Foto: CardMapr/Unsplash
in

YouTube contribuiu com R$ 3,4 bi para a economia brasileira em 2020

Realizado pela Oxford Economics, o Relatório de Impacto do YouTube Brasil mostra também que a plataforma ajudou a gerar 122 mil empregos

O YouTube lançou, pela primeira vez, um estudo, em parceria com a Oxford Economics, que analisa os benefícios econômicos, sociais e culturais que sua atuação proporciona à sociedade: o “Relatório de Impacto do YouTube Brasil: contribuição econômica, social e cultural da plataforma para o país em 2020”.

O estudo mostra os efeitos reais da utilização da plataforma na movimentação da economia e no surgimento de oportunidades para geração de receita. No Brasil, em 2020, o YouTube foi responsável por contribuir com R$ 3,4 bilhões para o Produto Interno Bruto (PIB) e ajudar a gerar mais de 122 mil empregos equivalentes a período integral.

Foto: Reprodução/Youtube

Além dos criadores, esses postos de trabalho estão relacionados com toda a cadeia de fornecedores que eles acionam para gerar seus conteúdos ou pessoas contratadas para fazer parte de suas equipes de produção, filmagem, edição etc.

Para a pesquisa, foram entrevistados 3.900 usuários, 900 criadores de conteúdo e 500 empreendedores, pessoas que contaram como o YouTube os auxilia a alavancar seus empreendimentos, expandir conhecimentos, alcançar novos públicos e democratizar o acesso à diversidade de cultura e pensamento. Com isso, constatou-se que o ecossistema do YouTube é responsável não apenas por dar espaço a novas vozes, mas também por ampliá-las.

Durante a pandemia de COVID-19, o YouTube se consolidou como um recurso de suporte para cidadãos e empresas em tempos de isolamento social. Além de ajudar a manter os empreendimentos de pé, como afirmam 84% dos entrevistados, 85% dos usuários do YouTube concordam que a plataforma teve um impacto positivo na sua saúde mental e bem-estar físico desde o começo da pandemia.

Ferramenta para gerar renda

O YouTube foi a primeira plataforma a oferecer um modelo de negócio de divisão de receita no qual a maior parte dos ganhos fica para o criador. São dez maneiras oferecidas para monetizar o conteúdo, dentre elas o Clube de Canais, que pode ser utilizado para focar na produção de vídeos só para assinantes; e o Valeu Demais ou SuperChat, ferramentas de remuneração que viabilizam a criação de uma relação mais próxima com a audiência nas transmissões ao vivo.

A partir da monetização, esse ecossistema criado pelo YouTube abre possibilidades para criadores poderem aprimorar os seus conteúdos. Cada vídeo monetizado na plataforma gera ganhos para os canais, mas também para a cadeia produtiva envolvida em sua criação.

Leia mais:

Para os empreendedores criativos…

A presença crescente de empresas que promovem seus serviços e produtos no YouTube é um bom exemplo da influência que estar na plataforma promove e como chega até esses outros atores que não estão diretamente ligados a ela.

Seja para monetizar seus conhecimentos na plataforma e ter uma renda extra, ou para ampliar a captação de clientes, 88% dos empreendedores disseram que o YouTube tem um impacto positivo em seus objetivos profissionais.

A plataforma também é vista como um espaço que oferece possibilidades reais de ganhos comerciais, dentro e fora da internet. Não à toa, 77% desses criadores concordam que o YouTube oferece oportunidades para eles criarem conteúdo e gerarem renda de uma forma que eles não conseguiriam em mídias tradicionais. Ainda, o YouTube oferece oportunidades de negócios fora da plataforma, o que foi confirmado por 68% dos empreendedores entrevistados.

Além disso, 92% dos donos de pequenas empresas afirmam que ter um canal no YouTube ajudou os consumidores a encontrarem seus negócios mais facilmente; enquanto 85% deles acreditam que ter um canal teve um papel importante na construção da base de seus clientes.

Seja por meio de seu próprio canal, utilização de anúncios direcionados ou simplesmente assistindo a conteúdo, as empresas usam o YouTube para aumentar as vendas, se conectar com os clientes e se tornar mais competitivas. E a interação promovida por esses conteúdos cria uma via de mão dupla: 87% dos donos de negócios que têm um canal no YouTube concordam que a plataforma os ajuda a conhecer melhor seus clientes.

Escrito por Rafa Ventura

Homofóbica? Misógino? Web detona Solange e Rico após treta em “A Fazenda”

Vitão veste camiseta da Rihanna no clipe “Conto de Fadas”