Fresno no clipe de "Vou Ter Que Me Virar" / Reprodução: YouTube Fresno
in ,

Fresno dirige próprio clipe de “Vou Ter Que Me Virar”; assista

Música não apenas batiza o projeto, mas também mostra o conceito do que vem nas demais canções.

O primeiro videoclipe da nova fase da Fresno saiu no início da tarde desta terça-feira (9). A faixa dá título ao álbum “Vou Ter Que Me Virar”, que não apenas batiza o projeto, mas também mostra o conceito do que vem nas demais canções.

Leia mais

“Não tinha como ser outra, é a gente se virando nesse mundo e continuando a nossa carreira depois de mais vinte anos de banda”, explica Lucas Silveira sobre a música.

“Ela dá uma rompida muito grande já no início do disco, porque o cara acha que vai escutar um disco triste e ouve essa ‘cavalice’”, conta.

O álbum

Foto promocional de “Vou Ter Que Me Virar” / Divulgação/Camila Cornelsen

“Vou Ter Que Me Virar” saiu no dia 5 de novembro e é o nono álbum de estúdio da Fresno, o primeiro na nova formação como um trio com Lucas Silveira, Vavo e Thiago Guerra. “Rock, direto, livre e com muita vontade”, descreveu Thiago. Mario Camelo, que anunciou sua saída da banda no final de agosto, está creditado na gravação de todas as canções.

O anúncio do projeto foi uma surpresa para os fãs que não aguardavam inéditas depois de 20 canções lançadas dentro do “INVentário”, que abriu os HDs de Lucas Silveira e finalmente entregou a fãs faixas que até então não estavam finalizadas ou se encaixavam nos discos anteriores.

“Selecionar as faixas para o INVentário partiu do pressuposto de ver no nosso repertório não lançado, músicas que a gente quer lançar. Às vezes ficamos procurando um espaço para lançar aquele single, aquela coisa que a gente nunca terminou ou que terminou, mas não encontrou espaço na nossa vida, aí pensamos em lançar todas elas juntas e tentar fazer com que formem um corpo ali de trabalho coeso e acredito que foi o que fizemos”, disse Lucas ao ROCKline.

Entre as onze canções da tracklist, três já tinham chegado aos fãs por meio de “INVentário”: “Eles Odeiam Gente Como Nós”, “Agora Deixa” e “6h34 (Nem Liga Guria)”.

A identidade visual também foi renovada com revisões na logomarca na fonte e na cor que representa essa fase (foto acima). Para chegar ao resultado foi usado um processo fotográfico conhecido como cianotipia, feito com compostos químicos expostos à luz solar, resultando em um efeito azulado nas imagens. “A cianotipia é um negócio 200% analógico e a nossa música é muito isso, gravamos de maneira digital no computador, mas no fim utilizamos diversas coisas pra devolver essa ‘sujeira’ pra ela”, define Lucas.

Escrito por Amanda Faia

Kerline inventa documentário sobre Deolane Bezerra e Netflix desmente

Site de Luísa Sonza é vítima de hackers e exibe artistas que morreram

Site de Luísa Sonza é vítima de hackers e exibe artistas que morreram