Paulo Vaz, Colunista POPline.Biz é Mundo da Música
Foto: Paulo Vaz/Divulgação
in

Opinião: Você já ouviu falar em Sound Branding?

Artigo de opinião assinado por Paulo Vaz, para o POPline.Biz é Mundo da Música

Sound Branding é o uso estratégico de elementos sonoros para completar a identidade de uma marca e comunicá-la ao consumidor. Sabemos que uma marca não é apenas um logotipo, mas o logotipo é a linguagem visual da sua marca. Da mesma forma, seu logotipo de áudio é a linguagem auditiva para sua marca e é mais poderoso que seu logotipo visual de várias maneiras.

Vejamos a ciência por trás disso. Acredite ou não, neurologistas e psicólogos estudam os efeitos do som no cérebro humano há anos. O som é incrivelmente eficiente. Se você observar a maneira como o corpo é projetado, as vias neurais auditivas que enviam informações ao cérebro humano são muito menos complexas do que as vias visuais, o que permite um processamento mais rápido, isso significa que podemos responder a sons até 100 vezes mais rápido do que a imagens visuais!

“Podemos responder a sons até 100 vezes mais rápido do que a imagens visuais!”, destaca Paulo Vaz | Foto: Alireza Attari/Unsplash

O som é visceral. Não processamos o som de maneira racional porque ele nem chega à parte racional do nosso cérebro; afeta nossas emoções. Foi estudado e comprovado que a música provoca mais respostas emocionais do que visuais. Na verdade, a música, assim como a linguagem, tem estrutura, progressão e sintaxe. O cérebro humano até processa a sintaxe da música na mesma área em que processa a sintaxe da linguagem.

O som não apenas canaliza emoções fortes, mas também evoca as memórias que estão ligadas a elas, sejam positivas ou negativas. O som pode influenciar muito o humor do ouvinte e pode nos fornecer contexto para o que está por vir, porque as memórias ligadas a esse som nos dizem isso

A ciência existe e as marcas vêm adicionando som ou música à sua marca, pois produz camadas adicionais de resposta emocional que as imagens estáticas não podem reproduzir. Isso significa que, se você escolher os sons certos, poderá comunicar melhor e ampliar a personalidade e os valores da sua marca para o consumidor.

As empresas, após um longo processo de definição de seu DNA de áudio, vão pegar os componentes auditivos que melhor comunicam seus valores, evocam as emoções que são apropriadas e implementam nos pontos de contato para que a experiência seja consistente.

O Som se torna um identificador poderoso para sua marca que pode ser reproduzido em qualquer lugar.

A marca constrói confiança. Uma das melhores maneiras de construir confiança é se comportar de maneira consistente.

Recordação e reconhecimento são grandes indicadores chave de desempenho para a maioria das empresas. Você quer que seus consumidores não apenas reconheçam sua marca, mas se lembrem dela. Ao aproveitar o poder de elementos sonoros estrategicamente escolhidos e combiná-los com os aspectos visuais da sua marca, você pode aumentar a lembrança e o reconhecimento.

Embora o desenvolvimento de um logotipo de áudio ou marca sonora, possa não ser o próximo passo lógico para todas as empresas que desejam levar sua marca para o próximo nível, definitivamente vale a pena considerar a experiência auditiva que fornece atualmente aos seus clientes.

Qual é o som da sua marca?
____________

Paulo Vaz, formado em Publicidade e Propaganda é tecladista, guitarrista, compositor e produtor musical. Tendo iniciado sua carreira como músico profissional em 1994 na cidade de Ribeirão Preto, interior de SP, onde foi criado.
Como produtor musical, atua na produção musical para publicidade e audiovisual, no qual realizou vários projetos de criação e produção de jingles e trilhas para TV e Cinema. Reside na capital paulista há 17 anos e faz parte do Estúdio Lua Nova como produtor musical, lugar onde produziu discos de bandas como Haimanda, Gatalógica, Mariana Magri, Remix de Vamos Fugir com Seu Jorge, Kilotones, Karin Martins, Voltare e Amsterdan.
Participou de várias collabs com o projeto “Sessions da Tarde” com artistas como: Francisco el Hombre, Liniker, Scalene, Maneva, Onze20, Medulla, Selvagens a procura de Lei, Carne Doce, Plutão já foi Planeta,Dinho Ouro Preto, Gabriel Elias, entre outros.
Compôs e produziu 4 discos autorais solos, Janela em 2010, Fora do Lugar em 2012, URL em 2018 e o disco instrumental infantil Pra Dormir e Acordar em 2020. Ingressou na banda Supercombo em 2011 na Tour do disco Sal grosso, onde atua até hoje como tecladista e parceiro nos arranjos e composições.

Escrito por Paulo Vaz

Ex-noiva de MC Gui dá a melhor resposta sobre novo affair do cantor

“Halo”: Série baseada no popular game ganha trailer e data de estreia