Foto: Atiba Jefferson
in ,

Interpol fala sobre seu novo álbum: “Poderá ser muito diferente”

Produzido por Flood & Moulder, o 7º disco da banda está previsto para chegar em 2022

O Interpol deu uma pista sobre o vindouro sétimo álbum, descrevendo-o como “super diferente”. Conforme relatado no início deste ano, a banda de Nova York está trabalhando no sucessor de “Marauder” (2018) e do EP “A Fine Mess” (2019) com os produtores Flood & Moulder.

Foto: Atiba Jefferson

LEIA MAIS:

O disco, ainda sem título, deve chegar no próximo ano pela Matador Records. Falando em uma nova entrevista para a Rolling Stone, o vocalista Paul Banks revelou que o grupo estava terminando a gravação do álbum em um estúdio “muito vibrante, muito inglês” no norte de Londres.

“Definitivamente parece que somos nós”, explica Banks sobre o novo material. “É o coração e a alma da nossa banda – tipo, há um DNA em nosso som. Outra parte de mim pensa: ‘Isso pode ser muito diferente’. Algumas das canções em particular têm sentimentos realmente descaradamente positivos”.

A banda comentou sobre o início dos trabalhos durante os primeiros dias do COVID. Banks – que tem passaporte do Reino Unido – acabou ficando em Edimburgo durante o primeiro ano da pandemia, enquanto Daniel Kessler e Sam Fogarino estiveram na Espanha e nos Estados Unidos, respectivamente.

Sobre começar a colaborar em novas músicas por e-mail, Kessler explicou: “Foi um pouco desafiador, porque ainda somos uma banda da velha escola, onde entramos em um espaço de ensaio e discutimos as músicas, e as músicas têm que provar seu valor lá. Estranhamente, eu gostei muito disso. Não havia mais nada a fazer. Isso ajudou a manter nosso cérebro no lado certo das coisas, apesar de tudo que estava acontecendo ao nosso redor”.

Banks tentou escrever melodias vocais para as progressões de acordes de Kessler em “tempo real”, um processo que ele comparou a “um experimento surrealista”.

“Você escreve livremente, mas também está reagindo a uma arquitetura que Daniel provavelmente realmente estudou”, disse ele. “Como cantor, torna-se um verdadeiro deserto, com um potencial ilimitado. Flood fez questão de experimentar a música que lhe enviamos sozinho, em vez de voltar e estudar nosso catálogo. Esta rodada de canções existe como uma coisa totalmente nova, desprovida de qualquer bagagem”, finalizou.

Escrito por Daiv Santos

A Fazenda: Polêmica de MC Gui na Disney vem à tona em nova briga

“BAILE”: FBC e VHOOR apresentam álbum divertido inspirado no Miami Bass