Foto: Divulgação/Pixabay
in

Warner Music Group e TikTok assinam acordo de licenciamento musical

“Tornou-se tão grande que é inevitável”, disse Obermann, Chefe de Música Global do TikTok

A Warner Music Group assinou um acordo de licenciamento com a TikTok que aumentará suas taxas de direitos de música e aumentará a colaboração com o popular aplicativo de mídia social. O contrato cobre gravações das gravadoras da empresa, bem como músicas de sua divisão de Editora, de acordo com informações do Bloomberg divulgadas no último mês.

Em um movimento natural para todo o mercado, o anúncio vem após a Sony Music divulgar em novembro que havia entrado em um acordo com a plataforma. A Universal Music Group ainda não se pronunciou oficialmente, mas, certamente segue os mesmos passos das outras majors.

No ano passado, grandes empresas musicais assinaram acordos de licenciamento com Facebook Inc., TikTok e Snap Inc., três das maiores plataformas de mídia social, em escala global, criando um novo negócio de bilhões de dólares. A Warner Music sozinha agora gera centenas de milhões de dólares por ano com esses negócios, disse o CEO Steve Cooper no mês passado. Os termos do acordo com o TikTok não foram divulgados.

 

Novos Acordos no Mercado Musical

 

Os dólares da mídia social ajudaram as gravadoras a substituir as vendas perdidas pela pandemia, que fechou lojas, suprimiu a escuta de rádio e interrompeu as turnês. A era da Covid também acelerou a experimentação e a negociação das empresas de música com uma nova geração de parceiros, incluindo empresas de videogame e aplicativos de fitness.

“Parece que vimos anos de mudança e evolução no decorrer de alguns meses”, disse Oana Ruxandra, Diretor Digital da Warner Music. “Queremos garantir que haja valor para nossos artistas em todas as áreas, e o objetivo é garantir que eles ganhem dinheiro para viver suas vidas”.

Ruxandra ingressou na Warner Music há dois anos e está mudando a forma como a empresa aborda novas tecnologias. As gravadoras “culparam” a internet e empresas de tecnologia como Google e Apple Inc. por 15 anos de declínio, à medida que a pirataria e a audição online dizimaram as vendas de CDs, que antes eram uma das principais fontes de renda da indústria.

“Estamos experimentando porque vemos negócios reais lá”, diz Ruxandra, Diretor Digital da Warner Music.

Com o surgimento de outros participantes, incluindo Spotify e a Pandora, as empresas de música se preocuparam com uma nova geração de empresas que enriquecessem com seus trabalhos. Inicialmente, a mídia social era ainda pior: YouTube, Facebook, Snapchat, TikTok, todos hospedaram vídeos de usuários com música sem pagar muito ou quase nada.

Embora as gravadoras ainda vejam o YouTube como uma redução do valor de suas obras devido à ampla disponibilidade de música gratuita, o crescimento de seu serviço pago, bem como grandes garantias iniciais, acalmou o setor. O YouTube informou que pagou à indústria da música mais de US $ 3 bilhões em 2019.

Depois de anos sem acordos pela música – para grande desgosto das gravadoras – o Facebook entrou no projeto no final de 2017 e no início de 2018 com acordos que pagavam à indústria da música mais de US $ 600 milhões por ano para que os usuários pudessem incluir músicas em seus vídeos, de acordo com as pessoas com conhecimento dos termos. Desde então, a empresa aumentou seu pagamento ao assinar acordos de vídeo premium. No início deste ano, o SnapChat concordou com um acordo menor semelhante com base em sua base de usuários menor.

TikTok, de propriedade da empresa chinesa ByteDance Ltd., licenciou músicas que datam de sua época como Musical.ly. Mas as gravadoras, artistas e compositores sentiram que o contrato poderia ser revisto, já que que o TikTok é um dos aplicativos mais populares do mundo, ostentando mais de 600 milhões de usuários.

Esses novos negócios resolvem esse problema. O impacto da mídia social nos negócios é imenso, tanto em termos de receita quanto de promoção, de acordo com Ole Obermann, chefe global de música da TikTok.

“Tornou-se tão grande que é inevitável”, disse Obermann. TikTok lançou seu primeiro relatório musical em dezembro, revelando seus gêneros, artistas e canções mais populares. A empresa também apresentou um argumento que sempre apresentou: músicas que se tornam virais no TikTok geram receita em outros lugares.

 

Cases no TikTok

 

“Dreams”, lançado em 1977 por Fleetwood Mac, foi uma das 25 canções mais populares nos EUA depois de ter sido apresentada em um vídeo viral no TikTok, saiba mais clicando aqui.

“Este relatório fantástico confirma o que sabíamos: a escala quase inconcebível de novos sucessos, catálogo antigo e artistas que TikTok dirigiu em 2020”, disse Bill Werde, diretor do programa de negócios musicais Bandier da Syracuse University, no Twitter.

Agora que as empresas de mídia social se comprometeram a pagar pela música, as gravadoras estão tentando explorar novas indústrias, incluindo videogames e fitness. Vários artistas populares, como Travis Scott e Anderson .Paak, fizeram shows virtuais de videogames. O single de Scott, “The Scotts”, liderou as paradas depois que ele o apresentou em Fortnite, o popular jogo Battle Royale.

De acordo com essas projeções, a indústria da música em 2021 seguirá apostando em experiências virtuais que, sobretudo, tragam retornos financeiros nas suas atuações.

Em tempo, o TikTok foi o aplicativo mais baixado do último ano, clique aqui e saiba mais.

Escrito por Láisa Naiane

WAP não é para crianças

Cardi B responde polêmica por não deixar sua filha ouvir “WAP”

Barrada do BBB

Descubra a ex-BBB que foi barrada na ilha “particular” de Manu Gavassi, Thelma e Rafa