Foto: Reprodução/Gymshark
in

Sony Music processa marca fitness por usar músicas em redes sociais

A marjor está exigindo um julgamento por júri e pede uma indenização legal de cerca de R$ 786 mil por gravação violada.

A relação entre os setores da música e fitness nunca foram tão próximas. Diversas parcerias estão sendo firmadas e mostrando que o mercado está aberto para o crescimento. Mas, segundo o Music Business Wordwilde (MBW), essa expansão já começa a trazer problemas. É que a Sony Music Entertainment (SME) entrou com um processo de violação de direitos autorais contra a marca de roupas de ginástica nascida no Reino Unido, Gymshark.

A empresa de fitness, fundada por Ben Francis em 2012, está listada como uma das que mais cresce no mundo. Avaliada em aproximadamente US$ 1,3 bilhão (cerca de R$ 6,8 bilhões), em agosto do ano passado, depois de vender uma participação de 21% para a norte-americana General Atlantic, a Gymshark está se expandindo para os Estados Unidos.

De acordo com a publicação do MBW, em um documento legal arquivado na Califórnia na quinta-feira (15 de julho), a Sony Music afirma que Gymshark “alcançou seu sucesso ao infringir gravações de som e composições musicais pertencentes a vários proprietários de conteúdo diferentes em grande escala”.

Entenda o caso

De acordo com o documento, a Gymshark “evitou amplamente a publicidade tradicional” e, em vez disso, promoveu seus produtos em vídeos postados em sites como Instagram, TikTok e Facebook. Esses vídeos, afirma o processo, “apresentam gravações de sons populares como parte integrante da apresentação”.

A Sony Music afirma que, embora esses vídeos publicados em redes sociais “tenham sido fundamentais para o sucesso do Gymshark”, a empresa “não pagou pelo privilégio de usar as gravações de som que aparecem neles”. O processo afirma ainda que o Gymshark “se apropriou indevidamente de centenas das gravações de som mais populares e valiosas do mercado”.

Alguns dos artistas cujas faixas foram supostamente usadas sem permissão nos vídeos do Gymshark incluem Beyoncé, Britney Spears, The Chainsmokers, Justin Timberlake, A $ AP Rocky, Travis Scott , Harry Styles, Usher, Noah Cyrus e Calvin Harris.

A ação explica que muitos dos vídeos em questão foram criados pelo próprio Gymshark, enquanto outros foram criados pelos chamados “influenciadores” com os quais a empresa fez parceria. Esses indivíduos, continua o processo, postam seus vídeos em suas próprias páginas, “ao mesmo tempo em que os fornecem ao Gymshark para repassar nas páginas de mídia social do Gymshark”.

Por fim, a Sony Music reitera que “o investimento do Gymshark nas redes sociais, e nos vídeos do Gymshark em particular, tem sido fundamental para o sucesso do Gymshark”. Tanto que, em 2018, o diretor de marca da Gymshark, Noel Mack, explicou durante uma entrevista que o “Instagram é uma grande parte da nossa história por causa das comunidades que criamos, mas o desafio é sempre como se destacar entre tantos negócios online que competem por atenção dos consumidores ”.

A Sony Music está exigindo um julgamento por júri e pede uma indenização legal de US$ 150.000 (cerca de R$ 786 mil) por gravação violada. Há 297 gravações na lista, o que significa que a indenização total máxima solicitada pode ultrapassar US$ 44 milhões (aproximadamente R$ 230 milhões).

Escrito por Rafa Ventura

Juliette surta com follow de Demi Lovato no Instagram

Normani tem autorização para usar sample de Aaliyah?

Normani tem autorização para usar sample de Aaliyah?