Leonardo declara que "quem não morrer de Covid-19, morrerá de cirrose". Foto: Divulgação
Leonardo declara que "quem não morrer de Covid-19, morrerá de cirrose". Foto: Divulgação
in ,

Leonardo declara que “quem não morrer de Covid-19, morrerá de cirrose”

Em pesquisa realizada pela Fundação Oswaldo Cruz no Brasil durante a quarentena, dados revelam que a população está consumindo mais álcool e cigarro na pandemia. Sabendo disso, durante live “VillaMix em Casa – Modão“, o cantor Leonardo brincou com a situação.

“Os botecos tão abrindo, fala a verdade? Gente, vamos abrir os botecos, pelo amor de Jesus. Quem não morrer desse trem aí, vai morrer de cirrose, que o povo tá bebendo mais em casa. O consumo de bebida alcoólica aumentou. A gente era o terceiro país que mais consumia, hoje estamos em segundo. Logo logo, se vocês me ajudarem, vamos chegar em primeiro”.

Leonardo declara que "quem não morrer de Covid-19, morrerá de cirrose". Foto: Divulgação
Leonardo declara que “quem não morrer de Covid-19, morrerá de cirrose”. Foto: Divulgação

A participação de Leonardo começa a partir de 7:46:30!

Leonardo explica que brinca com a situação porque se sente muito triste

A lá Guido Orefice, personagem do filme “A Vida Bela“, que tenta esconder do filho que estão vivendo num holocausto, Leonardo confessou, segurando o choro, que acaba preferindo fazer piadas com a situação porque está sofrendo demais com a perda de pessoas queridas. Como o seu braço direito, Everton, da Casa de Apoio São Luiz.

“Confesso que fiquei com muito medo. Hoje sou um senhor de idade, sou avô. Não vou pegar essa porra. Falaram que tem que passar álcool nas mãos, e eu tô bebendo. Desculpa, não consigo falar muito sério. Mas perdi três amigos em quatro dias”.

 

 

Escrito por Helena Marques

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Gente como a gente: Rihanna aparece fazendo atividades caseiras em fotos inéditas para a Harper’s Bazaar

Luísa Sonza participa do programa “Encontro” e diz: “a minha forma de trabalhar é não pensar em números”