in

Preta Gil declara voto em Fernando Haddad: “sou antifascista e não sou petista”

Faltando poucos dias para a eleição presidencial no Brasil, a cantora Preta Gil decidiu declarar seu voto para seus 6,2 milhões de seguidores no Instagram. Ela disse que votará em Fernando Haddad, do PT, como forma de combater o risco fascista que vem com o candidato Jair Bolsonaro, do PSL. “Você que me disse que não é fascista, que vota no Bolsonaro porque é anti-PT. Então eu sou antifascista, por isso vou votar no Haddad e não sou petista”, diz arte publicada por Preta.

Na legenda, a cantora explicou que nunca votou no PT em outras eleições e sempre busca um equilíbrio entre direita e esquerda em suas decisões. Neste ano, não foi possível, por conta do avanço da extrema-direita. “Chega certa altura da vida que enfrentamos situações extremas. Como, por exemplo, a que vivemos agora, quando fica muito difícil atingir um equilíbrio, já que um lado da balança não tem NADA com o que me identifico e o outro não seria minha opção a princípio. Existem certas coisas que NUNCA serão admissíveis como: intolerância, barbárie, violações de direitos humanos adquiridos, discurso de ódio, incitação à violência, roubo, corrupção e por aí vai”, escreveu.

No post, Preta Gil ainda pediu que não a agredissem por declarar seu voto. Os ânimos ultimamente estão exaltados e desmedidos. “Eu tenho tentado respeitar e principalmente dialogar com amigos e familiares que pensam diferente de mim. Ninguém é obrigado a concordar com o outro e independentemente do resultado, o que importa é que teremos que conviver a partir do respeito, com as nossas diferenças na maneira de ser ou pensar, sem violência. O Brasil é de TODOS os brasileiros”, concluiu.

Visualizar esta foto no Instagram.

Eu nunca votei no PT em outras eleições presidenciais. Quem me conhece sabe que sou uma mulher que sempre dialogou com as diferenças e sempre tentou encurtar as pontes entre elas. Com isso sempre busquei o caminho do meio nas minhas decisões, mas chega certa altura da vida que enfrentamos situações extremas. Como, por exemplo, a que vivemos agora, quando fica muito difícil atingir um equilíbrio, já que um lado da balança não tem NADA com o que me identifico e o outro não seria minha opção a princípio. Existem certas coisas que NUNCA serão admissíveis como: intolerância, barbárie, violações de direitos humanos adquiridos, discurso de ódio, incitação à violência, roubo, corrupção e por aí vai. Estive esses dias todos atenta, observando, lendo, estudando e averiguando as notícias para tomar essa decisão. Por isso tomei minha decisão baseada nos meus princípios. Roubo e corrupção estão sendo combatidos e estamos sim, todos, população, poderes judiciários e federais atentos e agindo contra roubalheira seja de que lado for, mas essa intolerância, esse ódio todo me assombra e me assusta. Peço que aqueles que não consigam respeitar ou entender meu posicionamento, que não me agridam, é meu direito. Eu tenho tentado respeitar e principalmente dialogar com amigos e familiares que pensam diferente de mim. Ninguém é obrigado a concordar com o outro e independentemente do resultado, o que importa é que teremos que conviver a partir do respeito, com as nossas diferenças na maneira de ser ou pensar, sem violência. O Brasil é de TODOS os brasileiros.

Uma publicação compartilhada por Preta Gil 🎤 (@pretagil) em

Escrito por Leonardo Torres

“…Baby One More Time”: 20 anos do primeiro single de Britney Spears

Cardi B antecipa lançamento: ouça o single “Money”