Divulgação
in

Após grandes aquisições, Downtown investe em ações estratégicas para crescimento

Divulgação

Após grandes aquisições, Downtown Music Holdings investe em ações estratégicas para crescimento dos seus negócios na indústria da música.

Nos últimos 18 meses, a rápida expansão da Downtown Music Holdings – liderada pelo CEO Justin Kalifowitz – incluiu a aquisição da distribuidora de artistas independentes CD Baby (e a controladora, AVL) em um negócio de mais de US$ 200 milhões. E no início deste ano, a Downtown adquiriu a empresa de serviços digitais de música gravada FUGA por mais de US$ 40 milhões.

Em todas as suas operações – que também incluem a Downtown Music Publishing e a plataforma de administração de publicações, Songtrust – de acordo com informações do MBW, a Downtown Music Holdings está projetando receitas anuais de mais de US$ 600 milhões para 2021.

O portal acredita que receita anual na possui um valor na região de US$ 500 milhões no ano afetado pela pandemia de 2020.

Um porta-voz do Downtown confirmou ao MBW hoje (13): “O Downtown Music Holdings contratou o The Raine Group para nos aconselhar enquanto exploramos opções estratégicas para realizar plenamente nossos ambiciosos planos de crescimento”.

Downtown possui um catálogo variado de direitos autorais de publicação. Isso inclui aqueles adquiridos do hitmaker global Ryan Tedder em um acordo relatado de US$ 60 milhões em 2017, bem como outras aquisições, como a compra da Good Soldier Songs por Downtown no início deste ano.

Nos últimos 13 anos, Downtown adquiriu a propriedade dos direitos subjacentes a canções que ficaram famosas por nomes como Beyoncé, Lady Gaga, Adele, Motley Crue, New Order, The Eagles, Aretha Franklin e Eric Clapton.

No entanto, a maior parte das receitas do Downtown é gerada por serviços que oferece aos detentores de direitos independentes, sejam editoras musicais, gravadoras, artistas ou compositores.

A escala desses serviços é globalmente significativa, de acordo com a MBW. Por exemplo, a CD Baby sozinha contou 950.000 clientes de distribuição ativos no final do segundo trimestre de 2020, no qual ‘ativo’ é definido por uma conta com um ativo inscrito para distribuição.

Enquanto isso, a Downtown Music Publishing representa agora mais de 30.000 compositores – dos quais aproximadamente 825 possuem contratos de publicação direta ou co-publicação com Downtown – enquanto a Songtrust representa mais de 300.000 compositores e 2 milhões de canções.

No início deste ano, Downtown lançou “Downtown Neighbouring Rights” como uma nova unidade de negócios independente dedicada a perseguir royalties de desempenho globais. E no mês passado, o Downtown fechou um contrato global de administração com o Wu-Tang Clan para representar o catálogo do grupo de rap seminal dos EUA em todo o mundo.

A notícia do processo de levantamento de capital do Downtown vem após várias atividades financeiras no setor de direitos musicais. Ontem (12), a MBW informou que a editora Round Hill Music, com sede em Nova York, está pronta para fazer um IPO (abertura de capital) de um novo fundo na Bolsa de Valores de Londres em novembro, por meio do qual pretende levantar US$ 375 milhões.

A MBW descobriu recentemente que o rival de Downtown Kobalt Music Group – que também atende compositores, editoras, gravadoras e artistas – iniciou seu próprio processo que pode levar à venda da empresa.

Raine Group já assessorou AVL e FUGA (venda) durante o processo de aquisições de Downtown de ambas as empresas.

De acordo com a análise da MBW, há a possibilidade do Downtown inteiro ser vendido como resultado da missão do Raine Group, assim como, uma parceria estratégica com potenciais pretendentes.

Outro resultado potencial do processo é o Downtown levantar um grande capital para alimentar sua expansão a curto prazo.

Escrito por Redação POPLine

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

A Fazenda 12: Mariano é o novo fazendeiro e Biel e Tays Reis podem ser eliminados

Após performance no BBMAs, Demi Lovato lança clipe de “Commander in Chief”