento inegável e diversos nomes de bastante expressão, mas a participação feminina neste mercado, em comparação aos homens, ainda é consideravelmente pequena. O POPline.Biz é Mundo da Música publicou em primeira mão, nesta segunda-feira (8), data que é comemorado o Dia Internacional da Mulher, o relatório da União Brasileira de Compositores (UBC), que revela que a cada R$ 100 distribuídos, o valor destinado a elas é de apenas R$ 9.

Neste mesmo contexto, o Ecad (Escritório Central de Arrecadação e Distribuição) lançou o relatório inédito “O que o Brasil ouve”, com o objetivo de identificar e analisar as tendências do que é ouvido em todo o Brasil nos principais segmentos de execução pública.

A primeira edição do relatório aproveitou a data comemorativa para mapear a participação feminina no mercado da música atual, especificamente em execução pública, com base nos dados do ano de 2020 e informações comparativas do início da década.

De acordo com a publicação, de todos os valores distribuídos em 2020 para compositores, intérpretes, músicos e produtores fonográficos, apenas 7% foram destinados às mulheres. A boa notícia para o mercado nacional é que quase 70% desses valores remuneraram brasileiras e o restante contemplou as estrangeiras.

Embora os números tenham crescido de forma expressiva nos últimos dez anos, a análise do banco de dados revela a discrepância do mercado: 85% das pessoas cadastradas são homens e esta realidade se reflete na análise do ranking dos “100 autores com maior rendimento” dos últimos cinco anos, em que a média da presença de mulheres se resume a meros 5%. Ao olhar para o recorte anual, esse número é ainda mais tímido. Em 2020, apenas 2 mulheres figuraram no ranking dos 100 autores com maior rendimento em direitos autorais.

Foto: Reprodução/Relatório Ecad

“Todos os números apontados neste relatório são um reflexo da formação histórica da indústria e um ponto de alerta para a produção brasileira atual. Identificar um problema e conhecê-lo de perto são os primeiros passos para que o mercado pense sobre a inserção das mulheres em todas as etapas: desde a parte técnica, passando pela criativa e incluindo a administrativa e executiva, para que nosso universo da música seja cada vez mais igualitário e justo”, afirma Isabel Amorim, superintendente executiva do Ecad.

Considerando uma amostra com aproximadamente 300 mil músicas mais tocadas nos últimos anos e que tiveram rendimentos por execução pública nos segmentos de Rádio, Casas de Festas e Diversão, Música ao Vivo, Festa Junina, Sonorização Ambiental, Show e Carnaval, apenas 14% dessas músicas têm mulheres entre os autores.

Confira a tabela de repasses por categoria para as titulares do gênero feminino:

Foto: Reprodução/Relatório Ecad

Ascensão feminina

Apesar deste cenário, os números também indicam um forte crescimento da entrada delas no mercado da música: na última década houve um aumento de 1.200% de cadastros de mulheres em todas as categorias representadas pelas sete associações de música que administram o Ecad (Abramus, Amar, Assim, Sbacem, Sicam, Socinpro e UBC). A quantidade de mulheres remuneradas também saltou de 6 mil em 2010 para 22 mil no ano de 2020.

Confira o ranking das 10 músicas mais tocadas com mulheres entre os autores:

1º “Parabéns a você” – Bertha Celeste Homem de Mello/Mildred Junius Welch Hill/Patty Smith Hill
3º “Medo bobo” – Antonio Aparecido Pepato Junior/Carla Maraisa Henrique Pereira/Francisco Benício de Sá Neto/Juliano Gonçalves Soares/Marcos Vinicius Soares de Oliveira
8º “50 reais” – Bruno Rigamonte Carneiro/Estanislau Alex Torricelli/ Maykow de Carvalho e Melo/Naiara de Fatima Azevedo/Waleria Leão de Moraes
9º “Propaganda” – Alvino Gomes Alves/Diego Henrique da Silveira Martins/Marcia Regina Araújo Farias de Oliveira/ Marder Bezerra Nunes
10º “Eu sei de cor” – Antonio Aparecido Pepato Junior/Elcio Adriano Carvalho/ Gustavo Gomes Pereira/Larissa Ferreira da Silva
11º “Vai malandra” – Andre Murilo da Silva/Brandon Michael Green/Isaac Daniel Junior/Jose Henrique Castanho de Godoy Pinheiro/ Larissa de Macedo Machado/Yuri de Jesus Pereira
16º “Vidinha de balada” – Diego Henrique da Silveira Martins/Larissa Ferreira da Silva/Nycollas Rick Damascena/Rafael Silva Borges
17º “Loka” – Janesson Caique de Jesus Bispo/Rafael Silva de Queiroz/Simaria Mendes Rocha/Simone Mendes Rocha
18º “Made in roça” – Dayane de Oliveira Camargo/Everton Domingos de Matos/Gustavo Martins Felisbino/Lara Menezes da Silva/Ray Antonio Silva Pinto/Victor Gabriel Silva/ Wanderley Henrique Batista Filho
21º “Closer” – Andrew Taggart/Ashley Frangipane/Frederic Kennett/ Isaac Edward Slade/Joseph A King/Shaun Charles Frank

Escrito por Rafa Ventura

Mesmo revelando vários “bofes”, Jojo Todynho garante “vida privada”

Dona de Mim

No Dia da Mulher, IZA lança nova versão de “Dona de Mim” com parceiras especiais