in

Backstreet Boys completa 17 anos: A trajetória de uma das boybands mais populares do mundo

A histeria causada por quatro ou cinco rapazes bonitos e talentosos fez parte de diversas gerações. Da sua avó até os dias de hoje, Beatles, Menudo, New Kids On The Block, Jonas Brothers, Hanson, N’Sync, Backstreet Boys venderam mais do que sua música. Venderam uma idéia, fortificaram a música pop, o consumo das revistas para adolescentes e a loucura entre os fãs.

Há exatos 17 anos, uma caçada por talentos em vários estados americanos juntou cinco destinos. Desde então, Nick Carter, Aj McLean, Howie Dorrough, Brian Littrell e Kevin Richardson abandonaram o esteriótipo que lhes foram imposto e amadureceram diante dos olhos do mundo.

Juntos os Backstreet Boys fizeram história, mas para chegarem ao mundo inteiro o grupo precisou começar longe do influente mercado americano. A Alemanha abraçou o pop dos cinco jovens e o resto é história. Os números conquistados desde o lançamento do álbum homônimo em 1996 comprovam que, apesar de terem se transformado em homens, os boys ainda got it goin’ on: nove álbums (incluindo em estúdios, greatest hits e acústico), três cds solo, 130 milhões de cópias vendidas, uma das mais agitadas turnês já vistas (100 horas abordo de um avião para visitar cinco continentes), primeiro artista a colocar todos os seus álbums no top 10 americano, músicas no topo das paradas em praticamente todos os países do mundo e um dos clipes mais caros da história – “Larger Than Life”.

Apesar das alegrias e da realização do sonho, o sucesso tem um preço. Durante esses 17 anos, os BSB enfrentaram obstáculos que colocaram em prova a perseverança dos membros e o apoio dos fãs. Brian Littrell quase faleceu decorrente de uma doença no coração, AJ McLean foi internado em uma clínica de reabilitação para alcóolicos, um golpe financeiro do ex-empresário lhe arrancou milhões de dólares, Nick Carter assumiu dependência de drogas, Howie D perdeu sua irmã para o lúpus, Kevin Richardson saiu do grupo para se dedicar aos musicais. Nada disso foi suficiente para desfocar os rapazes.

Quase duas décadas depois, os rapazes mudaram. Seus fãs mudaram. E, felizmente, a histeria assustadora passou. Quem não se lembra do caos armado quando a turnê Black & Blue passou pelo Brasil?

[pro-player width=’580′ height=’350′ type=’video’]http://www.youtube.com/v/qs-aCu4SUy4[/pro-player]

Hoje, adultos, casados e pais de família, Nick, Brian, AJ e Howie conseguiram finalmente desfrutar da fama e do espaço conquistados através dos loucos anos. “No final dos anos 90 nosso sucesso era muito grande, talvez grande demais. Era difícil ir a qualquer lugar e ter uma vida normal. Agora, em 2009, é diferente”, disse Brian quando desembarcou no Brasil durante a última visita do grupo ao país em março do ano passado.

Através dos altos e baixos, os BSB puderam não só contar com os amigos, mas principalmente com seus fãs. Talvez esse apoio seja ainda a força que alimenta a carreira do grupo. E essa dedicação foi provada, mais uma vez, neste aniversário de 17 anos. Flashmobs em várias partes do mundo estão sendo apresentados em apoio à boyband.

E os rapazes sabem responder à altura. Os Backstreet Boys são o grupo que, provavelmente, mantém uma aproximação com os fãs desde uma era onde não existiam computadores em qualquer esquina, MySpace, Facebook e Twitter. “Enquanto estivermos fazendo música que nos dê orgulho não há motivo para que o grupo acabe. Acredito que vamos continuar juntos por muitos anos ainda”, contou Brian.

Escrito por Amanda Faia

57 Comments

RCA nega que tenha oferecido dinheiro para Avril Lavigne mudar faixas do seu novo álbum

Justin Bieber: "Minha voz não para de mudar e não consigo acertar notas ao cantar "Baby""