Foto: reprodução/ youtube
in

Pabllo Vittar, Gloria Groove e mais agitam a 25ª Parada do Orgulho LGBT+

Pepita, Mateus Carrilho, Lia Clark, Maria Gadú e outros artistas se apresentaram

Diante da pandemia, da falta de vacina, e de tantas violências e dificuldades, a comunidade LGBTQIA+ se reuniu para a Parada do Orgulho, que chega à 25ª edição. Assim como no ano anterior, o evento aconteceu de forma virtual, segundo os protocolos e combinou, em seu cronograma, debates, entrevistas, depoimentos e shows de artistas música, como Gloria Groove, Lia Clark, Majur, Maria Gadú, Mateus Carrilho, Pepita, Sandra de Sá e Pabllo Vittar.

Com oito horas de transmissão, o tema da parada foi “HIV/AIDS: Ame+, Cuide+, Viva+!” e reuniu influenciadores e ícones da comunidade no comando do evento: Nátaly Nery, Lucas Raniel, Louie Ponto, Bielo, Spartakus, Lorelay Fox, Alberto Pereira Jr. e o Diva Depressão estiveram na live.

Veja a transmissão completa:

Maria Gadú

O evento simulou um trio elétrico percorrendo a Avenida Paulista, como tradicionalmente acontece na Parada do Orgulho. Maria Gadú abriu o evento e interpretou “O Tempo Não Para”, clássico de Cazuza, e seguiu com “Lounge” e “Axé Acapella”. Foi a primeira vez da cantora na Parada.

Majur

A artista não só cantou faixas de “Ojunifé”, seu álbum de estreia, como também fez um poderoso discurso sobre saúde mental e apoio entre membros da comunidade. Antes de cantar “Seja o Que Quiser”, explicou que a música foi feita após a perda de um amigo trans.

Sandra de Sá

A Parada do Orgulhe não passou imune a potência de Sandra de Sá. Lenda da música brasileira, a cantora interpretou os sucessos “Soul de Verão”, “A namorada” e “Blues da Piedade”.

Lia Clark

Foto: reprodução/ @liaclark Twitter

Além da primeira performance de “Eu Viciei” ao vivo, a drag queen fez um show arrasador e recheado de sucessos que deixaram o público com saudade de um show ao vivo. “Terremoto“, “Tome CUrtindo“, “Trava Trava” e “Chifrudo” animaram os telespectadores .

Mateus Carrilho

Além da primeira apresentação de “Pancada“, seu novo single com Mc Dricka, Mateus Carrilho também relembrou “Privê“, “Vai Passar Mal” e “Chega“, sua parceria com Duda Beat.

Pepita

Sempre imponente e poderosa, Pepita fez alguns discursos impactantes durante a sua apresentação na Parada do Orgulho LGBT+. Em sua fala, a funkeira mandou um recado para quem ataca a comunidade e propaga desinformação e preconceito.

Gloria Groove

GG subiu ao palco para interpretar os seus maiores hits com uma setlist feita para saciar todos os gostos musicais. Sem deixar de lado a sua fase R&B, a cantora interpretou “A Tua Voz” e “Apaga a Luz”, mas agitou ao som de “Bumbum de Ouro“, “Coisa Boa“, “Arrasta“, “Caminhada“, “Mil Grau“, “Deve Ser Horrível Dormir Sem Mim“, entre outros sucessos.

Pabllo Vittar

Fechando a noite, Pabllo Vittar subiu ao palco e fez um show repleto de sucessos. “Bandida”, “Problema Seu”, “Vai Passar mal”, “Clima Quente”, “Parabéns”, “Indestrutível”, “Disk Me”, “Seu Crime”, “Amor de Que”, “KO” e “Ama, Sofre, Chora” formaram o setlist da drag queen e o show mais esperado do evento.

Em entrevista antes de sua apresentação, a artista revelou que o seu álbum deve ser lançado ainda em junho, mas, em seguida, disse não ter certeza.

Escrito por Douglas Françoza

Gil do Vigor diz ter novo affair: “começando a tocar meu coração”

Luísa Sonza comemora um bilhão de streams no Spotify

“Fantástico” exibe mensagens de ódio enviadas à Luísa Sonza