banner com link para rádio globo
Além do Spotify: Gravadoras diversificam receita do streaming
Foto: Pexels
in

Streaming de música: plataformas alcançam 523,9 milhões de assinantes em 2021

O relatório da MIDiA Research aponta um aumento de 109,5 milhões de assinantes (26,4%) em 2021 e analisa o market share das plataformas globais de streaming de música

As plataformas de streaming de música alcançaram 523,9 milhões de assinantes em 2021, um aumento de 109,5 milhões (26,4%) em relação ao ano anterior, de acordo com o relatório da MIDiA Research divulgado hoje (18), que aponta o market share (cota de mercado) das principais plataformas globais de streaming de música.

Leia Mais:

Sendo a análise, este foi um crescimento mais rápido do que no ano anterior. Há uma diferença entre receita e assinantes – com deflatores da Receita Média por Usuário (ARPU) a partir do aumento de planos premium família e o crescimento de mercados emergentes com gastos mais baixos – mas o crescimento de usuários monetizados representa a pedra fundamental do streaming de provedores de serviços digitais (DSP) no mercado. Portanto, acelerar o crescimento nesta fase relativamente tardia da evolução do mercado de streaming é claramente positivo, aponta o relatório.

O Spotify continua sendo o DSP com a maior participação de mercado (31%), mas apresentou queda saindo de 33% no segundo trimestre de 2020 e 34% no segundo trimestre de 2019. Com a Apple Music sendo um segundo concorrente distante com 15% de participação de mercado e o Spotify adicionando mais assinantes nos 12 meses que antecederam o segundo trimestre de 2021 do que qualquer outro DSP único, não há risco de o Spotify perder sua posição de liderança tão cedo – mas a erosão de sua participação é constante e persistente, aponta o relatório.

Streaming de música plataformas alcançam 523,9 milhões de assinantes em 2021
Market Share das plataformas de streaming de música em 2021, de acordo com a MIDiA Research. Foto: Divulgação

O Amazon Music mais uma vez superou o Spotify em termos de crescimento (25% em comparação com 20%), mas a história de sucesso de destaque entre os DSPs ocidentais foi o YouTube Music, pelo segundo ano consecutivo. O Google já foi o retardatário do espaço, mas o lançamento do YouTube Music transformou sua sorte, crescendo mais de 50% nos 12 meses que antecederam o segundo trimestre de 2021.

O YouTube Music foi o único DSP ocidental a aumentar a participação no mercado global durante esse período. O YouTube Music ressoa particularmente entre a Geração Z e os Millennials mais jovens, que devem deixar os alarmes soando para o Spotify, já que sua base principal de assinantes Millennials da década de 2010 no Ocidente está começando a envelhecer.

Mas o maior crescimento de assinantes veio de mercados emergentes. Entre eles, a Tencent Music Entertainment (TME) e a NetEase Cloud Music adicionaram 35,7 milhões de assinantes nos 12 meses que antecederam o segundo trimestre de 2021. Juntos, eles representaram 18% das participações de mercado global, apesar de estarem disponíveis apenas na China. O Yandex, na Rússia, foi o outro grande ganhador, dobrando sua base de assinantes para atingir 2% de participação no mercado global.

Billboard: executivos apontam o 'futuro da indústria musical em 2022'
Foto: Tech Daily/Unsplash

Combinados, Yandex, TME e NetEase representam 20% da participação no mercado de assinantes, mas geram 37% de todo o crescimento de assinantes nos 12 meses que antecederam o segundo trimestre de 2021.

O forte crescimento de assinantes tem um significado extra em 2022. O aumento no streaming não correlacionado aos DSPs em 2021 significa que o mercado de streaming não depende mais da contribuição de receita dos mercados de assinantes ocidentais em maturação, nem mesmo dos mercados emergentes diluidores da Receita Média por Usuário, de acordo com o relatório da MIDiA Research.

Com a receita de streaming não correlacionadas aos DSPs parecendo ter contribuído entre um quarto e um terço do aumento da receita de streaming em 2021, as receitas de streaming parecem destinadas a um forte crescimento, mesmo que o crescimento de assinantes diminua, aponta a MIDiA Research, que considera esse fenômeno como fruto do “mercado diversificado”.

O relatório da MIDiA Research tem 23 páginas e 13 números com números de assinantes de streaming de música por país, receitas e dados demográficos por DSP. O relatório e o conjunto de dados estão disponíveis para aquisição acessando aqui. 

Escrito por Láisa Naiane

Shippa? Público do BBB22 já quer Eslovênia e Rodrigo juntos

Série animada “The Boys Presents: Diabolical” tem estreia marcada para março