Fotos: Divulgação e Getty Images
in

Artistas questionam o governo UK sobre pagamentos no streaming

Paul McCartney e Chris Martin (Coldplay) fazem parte dos 150 artistas que assinaram a carta aberta destina ao primeiro-ministro Boris Johnson.

Artistas de alto nível, incluindo Paul McCartney, Led Zeppelin, Roger Daltrey (The Who) e Chris Martin (Coldplay) pediram ao governo do Reino Unido que implemente reformas de longo alcance no espaço de streaming de música. De acordo com o Digital Music News, a demanda formal foi feita por meio de uma carta aberta (encabeçada pelo Sindicato dos Músicos, Musicians Union, e pela Broken Record) e por uma petição, ambas dirigidas ao primeiro-ministro Boris Johnson.

Aproximadamente 150 artistas assinaram a carta, incluindo Paul McCartney (que criticou as taxas de compensação de streaming no mês passado), além de Tim Burgess, Lily Allen, Peter Gabriel, Stevie Nicks, Brian Eno e Nadine Shah, entre outros que podem ser conferidos nessa publicação de Tom Gray, fundador da Broken Record:


A carta aberta direcionada ao primeiro-ministro Johnson, visa as “plataformas de streaming, gravadoras e outros gigantes da internet”, que os autores dizem “exploraram artistas e criadores sem recompensá-los de forma justa”.

“Devemos colocar o valor da música de volta onde ele pertence – nas mãos dos fabricantes de música”, prossegue o texto. “O streaming está substituindo rapidamente o rádio como nosso principal meio de comunicação musical. No entanto, a lei não acompanhou o ritmo das mudanças tecnológicas e, como resultado, os artistas não têm as mesmas proteções que no rádio.

“Os músicos de hoje recebem muito pouca receita de suas apresentações – a maioria dos artistas apresentados recebe pequenas frações de um centavo de dólar americano por stream e os músicos de sessão não recebem absolutamente nada”, continua a carta.

Para remediar o problema, a mensagem retransmite: “apenas duas palavras precisam ser alteradas no Copyright, Designs and Patents Act de 1988”. Esta alteração “vai modernizar a lei para que os artistas de hoje recebam uma parte das receitas, tal como desfrutam no rádio” – colocando “mais dinheiro no bolso dos contribuintes do Reino Unido” e levantando “receitas para serviços públicos como o NHS (Serviço Nacional de Saúde)”, de acordo com o documento.

Por último, a carta especifica que “uma referência imediata do governo à Autoridade de Concorrência e Mercados” é o “primeiro passo” para enfrentar o “poder extraordinário” que certas “corporações multinacionais” exercem, em detrimento dos compositores.

“Em última análise, porém, precisamos de um regulador para garantir o tratamento legal e justo dos fabricantes de música. Ao resolver esses problemas, faremos do Reino Unido o melhor lugar do mundo para ser músico ou compositor , permitir que os estúdios de gravação e a cena de sessões do Reino Unido prosperem mais uma vez, fortalecer nosso setor cultural líder mundial, permitir o mercado de discos gravados música para florescer para ouvintes e criadores, e desenterrar uma nova geração de talentos ”, diz a carta em direção ao seu final.

Petição

A petição intitulada “Coloque o valor da música de volta onde ela pertence – nas mãos dos fabricantes de música”, foi lançada pela Keep Music Alive, uma iniciativa da Ivors Academy e do Musicians Union .

Dirigida também ao primeiro-ministro, bem como ao secretário de cultura Oliver Dowden e ao secretário de negócios Kwasi Kwarteng, a petição (que aborda os mesmos pontos da carta, embora com menos palavras) reuniu cerca de 3.300 assinaturas no momento da publicação desta matéria.

Em resumo eles destacam as principais solicitações em três pontos:

  1. Mudar duas palavras no Copyright, Designs and Patents Act de 1988; isso vai modernizar a lei para que os artistas de hoje recebam uma parte justa da receita de streaming, assim como eles desfrutam no rádio.
  2. Encaminhar imediatamente o governo à Autoridade de Concorrência e Mercados como o primeiro passo para lidar com o poder extraordinário exercido por corporações multinacionais às custas dos compositores. Esse domínio do mercado fez com que os compositores recebessem apenas 15% da receita de streaming, em oposição a 50% da receita do rádio.
  3. Implementar um regulador para garantir o tratamento legal e justo de todos os fabricantes de música pela indústria.

Além disso, eles solicitam que o primeiro-ministro Boris Johnson que se reúna urgentemente com representantes de músicos e compositores para discutir as práticas injustas atuais e como podemos corrigi-las, e destacam que “a correção desses problemas tornará o Reino Unido o melhor lugar do mundo para ser músico ou compositor”.

Escrito por Rafa Ventura

Hilary Duff

Spinoff da série “How I Met Your Mother” terá Hilary Duff

Lia Clark é a convidada do “E AÍ, POPline?” desta quinta!