Foto: Reprodução/Instagram (@ritalee_oficial)
in ,

Após tratamento contra um câncer, Rita Lee aparece de cabelos curtos

A cantora postou a foto em seu Instagram na noite de ontem (20)

A rainha do rock nacional, Rita Lee, fez uma rara aparição no Instagram, na noite de ontem (20). Ela postou uma imagem em que aparece com os cabelos mais curtinhos, após passar pelo tratamento contra um câncer de pulmão.

LEIA MAIS: 

A artista não escreveu nada na legenda, apenas marcou o marido, Roberto de Carvalho, e o identificou como o autor da foto. Os fãs fizeram vários elogios. “A maior”, disse a apresentadora Sarah Oliveira. “Te amo, rainha”, disse outra admiradora. “Maravilhosa”, legendou um seguidor.

Em abril, foi divulgado pelo jornal Metrópoles que a artista estava em remissão do câncer de pulmão que descobriu em maio do ano passado. A cantora teve resultados satisfatórios nos mais recentes exames feitos.

Aos 74 anos, Rita estava em tratamento ao longo do ano e se manteve reclusa ao lado do marido, Roberto de Carvalho, fazendo poucas aparições nas redes sociais nos últimos meses. Beto Lee, filho da cantora, também celebrou a recuperação da mãe.

“A cura da minha mãe me emocionou pra caralho. Melhor notícia de todos os tempos. Manteve a cabeça erguida, com vontade de lutar e encarou tudo com seu bom humor habitual, tanto que apelidou o tumor de Jair. That’s Rita”, contou nas redes sociais.

Descoberta do câncer

A notícia veio por meio das redes sociais da cantora no mês de abril:

“Nossa Rita submeteu-se a um check-up no Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo. Os exames apontaram um tumor primário no pulmão esquerdo. Ele está bem assistida por uma junta médica e já se encontra em casa onde dará sequência aos tratamentos de imuno e radioterapia”.

Escrito por Magda Pinheiro

Ingrid Guimarães apresentará o novo reality “Match nas Estrelas”

Linn da Quebrada, Banda Uó e Leona Vingativa entram em livro de revisao da história LGBTQIAP+ no Brasil

Linn da Quebrada, Banda Uó e Leona Vingativa entram em livro de revisão histórica LGBTQIAP+ no Brasil