Foto: Divulgação
in

SoundCloud prepara sistema revolucionário no streaming que permitirá fãs pagarem aos artistas diretamente

O precedente inédito para o mundo do streaming foi revelado com exclusividade pela Billboard

O SoundCloud está se preparando para apresentar um novo sistema de pagamento que permitirá aos fãs pagar aos artistas diretamente, de acordo com várias fontes próximas ao projeto para a Billboard, estabelecendo o que poderia ser um precedente revolucionário para o mundo do streaming.

A mudança tornaria o SoundCloud o primeiro grande serviço de streaming de música a adotar um modelo de pagamento direto, uma estratégia que tem sido popular entre os serviços de streaming chineses como o QQ Music da Tencent Music há anos, e que serviços de assinatura como Patreon e OnlyFans desenvolveram seus negócios em torno, enquanto músicos e fãs de todo o mundo clamam por grandes distribuidores de música digital que façam o mesmo.

Uma fonte próxima à empresa disse a Billboard que o SoundCloud ainda está explorando vários modelos alternativos de pagamento de streaming e anunciará seus planos antes do final do primeiro trimestre de 2021. Questionado sobre essa atualização pelo site, o SoundCloud não quis comentar.

Revolução no mundo do streaming

O novo modelo será uma grande mudança para o SoundCloud, que atualmente utiliza um modelo “pro-rata”, o mesmo método usado por todos os principais serviços de streaming, que reúne as receitas de assinantes e distribui os ganhos para os artistas que trouxeram mais streams, direcionando a maior parte da receita para os maiores hits do mundo.

Os 175 milhões de usuários mensais do SoundCloud atualmente têm a opção de pagar até US $ 10 por mês pelo serviço de streaming sob demanda da empresa chamado SoundCloud Go +, mas seus pagamentos não são distribuídos aos artistas com base em quem eles ouvem pessoalmente, e não podem direcionar suas taxas de inscrição para seus artistas favoritos.

De acordo com a Billboard, desenvolvimento do sistema ocorre no momento em que legisladores britânicos questionam os executivos da música sobre a justiça da economia de streaming e exploram os benefícios potenciais dos chamados modelos de pagamento “centrados no usuário”, como o que o SoundCloud tem em produção.

Os chefes das divisões da Sony Music, Warner Music e da Universal Music no Reino Unido testemunharam diante do Parlamento em 19 de janeiro, insistindo que o modelo pró-rata atual não é favorável às gravadoras, para as quais John Nicolson, um parlamentar do Partido Nacional Escocês, observou: “Acho que você está vivendo em uma terra cuco das nuvens.”

Streamers maiores como Spotify e Apple atualmente dividem as taxas de assinatura para gravadoras com base em parte na participação de mercado das gravadoras; as gravadoras então pagam a seus artistas uma parte da receita que depende de seus acordos individuais. Mas os críticos têm feito lobby por um sistema que ofereça um melhor suporte a atos além dos astros das grandes gravadoras que conduzem a maior parte dos fluxos mundiais, enquanto permite que os fãs canalizem o dinheiro da assinatura para os artistas que realmente ouvem.

Nova estratégia do SoundCloud

O SoundCloud pode experimentar novos esquemas de pagamento sem a aprovação das principais gravadoras. O serviço de streaming tem se concentrado em serviços para artistas, lançando sua própria plataforma de marketing e distribuição para artistas independentes, chamada Repost, em abril do último ano, após adquirir a empresa de gerenciamento e distribuição de direitos Repost Network em 2019.

O Repost permite que os artistas no SoundCloud monetizem suas músicas na plataforma, e distribuir música e coletar receita de grandes serviços de streaming como Spotify, Apple Music e TikTok, além de oferecer ferramentas promocionais, por US$ 30 ao ano (cerca de R$ 160 reais), um plano que permite que os artistas mantenham 100% de sua receita de SoundCloud e 80% da receita de outros plataformas.

A mudança para buscar modelos de pagamento alternativos ocorre apenas alguns meses após o mandato de Michael Weissman como CEO da SoundCloud começar, após assumir a função do ex-CEO Kerry Trainor no início de 2021. Trainor, o ex-CEO do serviço de vídeo Vimeo, deixou o cargo após passar três anos na companhia.

Quando Trainor assumiu em 2017 como parte de um pacote de resgate de US$ 170 milhões do banco comercial global The Raine Group e da Temasek Holdings, com sede em Cingapura, Weissman – então o diretor de operações do Vimeo – veio com ele, ingressando no serviço de streaming na mesma função, antes de ser promovido a presidente em 2019.

Trainor levou SoundCloud a grandes aumentos de receita graças a seus produtos pioneiros e suas ofertas de assinaturas, aumentando a receita em 19% em 2018 e 37% em 2019 de acordo com números obtidos pela Music Business Worldwide, resultados que levaram ao primeiro trimestre lucrativo da empresa em 2020. Esse sucesso levou a um investimento de US$ 75 milhões (cerca de R$ 402 milhões) da SiriusXM em fevereiro passado, um investimento que permitiu à SoundCloud expandir seu contrato de vendas de anúncios com a plataforma de streaming Pandora.

As próximas mudanças em seu modelo de pagamento de streaming marcarão a grande mudança de Weissman como CEO da SoundCloud. Mas sob sua liderança, o SoundCloud já começou a expandir seu foco fora da música, anunciando o SoundCloud Player One, um torneio de jogos transmitido ao vivo dentro do Fortnite com oito artistas do SoundCloud. O torneio, que acontecerá no dia 18 de fevereiro, é visto como o primeiro de uma série de investimentos no universo de games, clique aqui para saber mais.

Escrito por Láisa Naiane

Guto TV cria “paredão dos sonhos” em paródia do BBB 21; veja!

Quem ganhou a prova do anjo

Saiba quem ganhou a segunda prova do anjo no BBB 21