Dani Ribas, Nerie Bento, Shirley Vasconcelos e Ana GB | Fotos: Divulgação
in

Plataforma “Pagode Por Elas” lança comunidade formativa para mulheres da música

A plataforma quer potencializar a carreira de mulheres da música através do “Som Por Elas”, uma comunidade formativa, imersiva e interativa

Acelerar o crescimento e digitalização de projetos musicais femininos e baianos é o objetivo da plataforma Pagode por Elas ao lançar a comunidade “Som Por Elas”. Serão selecionadas 30 mulheres para ter acesso gratuito a aulas e mentorias com foco em gestão de carreira, monetização e comunicação na música. Artistas e produtoras, de todos os gêneros musicais, podem se inscrever.

Som Por Elas é uma comunidade formativa, imersiva e interativa que pretende unir em um só lugar, conhecimento, networking e acesso a oportunidades. Neste primeiro ciclo, com objetivo de tornar o conhecimento democrático e acessível, o espaço de interação e cocriação apesar de multimídia, será baseado em um perfil fechado no Instagram.

Durante todo ciclo, de janeiro a fevereiro, haverá premiações e, ao final, um ou mais projetos receberão premiação em dinheiro. As aulas serão semanais, como “Como ganhar dinheiro com a música”, com a pesquisadora e consultora em planejamento e gestão de carreira na música, Dani Ribas; “Primeiros Passos na Carreira Musical” conduzida pela RP, produtora e agente de carreiras artísticas, Ana GB.

Vão rolar aulas com a psicóloga Shirley Vasconcelos sobre “Inteligência emocional para artistas” e  “Como comunicar sua música nas redes sociais e na imprensa” com a assessora de imprensa e comunicação, Nerie Bento. Além das aulas de abertura e fechamento com as fundadoras da Pagode Por Elas, Joyce Melo e Beatriz Almeida.

Fundadoras da Pagode Por Elas, Joyce Melo e Beatriz Almeida | Foto: Divulgação

“Queremos proporcionar uma experiência de aceleração de carreira para as mulheres da música. De acordo com a Associação Brasileira da Música Independente, 42% das empresas do Mercado brasileiro da Música Gravada, possuem apenas homens em seus quadros”, disse Joyce.

E completou: “É essa realidade que precisamos atacar para mudar a realidade da mulher no pagode, na música e construir uma nova década. É preciso romper estruturas”.

O projeto “Som Por Elas” foi selecionado por meio do Programa da UNIDAS – Rede de Mulheres entre a Alemanha, América Latina e Caribe, por duas unidades do Goethe-Institut, Salvador e Santiago do Chile, e pelo Ministério Alemão das Relações Exteriores, que patrocina o projeto por meio do seu ministro Heiko Maas. Os resultados desse projeto serão apresentados no Chile, junto a outros projetos selecionados pelo programa.

Leia mais:

A Plataforma Pagode Por Elas

Pagode por Elas é a primeira plataforma de conexão, informação e entretenimento voltado às mulheres do pagode baiano. Idealizadora de produtos inéditos sobre as pagodeiras em protagonismo: a primeira pesquisa científica, “Transformações Provocadas pela Presença de Mulheres Vocalistas na Cena do Pagode Baiano”; o primeiro audiovisual “Pagodão: A cena por elas”; o Podcast “Mulher na cena”; a pesquisa de consumo sobre mulheres do pagode; o primeiro canal de comunicação e conteúdo especializado no tema.

E agora, através do lançamento da sua frente de educação, com o primeiro ciclo da comunidade “Som Por Elas”, Pagode Por Elas trabalha pela primeira vez com mulheres da música para além do gênero musical do pagode baiano.

Escrito por Rafa Ventura

Lulu Santos lança livro para comemorar 40 anos de carreira

Prefeito do Rio de Janeiro cancela festa de réveillon

Prefeito do Rio de Janeiro cancela festa de réveillon: “Respeitamos a ciência”