Foto: reprodução/ (Felipe Braga) @djrennandapenha Instagram
in ,

Rennan da Penha mostra a instalação de comedouros e bebedouros para animais de rua

Não basta animar os bailões, Rennan da Penha também faz questão de se envolver com projetos sociais. O DJ e produtor anunciou um projeto de instalação de comedouros e bebedouros para os animais que vivem no Complexo da Penha, Zona Norte do Rio de Janeiro.

O artista, um dos precursores do funk 150 BPM, contou a novidade nas suas redes sociais nesta sábado (7/8) e homenageou a sua cachorrinha, que faleceu a pouco tempo:

“Fé, rapaziada! Estou muito feliz por estar realizando esse projeto. Consegui instalar cinco pontos com comedouros e bebedouros para os cachorros aqui do complexo da Penha. Em breve, também estarei realizando um projeto de castração dos cachorros de rua aqui na região. Esta ação é em homenagem à minha cachorrinha, que eu perdi [faleceu] esses dias”, conta.

Os comedores são instalações a base de canos de PVC e adaptados para serem recipientes de ração e água. A ação visa diminuir a fome dos animais abandonados pelas ruas da região.

Foto: reprodução/ @djrennandapenha

Rennan da Penha encontrou o ex-presidente Lula para uma conversa sobre o funk e cultura

Rennan da Penha participou de um encontro entre lideranças do Rio de Janeiro e o ex-presidente Lula (PT) no último sábado (12). O DJ e produtor enfatizou a importância do funk para a cultura da cidade e do Brasil como um todo.

(Foto: Instagram/@djrennandapenha)

“Por meio da música, eu conheci outros países que nunca achei que iria conhecer. Nunca achei que iria ter acesso a esses lugares e foi o funk que me proporcionou isso. Um ritmo que veio da periferia e hoje é número um em todas as plataformas digitais”, apontou, conforme divulgado em comunicado.

Rennan afirma que um dos grandes problemas para a desigualdade social é a falta de oportunidades, especialmente na área da cultura.

“Quando chego na minha comunidade, fico observando que há vários Rennan da Penha. Muitos com talento em abundância, todos respiram dança e muita arte dentro da favela. E eu não vejo ninguém dar oportunidade digna a essas pessoas”, destacou.

LEIA MAIS: Com “Baile de Favela”, ginasta brasileira consegue vaga nas Olimpíadas

A criminalização do Funk

Apesar de estarmos falando de um ritmo bastante popular, principalmente no Rio de Janeiro, o estigma que esse estilo musical carrega ainda é grande. Para se ter uma noção, em 2017, o Senado recebeu um projeto de lei que tinha o intuito de criminalizar o funk.

A proposta foi enviada por Marcelo Alonso, morador da Zona Norte de São Paulo. Com 21.985 assinaturas de apoio, o documento trazia aquela velha história de que o funk era responsável por fazer apologia ao crime organizado. Além disso, falava-se também sobre suas letras ofensivas e etc.

É fato e de conhecimento dos brasileiros, difundido inclusive por diversos veículos de comunicação de mídia e internet com conteúdos podres (sic) alertando a população o poder público do crime contra a criança, o menor adolescente e a família. Crime de saúde pública desta “falsa cultura” denominada funk.

Na época, isso deu o que falar e até a Anitta se envolveu. “Se você quer mudar o funk ou o que está sendo falado ou a forma que ele entra na sociedade, você deve mudar a raiz, as questões educacionais, as questões que fazem a criação do funk”, disse em entrevista à BBC Brasil.

 

Escrito por Douglas Françoza

Camila Cabello se inspirou em C. Tangana para novo single

Luisa Sonza faz cover de Britney Spears em estreia; confira