Paulo Vaz, Colunista POPline.Biz é Mundo da Música
Foto: Paulo Vaz/Divulgação
in

Opinião: Já escutou seu Vinyl hoje?

Artigo de opinião assinado por Paulo Vaz, para o POPline.Biz é Mundo da Música

Atualmente o Disco de Vinyl ou Long Play se tornou objeto de desejo novamente. Durante muito tempo ele foi esquecido, mas nessa nova era digital, ele ressurgiu fortemente no mercado fonográfico.

Mas, você sabe como tudo começou?

O disco de longa duração ou Long Play era um descendente direto do primeiro disco feito e tocado em 20 de novembro de 1877, por Thomas Edison. Ele sabia que o som consiste em uma onda vibratória de moléculas de ar que entra em nossos ouvidos, atinge o tímpano e cria vibrações nos minúsculos ossos do ouvido interno e passa ao longo das terminações nervosas até o cérebro.

A vitrola de Edison gravou o som e o reproduziu. Ele usou um cilindro de metal com as pontas abertas que foi embrulhado com uma folha de papel alumínio.

Ao falar em um “disco sonoro” que vibrava e era preso a uma caneta ou agulha, as vibrações que Edison criava ao falar eram gravadas pela caneta no papel alumínio. Após melhorias significativas em seu fonógrafo, os primeiros registros foram feitos de cilindros de cera.

Por volta de 1887, Valdemar Poulsen, um cientista dinamarquês, usou os mesmos princípios para gravar o som em uma fita magnética. Na virada do século, a indústria fonográfica nascente fez cilindros de vários materiais com gravações permanentes, mas a Segunda Guerra Mundial levou a fita magnética a uma ampla aceitação como meio de gravação de som e depois transferi-la para discos.

Até logo após a Segunda Guerra Mundial, os discos estavam disponíveis em apenas uma velocidade de reprodução e giravam em seus toca-discos a uma taxa de 78 rotações por minuto (rpm). Em 1948, Peter Carl Goldmark (1906-1977), um físico americano nascido na Hungria, inventou um disco que girava a menos da metade dessa velocidade, a 33,33 vezes por minuto. As melhorias na produção também permitiram que a faixa (onde a agulha passa) fosse estreitada, e esses dois desenvolvimentos permitiram que seis vezes mais música fosse gravada em um único disco.

O inventor americano Thomas Edison é responsável por inventar o fonógrafo, que teria sido sua criação favorita. Embora um francês chamado Charles Cros (1842-1888) já tivesse escrito planos para um dispositivo semelhante, foi Edison, de 30 anos, que realizou experimentos para desenvolvê-lo e, em 17 de fevereiro de 1878, recebeu a patente do fonógrafo.

As matérias-primas para a fabricação de discos foram subdivididas em aquelas necessárias para fazer o disco master, aquelas para a prensagem real dos discos e os produtos de papel necessários para etiquetas, capas e jaquetas. O disco master era feito de laca preta, para que pudesse ser gravado com sulcos para transmitir o som. Prata foi usada para revestir o disco acabado, e discos de níquel cromado foram usados para prensar os discos de “vinil”.

Leia mais:

Os discos eram mais comumente feitos de plástico preto, embora alguns fossem produzidos em outras cores. As gravadoras desenvolveram os designs de suas próprias etiquetas, capas e capas de álbuns; no entanto, a fabricação desses produtos era geralmente subcontratada por fornecedores de papel e impressores.

Os registros evoluíram para três tamanhos e três formas de reprodução de som. Originalmente, os discos eram tocados a uma velocidade de 78 rotações por minuto (rpm) e eram chamados de 78s. Os 78s foram amplamente substituídos por discos de longa duração, também chamados de LPs e 33s, porque giram quando tocados a 33,33 rotações por minuto. Discos com uma única música de cada lado eram conhecidos como singles e também chamados de 45s porque sua velocidade de reprodução era de 45 rotações por minuto.

Em seus primeiros anos, esses discos eram monofônicos com som que normalmente vinha de uma agulha ou alto-falante e parecia ter apenas uma dimensão ou direção de origem. Com o aprimoramento da tecnologia, o som foi gravado em estéreo ou quadrofônico que também era normalmente projetado de dois ou quatro alto-falantes e era mais realista porque captava o som conforme o ouvimos com dois ouvidos.

Os toca-discos padronizados impediram muitas variações no design físico do disco. A criatividade, em vez disso, veio do estúdio de gravação, mas também dos artistas, escritores e pesquisadores que desenvolveram a arte e o texto nas capas dos álbuns.

Vamos afinar nossas agulhas e escutar um bom LP pra esquentar os ouvidos.

____________
Paulo Vaz, formado em Publicidade e Propaganda é tecladista, guitarrista, compositor e produtor musical. Tendo iniciado sua carreira como músico profissional em 1994 na cidade de Ribeirão Preto, interior de SP, onde foi criado.
Como produtor musical, atua na produção musical para publicidade e audiovisual, no qual realizou vários projetos de criação e produção de jingles e trilhas para TV e Cinema. Reside na capital paulista há 17 anos e faz parte do Estúdio Lua Nova como produtor musical, lugar onde produziu discos de bandas como Haimanda, Gatalógica, Mariana Magri, Remix de Vamos Fugir com Seu Jorge, Kilotones, Karin Martins, Voltare e Amsterdan.
Participou de várias collabs com o projeto “Sessions da Tarde” com artistas como: Francisco el Hombre, Liniker, Scalene, Maneva, Onze20, Medulla, Selvagens a procura de Lei, Carne Doce, Plutão já foi Planeta,Dinho Ouro Preto, Gabriel Elias, entre outros.
Compôs e produziu 4 discos autorais solos, Janela em 2010, Fora do Lugar em 2012, URL em 2018 e o disco instrumental infantil Pra Dormir e Acordar em 2020. Ingressou na banda Supercombo em 2011 na Tour do disco Sal grosso, onde atua até hoje como tecladista e parceiro nos arranjos e composições.

Escrito por Paulo Vaz

The Killers: pré-venda do “Pressure Machine” chega com 4 capas na Regards

#1 no Spotify: Justin Bieber e The Kid Laroi empatam recorde de Olivia Rodrigo

#1 no Spotify: Justin Bieber e The Kid Laroi empatam recorde de Olivia Rodrigo