Foto: Reprodução/FacebookKonzerthaus Dortmund
in

Estudo alemão revela que casas de show tem pouco risco de infecção por coronavírus

Um estudo conduzido na Alemanha mostrou que há um risco mínimo de contaminação por Covid-19 em eventos ao vivo em casas de show fechadas. Liderado pelo Instituto Fraunhofer Heinrich Hertz, o estudo científico foi realizado durante três dias, em novembro de 2020, na casa de shows alemã Konzerthaus Dortmund, com capacidade para 1.500 lugares. O objetivo foi analisar o movimento de partículas transportadas pelo ar em um ambiente interno.

Com apoio da empresa de medição de partículas Parte Q e da Agência Ambiental Federal da Alemanha, o estudo usou um boneco de alta tecnologia, apelidado de Oleg, para simular a respiração humana. De acordo com QI Magazine, a equipe testou todo o local, incluindo o auditório e o foyer, e concluiu que o risco de infectar alguém “por meio da transmissão de aerossol pode ser quase descartado”, desde que o local tenha suprimento de ar fresco suficiente e todos os participantes estejam usando máscaras faciais .

Foto: Reprodução/FacebookKonzerthaus Dortmund

“Salas de concertos e teatros não são locais de infecção. Os últimos meses mostraram que a política precisa de uma base científica sólida para a tomada de decisões. Com nosso estudo, queremos garantir que as salas de concerto e teatros possam admitir novamente um número suficiente de público quando forem reabertas.”, disse o Dr. Raphael von Hoensbroech, diretor da Konzerthaus.

Resumo das principais conclusões do estudo:

  • Com máscaras e um suprimento de ar fresco suficiente através do sistema de ar condicionado existente da Konzerthaus não houve praticamente nenhuma influência dos aerossóis de teste em todas as superfícies próximas;
  • O grande tamanho da sala já garante uma forte diluição dos aerossóis contaminados, e o ar condicionado remove efetivamente todos os aerossóis, nunca permitindo que eles se acumulem;
  • Uma sala de concertos completa não interfere com a passagem do ar para cima, mas sim a promove por meio de efeitos térmicos adicionais;
  • É necessário usar máscaras nos corredores, áreas de descanso e foyers, já que a ventilação lá (no caso da Konzerthaus Dortmund) funciona de forma diferente da própria sala de concertos e o contato próximo não pode ser descartado;
  • Medir CO2 durante um evento pode ajudar a avaliar melhor a propagação de partículas transportadas pelo ar no corredor.

Embora em teoria o Konzerthaus deva ser capaz de operar em capacidade total sem risco, na prática (levando em consideração as dificuldades de distanciamento social em corredores, bares, etc.) um sistema de assento de tabuleiro de xadrez, com todos os outros assentos ocupados, é recomendado pelos cientistas. Sendo assim, quando um usuário não puder usar a máscara, o assento diretamente à sua frente deve ser mantido livre.

Ainda de acordo com informações da IQ Magazine, embora o estudo forneça apenas resultados concretos para transmissão em Konzerthaus Dortmund, o Instituto Fraunhofer Heinrich Hertz garante que pode ser aplicado a outras salas de concerto e locais semelhantes.

Escrito por Rafa Ventura

Assessoria de Anitta se pronuncia sobre processo de fã idosa

Assessoria de Anitta se pronuncia sobre processo de fã idosa

Você não vai acreditar no segredo de beleza da Jennifer Lopez; descubra!