in ,

IZA fala sobre Imperatriz Leopoldinense: “ia escondida da minha mãe”

Além da cantora, outras rainhas de bateria foram convidadas pelo ‘Fantástico’ neste domingo (17)

(Foto: Globo)

A partir da próxima sexta-feira (22), o público poderá acompanhar o carnaval nas avenidas onde passarão as escolas de samba do Grupo Especial no Rio de Janeiro e São Paulo. Para se preparar para o momento, o ‘Fantástico‘ deste domingo (17) reuniu algumas rainhas de bateria, incluindo IZA, que desfila pela Imperatriz Leopoldinense, para contarem sobre suas relações com a celebração.

Fora do BBB22, Natália diz: “Vou ser a bagaceira no Carnaval”

(Foto: Globo)

LEIA MAIS:

Rainha de bateria da Imperatriz Leopoldinense desde 2020, a cantora comentou com a jornalista Tábata Poline que desfilar pela escola era um sonho desde pequena e que se tornou realidade depois de adulta. IZA também contou que chegou a ir escondida, quando mais nova, para alguns dos ensaios da escola.

“Eu passava pela Imperatriz todo dia para ir para a escola e já fui para a Imperatriz muitas vezes escondida da minha mãe. Isso sempre fez parte do meu imaginário, mas nunca pensei que eu pudesse ter essa honra”, relembrou IZA.

A cantora também falou sobre a representatividade e responsabilidade que carrega ao ser coroada como rainha de bateria da escola. “Eu fico feliz disso fazer sentido, né? De eu ser uma menina da zona norte, de Olaria, e de agora, de certa forma, poder retornar nesse lugar sabendo que outras menininhas olham para mim. É muito lindo poder alçar vôos podendo sempre voltar para o lugar de onde você veio”, completou.

Paolla Oliveira tem relação com o samba desde nova

(Foto: Globo)

Para a paulista Paolla Oliveira, apaixonada desde nova pelo carnaval e pelo samba, o Rio de Janeiro foi o local que abriu às portas da avenida para que ela vivesse o sonho de desfilar. Este ano, a atriz desfila à frente da bateria da Grande Rio pela quarta vez.

“É uma pergunta que meu pai me fazia muito: ‘Você gosta de samba menina? Onde é que você aprendeu a sambar?’. Foi aqui no Rio de Janeiro mesmo”, contou.

A atriz comentou sobre a disputa entre rainhas e afirmou que deve ser algo que já deveria ter deixado de existir. “O carnaval, bem ou mal, ainda traz um pensamento tão antigo de disputa. As escolas estão disputando, porque é uma disputa, a gente não precisa disputar. A gente fala em estar em um lugar e representar outras mulheres que não estão ali”, pontuou.

Erika Januza estreia como rainha de bateria em 2022

(Foto: Globo)

A mineira que pisou pela primeira vez na avenida em 2012 se prepara para assumir a bateria da Viradouro em 2022. Ao lado da Raissa de Oliveira, rainha de bateria da Beija-Flor de Nilópolis, a atriz demonstrou seu respeito pelas companheiras de carnaval e sua história com a celebração, mesmo sendo de outro estado.

Eu tenho um respeito muito grande pelas rainhas de bateria, pelas escolas, pela história do carnaval. Minha infância, pré-adolescência, era: ‘Mãe, deixa eu ficar acordada até de madrugada para assistir tudo’”, disse Erika.

À frente da bateria da Beija-Flor, Raissa também detalhou seu inicio, em 2007, na avenida. “Eu era muito criança. Realmente, eu só queria pular o carnaval. Depois que eu vim aprendendo, tendo noção do peso do cargo, contou.

“Ser rainha de bateria é ser a mulher da sua própria vida. Quantas Raissas não tem aí? Por todas as escolas de samba, quantas Erikas não sonham em ser rainha?”, questionou.

O POPline está fazendo uma cobertura completa de tudo que está acontecendo no BBB22. Fique de olho para não perder nadinha!

Curtiu esta matéria? Leia mais conteúdos do Oh My God! by POPline. Tem listas, curiosidades, virais, celebs, k-pop, reality shows e muito mais sobre cultura pop!

Escrito por Kaique Corrêa

Lorde adia shows em seu próprio país para 2023

Lorde adia datas da turnê “Solar Power” por problemas de saúde

Ostentação! Veja como foi a Páscoa da família Kardashian