(Foto: Reprodução Internet)
in ,

TikTok responde acusações de banir frases com “Black Lives Matter”

A plataforma assumiu o erro: “Reconhecemos e pedimos desculpas”

Os representantes do TikTok responderam as acusações de um comediante chamado Ziggi Tyler, que recentemente teceu críticas à plataforma, alegando que frases que incluem o “Black Lives Matter” (termo que ganhou muito destaque nas redes sociais desde os intensos protestos pela morte de George Floyd em maio de 2020) estão sendo banidas.

(Foto: Reprodução Internet)

Segundo o site NME, em uma série de vídeos Ziggi Tyler diz que termos como “pro-Black”, “Black Lives Matter”, “Black success” e “Black people” foram marcados como inadequados ou proibidos — enquanto palavras como “neo-Nazi”, “pro-white” e “white supremacist” (supremacia branca) passam despercebidas nas descrições de criadores de conteúdos pagos da rede social, o chamado Creator Marketplace.

Como resposta à controvérsia, o TikTok compartilhou um comunicado para a revista Forbes que diz: “Nossas proteções do TikTok Creator Marketplace, que marcam frases tipicamente associadas ao discurso do ódio, foram erroneamente colocadas em frases sem respeito à ordem das palavras“.

Reconhecemos e pedimos desculpas por quão frustrante foi vivenciar isso e nossa equipe corrigiu este erro significativo. Para ser claro, o ‘Black Lives Matter‘ não viola nossas políticas e atualmente tem mais de 27 bilhões de pontos de vista sobre isso em nossa plataforma“.

TikTokers negros se recusam a criar novas danças virais

Além das trends virais, o TikTok também se tornou um lugar de protesto. Criadores de conteúdo negros iniciaram uma movimentação online, na qual se recusam a criar novas coreografias para rede social. O motivo? Usuários brancos, que supostamente copiam as danças, estariam recebendo maior engajamento em seus vídeos e sem dar o devido crédito.

A “greve” tomou forma assim que “Thot Shit“, de Megan Thee Stallion, foi lançada. A rapper é uma das favoritas no TikTok, com várias músicas que viralizaram a partir de trends coreografadas. “Body“, “Cry Baby” e a icônica “Savage“, que até ganhou remix com Beyoncé, são exemplos.

(Foto: Reprodução Internet)

“Observamos ao longo do tempo no TikTok que a maioria das danças são originadas por criadores negros”, disse Jazmine Moore, de 20 anos, conforme noticiado pelo site norte-americano PAPER. “E os usuários fazem o mínimo da dança e a reclamam como sua. Então, quando ‘Thot Shit‘ apareceu, todos sabiam que alguém fariam uma coreografia para ela. Mas os criadores negros concordaram coletivamente em não criar”.

O protesto tem acontecido de maneira orgânica, com vídeos que estão repercutindo na plataforma. Um registro que tem chamado muito a atenção é de um tiktoker de 21 anos chamado Erick Louis. Ele aparece ao som de “Thot Shit” com uma legenda que diz “FAÇA UMA DANÇA PARA ESSA MÚSICA“. Na sequência mostra o dedo do meio e declara: “QUE LOUCURA. ESTE APP NÃO SERIA NADA SEM OS NEGROS“.

@theericklouisIf y’all do the dance pls tag me 🙄 it’s my first dance on Tik tok and I don’t need nobody stealing/not crediting

♬ Thot Shit – Megan Thee Stallion

“Sou um criador de conteúdo no TikTok há cerca de nove meses e nesse curto período, vi inúmeros vídeos/danças/ideias criadas por negros roubadas e reaproveitadas sem o devido crédito ser dado. O problema está muito além do escopo de desafios de dança e continua desde o início da viralidade desse aplicativo”, explicou Erick à revista Teen Vogue.

“Pessoas pretas criam e pessoas brancas ganham o dinheiro”

Essa visibilidade dos brancos em comparação com os negros é evidente. Em março deste ano, a dançarina Addison Rae foi convidada para o talk show de Jimmy Fallon. Na ocasião, ela dançou a coreografia de “Up“, de Cardi B, e foi ovacionada… Só que em nenhum momento os criadores da dança, Mya Johnson e Chris Cotter, foram citados.

Sinto que é muito importante para nós recebermos o nosso crédito, porque somos criadores muito bons e somos negligenciados no que criamos”, disse Johnson à Teen Vogue.

Outro caso foi com a coreografia para o rap “Lottery (Renegade)”, que rendeu manchetes com a própria Addison Rae e Charlie D’Amelio. As duas ganharam fama no TikTok e somam juntas 201,3 milhões de seguidores.

@hollywire@addisonre the tik tok QUEEEN in the studio! Showing our host how to do the #renegadedancechallenge! #renegade #addisoneasterling

♬ Lottery – K CAMP

@charlidamelio🥳🤪🤯

♬ Lottery – K CAMP

TikTok se pronuncia

A equipe da rede social se pronunciou sobre o caso, após ser procurada pela revista Vogue:

O TikTok é um lugar especial devido às vozes diversificadas e inspiradoras de nossa comunidade, e nossos criadores negros são uma parte crítica e vibrante disso. Preocupamo-nos profundamente com a experiência dos criadores negros na nossa plataforma e continuamos a trabalhar todos os dias para criar um ambiente de apoio para a nossa comunidade, ao mesmo tempo que incutimos uma cultura onde honrar e creditar os criadores pelas suas contribuições criativas é a norma”.

Curtiu esta matéria? Clique aqui para ler mais conteúdos do Oh My God! by POPline. Tem listas, curiosidades, virais, celebs, k-pop, reality shows e muito mais sobre cultura pop!

Escrito por Carolina Stramasso

Chameleo divulga capa e trecho de “Enigma”, com Carol Biazin

Solar Power

Lorde deve lançar nova música em breve