(Foto: Divulgação)
in ,

Rennan da Penha encontra Lula para falar de funk e cultura

O encontro aconteceu no último sábado (12) no Rio de Janeiro

Rennan da Penha participou de um encontro entre lideranças do Rio de Janeiro e o ex-presidente Lula (PT) no último sábado (12). O DJ e produtor enfatizou a importância do funk para a cultura da cidade e do Brasil como um todo.

(Foto: Instagram/@djrennandapenha)

“Por meio da música, eu conheci outros países que nunca achei que iria conhecer. Nunca achei que iria ter acesso a esses lugares e foi o funk que me proporcionou isso. Um ritmo que veio da periferia e hoje é número um em todas as plataformas digitais”, apontou, conforme divulgado em comunicado.

Rennan afirma que um dos grandes problemas para a desigualdade social é a falta de oportunidades, especialmente na área da cultura.

“Quando chego na minha comunidade, fico observando que há vários Rennan da Penha. Muitos com talento em abundância, todos respiram dança e muita arte dentro da favela. E eu não vejo ninguém dar oportunidade digna a essas pessoas”, destacou.

LEIA MAIS: Com “Baile de Favela”, ginasta brasileira consegue vaga nas Olimpíadas

A criminalização do Funk

Apesar de estarmos falando de um ritmo bastante popular, principalmente no Rio de Janeiro, o estigma que esse estilo musical carrega ainda é grande. Para se ter uma noção, em 2017, o Senado recebeu um projeto de lei que tinha o intuito de criminalizar o funk.

A proposta foi enviada por Marcelo Alonso, morador da Zona Norte de São Paulo. Com 21.985 assinaturas de apoio, o documento trazia aquela velha história de que o funk era responsável por fazer apologia ao crime organizado. Além disso, falava-se também sobre suas letras ofensivas e etc.

É fato e de conhecimento dos brasileiros, difundido inclusive por diversos veículos de comunicação de mídia e internet com conteúdos podres (sic) alertando a população o poder público do crime contra a criança, o menor adolescente e a família. Crime de saúde pública desta “falsa cultura” denominada funk.

Na época, isso deu o que falar e até a Anitta se envolveu. “Se você quer mudar o funk ou o que está sendo falado ou a forma que ele entra na sociedade, você deve mudar a raiz, as questões educacionais, as questões que fazem a criação do funk”, disse em entrevista à BBC Brasil.

Curtiu esta matéria? Clique aqui para ler mais conteúdos do Oh My God! by POPline. Tem listas, curiosidades, virais, celebs, k-pop, reality shows e muito mais sobre cultura pop!

Escrito por Carolina Stramasso

WorkShow abre novo escritório no Rio de Janeiro

WorkShow abre novo escritório no Rio de Janeiro

"O máximo que você pode esperar do Maroon 5 é o esquecimento", diz Pitchfork

“O máximo que você pode esperar do Maroon 5 é o esquecimento”, diz Pitchfork