Foto: Unsplash
in

Pagamentos no Streaming: entenda as diferenças entre os modelos “Pro-Rata” e “User-Centric”

Os modelos de pagamentos das plataformas de streaming possuem discussões que vem ganhando força na indústria musical, principalmente no último ano, em que a pandemia da Covid-19 paralisou a agenda de shows em escala global e o digital assumiu o protagonismo.

Atualmente, as plataformas de Streaming funcionam a partir do modelo “Pro-Rata” que reúne todas as receitas geradas pelos usuários e esse valor é distribuído com base no número de streams. Por isso que os valores de um stream são na escala de centavos.

A Indústria Musical vem reivindicando o Modelo “User-Centric” em que o dinheiro seria dividido com base no compartilhamento de escuta por usuário. Isso significa que, se a reprodução de um ouvinte for composta para 50% da música de um artista, esse artista receberá 50% da receita gerada por um usuário específico.

Com a nova economia, o jogo muda – e também a maneira como medimos o sucesso atualmente.

Modelos de pagamento: mudança de paradigma além da economia

De acordo com o Musixtechxfuture, um argumento comum contra o modelo centrado no usuário é que ele não necessariamente traz mais dinheiro, mas, seria caro para fazer a transição e pode não acabar em somas radicalmente diferentes na parte inferior das declarações de royalties.

O problema com os estudos nos quais esses argumentos se baseiam é que as pesquisas pegaram os dados gerados pelo status quo atual do streaming e os executaram em um novo sistema. Um sistema diferente significa incentivos diferentes e teria levado a um conjunto de dados diferente.

Mais importante ainda, muda o jogo geral, como o então economista-chefe do Spotify, Will Page, apontou em 2018:

“Em ‘pro rata’, um artista está menos preocupado com a diversidade e simplesmente preferirá a plataforma cujos usuários mais transmitem suas músicas. Em ‘centrado no usuário’, os artistas preferem plataformas de streaming em que seus ouvintes exibam menos diversidade de gostos ”.

O jogo no streaming centrado no usuário, o objetivo seria garantir que seus ouvintes passem o máximo de tempo possível com você. Como artista, você quer ter certeza de que eles estão: pagando por uma assinatura – já que o modelo pago teria um stream “mais caro” do que a versão gratuita – e ouvindo você principalmente. O que você não importa é o número exato de ouvintes.

Uma métrica familiar permanecerá tão importante: o número de ouvintes mensais. O que se tornará ainda mais importante em um modelo centralizado no usuário será a média de audiência por usuário (ALPU).

Modelo User-Centric: Como funcionaria a análise de métricas no Marketing Musical?

Os profissionais de marketing de música atentos pela média de audiência por usuário, que podem monitorar nos painéis de serviços de streaming populares. Algumas das táticas que eles usariam para aumentar a ALPU são:

  • Fazer com que os fãs desativem os recursos de reprodução automática nos serviços de streaming, já que é melhor se a reprodução for interrompida em vez de passar para outro artista;
  • Priorizando plataformas focadas em perfil do usuário do que focadas em catálogo e descoberta. Embora ser descoberto ainda seja importante, o dinheiro é ganho quando você faz com que as pessoas façam stream em plataformas de alta média de audiência;
  • Agir rapidamente em novas plataformas, já que ser o primeiro em um novo serviço é uma grande vantagem para a média do usuário, devido ao fato de que não há muito mais para transmitir ainda.

Embora ainda não exista um cenário de pagamentos centrado no usuário, é importante pensar em como seria, principalmente após a movimentação do SoundCloud que certamente lançará um modelo ainda em 2021 em que fãs pagarão aos artistas de forma direta, saiba mais clicando aqui.

As discussões são inúmeras e extensas. Há quem acredite que o modelo “Pro-Rata” coloca os artistas em competição uns com os outros, enquanto que o modelo “User-Centric” é vista também como uma forma de tornar a competição muito mais acirrada.

Finalmente, ALPU já é um experimento de pensamento útil no momento. Antes de obter receita, você precisa chamar a atenção. Qual é a sua atenção para seus fãs mais dedicados? Como você se mantém em mente e faz com que os fãs verifiquem você, para que possa colocar suas músicas, produtos ou ingressos de transmissão ao vivo mais recentes sob os olhos e em seus carrinhos de compras? Mudar para o modelo centrado no usuário significaria que o cenário de streaming estaria mais alinhado com as mesmas métricas usadas para construir bases de fãs dedicadas.

Como funciona a divisão dos pagamentos nas plataformas?

A divisão dos valores que são gerados no mercado digital são consideradas a partir de um exemplo genérico, que pode alterar em valores percentuais, da seguinte forma para o consumo de uma música no streaming:

  • 30% fica com a loja, player ou plataforma digital;
  • 58% fica para a parte conexa;
  • 12% fica para a parte autoral (3% para o Ecad e 9% para a Editora, no Spotify, por exemplo)

Do percentual que fica para a parte conexa, existe uma divisão contratual entre a gravadora, selo distribuidora musical ou agregadora e artista.

Do percentual autoral, o Brasil tem a seguinte divisão entre consumo de conteúdo se for por Streaming ou Download:

Download: o percentual vai todo para a editora. Nesse caso, aplica-se o mesmo conceito do direito fotomecânico, mas no ambiente digital. Não existe execução pública. A editora, posteriormente, irá remunerar os autores de acordo com o que estiver previsto em contrato.

Streaming: Dos 12% da parte autoral, existe uma divisão de 25% para execução pública (que é recolhido pelo ECAD, ou seja, 3%) e os 75% restantes (9%) são pagos para a editora, como direitos mecânicos digitais.

Saiba mais detalhes sobre os bastidores da Indústria Musical, acessando o Guia MM do POPline.Biz é Mundo da Música.

Escrito por Láisa Naiane

BBB21: Carla Diaz perde seguidores após indicação do “monstro”

Confira os primeiros números de “UP”, novo single de Cardi B