Reprodução/Logo IFPI/Pró-Música
in

IFPI e Pró-Música Brasil anunciam série de ações contra sites de manipulação de streaming no país

Reprodução/Logo IFPI/Pró-Música

IFPI, organização que representa a indústria da música gravada mundialmente, e seu grupo nacional, Pró-Música Brasil, anunciaram neste mês de outubro uma série de ações de sucesso contra sites de manipulação de streaming no Brasil. Como resultado dessas ações, vários sites, incluindo o proeminente site turbosocial.com.br, deixaram de oferecer serviços de manipulação de streaming de música.

A manipulação de streaming envolve a criação de ‘execuções’ artificiais em serviços de streaming de música digital que não representam uma escuta genuína. A prática prejudica a precisão dos gráficos e, em última análise, a precisão dos pagamentos de royalties de serviços de streaming para criadores de música.

Seguindo uma abordagem coordenada da Pró-Música Brasil, do órgão brasileiro antipirataria APDIF e da polícia brasileira, a operadora do turbosocial.com.br removeu todos os serviços de manipulação de streaming de música. Vários sites afiliados também pararam de oferecer serviços de manipulação de streaming de música (social10.com.br; paineldecurtidas.com.br; instaautomatico.com.br; curtidasface.com.br; conseguirseguidores.com; www.instacurtidas.com.br), e a operadora concordou em se abster de reiniciar quaisquer serviços de manipulação de streaming de música no futuro, de acordo com o comunicado.

Seis sites adicionais, não relacionados ao turbosocial.com.br, retiraram os serviços de manipulação de streaming de música como resultado de cartas de ‘cesse e desista’ da Pró-Música Brasil e APDIF (impulsioneme.com; shopmmarketing.com; gramasocial.com.br; igmidias .com; infinitegrowmarketingdigital.com e boommarketingdigital.com). Um sétimo site removeu voluntariamente seu serviço.

Frances Moore, presidente-executiva da IFPI, disse: “O vibrante mercado de música do Brasil, liderado por streaming, está oferecendo oportunidades cada vez mais interessantes e diversificadas para seus artistas e fãs compartilharem e curtirem música. A manipulação da transmissão não deve prejudicar esses desenvolvimentos, privando os criadores de receitas e enganando os consumidores.

“Essas ações demonstram o compromisso contínuo da indústria fonográfica global em lutar contra essa prática, que prejudica todo o ecossistema musical. Parabenizamos a polícia e a Pró-Música Brasil por seu trabalho e cooperação neste resultado positivo”.

Paulo Rosa, Diretor da Pro-Música Brasil, disse: “Estes são desenvolvimentos positivos para a comunidade musical do Brasil e a primeira vez que vimos uma ação bem-sucedida contra sites de manipulação de streaming no país. Gostaríamos de agradecer à polícia por seu trabalho e cooperação nesses casos.

“A manipulação de streaming desvia as receitas dos artistas e prejudica a credibilidade das plataformas digitais e gráficos. Para que a indústria no Brasil realmente combata essa prática, precisamos da cooperação total de todo o ecossistema musical, desde gravadoras até serviços de streaming e aplicação da lei. ”

Essas ações são as mais recentes na campanha global da indústria fonográfica contra a manipulação do streaming de música. Em 2019, a IFPI, suas empresas membros e grupos nacionais se juntaram a uma ampla coalizão da indústria ao assinar um código voluntário de melhores práticas que visa detectar e prevenir a manipulação de streaming, bem como mitigar seus efeitos no mercado.

Desde então, resultados bem-sucedidos foram entregues na Alemanha com liminares garantidas contra cinco sites em agosto e o fechamento de Seguidoreschmiede.de, em março.

Sucesso Fake e o Mercado das Playlists

No mercado da música brasileira a prática de vendas de posições em playlists, por exemplo, acontece há anos.

Bem como, a ação para “aumentar” o número de seguidores das Redes Sociais ou o número de Plays no YouTube, que possuem estratégias e desafiam as plataformas digitais para coibir esse tipo de prática.

Os usuários que são detectados com números falsos, poderão ter suas contas excluídas ou, até mesmo, a atividade ser considerada crime de estelionato de acordo com a lei brasileira.

Visto como “novo jabá” da indústria musical, outrora vinculado às rádios, o Brasil tem se destacado pelos fake streams em escala mundial de maneira negativa no mercado da música.

Cada vez mais competitivo, o sucesso no mercado da música não deve ser reduzido à ação de robôs e não compreende as melhores práticas tanto das plataformas, quanto da valorização da arte que é emoção genuinamente humana.

Para o Spotify, “assim como com sua arte, construir uma carreira e fazer conexões significativas que convertam seus ouvintes em fãs é um processo que leva tempo. Fique firme com sua visão criativa, continue trabalhando, e como Cyndi Lauper aconselha: “Você não pode realmente se julgar: você apenas tem que fazer!”

Escrito por Redação POPLine

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Compositor da música "Fora do Comum", processa Gusttavo Lima em R$20 milhões por "roubar" sua música . Foto: Divulgação

Gusttavo Lima volta às redes sociais após separação e lança a romântica ‘Tudo o Que Eu Queria’

A Fazenda 12: Pai de Mirella tem pico de estresse após funkeira ser atacada nas redes sociais