Foto: Reprodução/Facebook
in

Saúde mental: Hayley Williams, do Paramore, fala sobre como artistas podem evitar o esgotamento

A estrela veterana dá dicas sobre arte e saúde mental na série educacional Song Start, do Spotify

A vida na indústria da música pode parecer apenas uma eterna agitação. Mas, seja o artista que está lotando estádios ou o que está fazendo seus primeiros shows com um orçamento apertado, é fácil encontrar os que estão se sentindo sobrecarregados e esgotados, principalmente no cenário atual de pandemia. Como parte da série educacional de podcastsSong Start“, o Spotify convidou a vocalista do Paramore, Hayley Williams para contar um pouco da sua experiência de como encontrar longevidade na indústria da música e como lidar com o esgotamento ao longo do caminho.

Leia mais:

“Acho que o esgotamento é algo inevitável”, adverte Williams. “Há momentos em que – não necessariamente por um motivo negativo – você vai trabalhar demais e não saberá. Ou há momentos em que você acha que está tomando a decisão certa e talvez não saiba [tudo] que essa decisão implica. Mas eu acho que você pode tirar todas essas lições com calma, e elas se acumulam e constroem sua base.”

Williams explica que muitas vezes temia falar sobre precisar de tempo para descansar ou lidar com problemas de saúde mental porque achava que isso prejudicaria suas oportunidades de carreira. Ela também se sente culpada por parecer ingrata pelo sucesso de sua banda.

“Pessoas que fazem música com algum grau de sucesso, acho que na verdade fica mais difícil pedir ajuda. Porque é embaraçoso. As pessoas pensam: ‘Eles estão ganhando dinheiro. Eles moram em uma casa [legal]. Eles provavelmente têm tudo o que sempre sonharam.’”, reflete a cantora.

Para Williams, a realidade não era tão simples. “[Passei] 15, 16 anos em uma banda que ganha a vida sendo uma banda”, diz ela. “E eu posso te dizer com total confiança, não é apenas felicidade.”

Foto: Divulgação/Spotify

A cantora também lamenta a obsessão de nossa cultura por fofocas e celebridades, principalmente quando se trata de mulheres. “Acho que é preciso muita coragem para escolher um caminho para a saúde, e a saúde mental em particular, porque dá muito trabalho e as pessoas não parecem tão interessadas em saúde e felicidade quanto nos colapsos das pessoas”, diz. “Eu também sou culpada disso”, completa.

Sucesso do Paramore x Saúde mental

Williams sabe como as pressões da fama podem causar problemas. Em 2008, a banda estava em uma enorme onda de sucesso de seu segundo álbum “Riot!” quando cancelou abruptamente o restante de sua turnê europeia, citando “problemas internos”.

Não estávamos preparados para lidar com o sucesso que nos foi lançado”, explica Williams, dizendo que os jovens membros da banda lutaram com uma “obrigação” para com sua nova base de fãs apesar de estarem sobrecarregados com sua trajetória de carreira. “Foi muito difícil sair dessa turnê. Mas foi muito bom para nós”, diz ela.

O Paramore teve outro hiato proeminente após o lançamento de “After Laughter”, de 2017, um álbum que narrava a batalha de Williams contra a depressão e o transtorno de estresse pós-traumático. Ela aproveitou o tempo para gravar e lançar dois álbuns solo, empreendimentos criativos que ela nunca pensou que teria a chance de realizar. Ela vê esse processo criativo como catártico.

“Cria uma oportunidade para uma experiência corretiva quando você é capaz de sentar e escrever mais sobre seus sentimentos. Eu sou uma pessoa tão visual. Vê-lo no papel versus ser essa coisa nebulosa em minha mente que está girando [ao redor] é realmente útil, porque se torna concreto. E acho que o próximo passo da catarse é entregá-lo.”

Embora o hiato certamente desapontasse alguns fãs, não foi um grande prejuízo para a carreira da banda. Na verdade, Williams descobriu recentemente que os números de streaming do Paramore estão mais altos do que nunca.

“Não só [o intervalo] foi ótimo para nossas mentes e nossos corações, e até mesmo nossa paixão por tocar música, mas na verdade tem sido uma coisa ótima para nossa carreira”, revela ela. “Às vezes, dizer ‘não’ é tão lucrativo quanto dizer ‘sim’. Acho que dizer ‘não’ foi uma experiência transformadora para mim.”

Williams, em última análise, aconselha os artistas a ouvirem suas “entranhas”, defenderem o que acreditam e se colocarem em primeiro lugar.

“Eu acho que enquanto você estiver flexionando esse músculo do discernimento, aquela voz profunda em seu intestino que diz: ‘Este não sou eu’, ou ‘Este sou eu, e eu vou lutar por isso’. Isso é o que se deve ouvir”, enfatiza. “Isso sempre vai estar lá. Será seu companheiro constante, não importa se você está assinando seu primeiro contrato de gravação ou negociando seus masters.”

Para ouvir mais de Williams sobre como navegar na indústria da música, evitar o esgotamento e as nuances de fazer música, confira o episódio Song Start abaixo:

Escrito por Rafa Ventura

Veja a repercussão da estreia do BBB22 entre os famosos

“Anaconda”, de Luisa Sonza, entra no Top 25 do Spotify Brasil