Nova versão do "Fearless", de Taylor Swift
Foto: Reprodução / Instagram
in ,

Entenda os bastidores e o impacto de Taylor Swift na indústria musical ao regravar suas obras

Confira todos os caminhos da artista que pretende imortalizar seu legado artístico e “chacoalhar” o mercado

Taylor Swift iniciou oficialmente sua jornada para imortalizar seu legado artístico. Em 11 de fevereiro, o fenômeno global revelou que “Fearless” (2008) – seu álbum mais vendido até agora, com mais de 7 milhões – será o primeiro de seis que ela está regravando para manter seus direitos autorais que serão assinados como “Versão de Taylor”.

A artista está abrindo um novo capítulo na indústria musical expondo a importância da revisão dos contratos artísticos antes de assiná-los e do artista ter controle sobre seus fonogramas. O anúncio de Swift veio depois que Scooter Braun, um magnata da música que ela afirma tê-la intimidado e manipulado, comprou a Big Machine – e suas masters junto com ela e então, começou a jornada da artista.

A pop star não possui as gravações principais das músicas de “Fearless”, ou quaisquer músicas dos álbuns que ela gravou antes de “Lover”, de 2019. Isso inclui grandes sucessos como “We Are Never Ever Getting Back Together”, “Mine” and “Shake It Off.”

“As gravações que ela fez originalmente foram feitas em uma época diferente e sob diferentes objeções contratuais e legais. Ela não está feliz com isso”, disse Serona Elton, diretora do programa de negócios da música na Escola de Música Frost da Universidade de Miami, à CNN Business. “Ela está no controle total das gravações agora, embora isso não mude o controle das gravações antigas.”

Quando um artista assina com uma gravadora, o contrato legal típico concede à gravadora a propriedade dos direitos autorais das gravações. Isso é comumente conhecido como “masters” que nada mais são do que os fonogramas, ou seja, a obra musical gravada propriamente.

“O artista recebe uma porcentagem da receita gerada pela gravação, mas eles não estão no controle”, acrescentou Elton. “Agora Taylor está fazendo essas gravações e lançando-as. O que acontece com elas depende inteiramente dela”.Regravar suas canções é uma “ótima estratégia” para Swift, de acordo com Elton.

 

Ver esta publicação no Instagram

 

Uma publicação partilhada por Taylor Swift (@taylorswift)

Então, por que Swift não possuía sua própria música?

Quando Swift ainda adolescente assinou o contrato com a Big Machine, que lançou seus primeiros seis discos, ela assinou com os direitos autorais de suas gravações master. “Não é nada fora do comum”, disse Susan H. Hilderley, advogada musical e instrutora da Escola de Direito da Universidade da Califórnia em Los Angeles para o Washigton Post, chamando-o de “termos que você esperaria de alguém que era um artista desconhecido quando ela assinou”.

Independentemente disso, Swift se sente enganada e acredita que os artistas devem manter todos os direitos de suas gravações – embora ela teve que esperar um pouco. Especialistas dizem que a maioria dos contratos musicais padrão tem uma cláusula que proíbe um artista de regravar suas próprias músicas por um determinado período de tempo. De acordo com Swift, esse período terminou em novembro do último ano para seus primeiros cinco álbuns.

“Meu contrato diz que a partir de novembro de 2020, então, em 2021, posso gravar os álbuns de um a cinco novamente. Estou muito animada com isso ”, disse Swift no “Good Morning America”. “Eu só acho que os artistas merecem ser donos de seus trabalhos. Eu me sinto muito apaixonada por isso. ”

Como ela pode regravar suas próprias músicas se elas são de outra pessoa?

Existem dois direitos autorais diferentes em jogo aqui: o da obra musical (o arranjo musical e a letra) e o do fonograma, que significa a gravação em si. E “os direitos autorais da música são compensados ​​completamente separadamente da compensação pela gravação da música”, disse David Israelite, presidente da National Music Publishers Association. E “porque Taylor escreve suas próprias canções, ela pode fazer isso sem muitos problemas. Se houvesse outra pessoa escrevendo suas canções, você teria que passar por um processo diferente”, afirma Isarelite.

Para entender melhor, considere uma das canções cover mais famosas da música: “All Along the Watchtower”. Bob Dylan escreveu e gravou a música. Jimi Hendrix posteriormente gravou e lançou um cover da música, que ganhou muito mais popularidade. Ambos têm alguma reivindicação sobre a versão de Hendrix, de acordo com Jason Karlov, um advogado musical que representa Dylan.

“Então, se você quiser incluir‘ All Along the Watchtower ’de Jimi Hendrix em seu filme, você precisa obter a permissão do proprietário da música, neste caso Bob”, disse ele. Você também precisa obter permissão de Hendrix, ou de seu responsável, ou de sua gravadora, editora – seja quem for o proprietário da gravação”.

Se Swift de fato regravar suas canções, elas funcionarão como “covers” de sua própria música, bem como na situação de Hendrix, momento em que ela ou sua nova gravadora possuirão essas novas gravações (fonogramas).

O que significa ter duas versões da mesma música?

Os masters originais das músicas de Swift não desaparecem apenas porque ela grava novas versões, então haveria essencialmente dois conjuntos de músicas. Isso pode ter algumas consequências diferentes.

Por um lado, a equipe de Swift deve ser capaz de exercer algum controle sobre suas canções originais, afirma o Washigton Post. Lembre-se do exemplo de Dylan: um licenciado precisaria autorizar o uso da música dele (para a obra) e do patrimônio de Hendrix (para a gravação real). Nesse cenário, o Swift poderia controlar efetivamente qual versão da música está licenciada, se será a antiga ou a nova.

Por outro lado, poderia potencialmente desvalorizar cada música, criando guerras de lances inversos. Se, por exemplo, uma marca quiser usar “Shake It Off” em um comercial e houver duas versões da música, a empresa pode tentar licenciar ambas, escolhendo a versão mais barata. “Se houver duas versões diferentes, um [estúdio de cinema] poderia negociar com as duas versões sobre o preço que deseja pagar”, disse Israelita ao site. “Qualquer um com o qual eles concordem, essa é a versão que eles usarão, e é a única que ganha dinheiro.”

Contudo, os bons resultados já são colhidos e só no dia 12 de fevereiro, “Love Story (Taylor’s Version)” vendeu 10 mil unidades nos Estados Unidos. Para efeitos de comparação, em um dia, Taylor conseguiu o que apenas outras três músicas fizeram em uma semana inteira. Foram elas: “Fake Woke”, de Tom McDonald“Dynamite”, do BTS, e “Drivers License”, de Olivia Rodrigo. Saiba mais acessando aqui.

É uma ação comum para artistas fazerem?

Swift pode se tornar a artista de maior popularidade a regravar seus próprios discos, mas ela não será a primeira. No final de 2018, a cantora Joanna “JoJo” Levesque lançou novas versões de seus dois primeiros álbuns, “JoJo” (2004) e “The High Road” (2006), após uma longa batalha legal com sua antiga gravadora, Blackground Records, que possuía os masters de ambos os álbuns. A gravadora os removeu dos serviços de streaming e JoJo sentiu que estavam sendo mantidos como reféns.

Sobretudo, Taylor Swift joga luz à um dos assuntos mais delicados da indústria musical em escala global, que são os contratos artísticos. A artista expõe a necessidade de entendimento sobre todos os termos antes de assiná-los e, também, de coordenar suas próprias criações em todos os momentos da sua trajetória.

Saiba mais sobre Direitos Autorais no Brasil, acessando aqui.

Escrito por Láisa Naiane

Vitão tatua bunda de Luísa Sonza na perna e cantora aprova

Jorge Drexler assina com a Warner Chappel Spain, enquanto que Myke Towers assina acordo global com a Warner Latina e Warner Records

Divisões de música da Warner assinam com Jorge Drexler e Myke Towers