Paulo Vaz, Colunista POPline.Biz é Mundo da Música
Foto: Paulo Vaz/Divulgação
in

Opinião: Os segredos por trás dos efeitos sonoros do cinema clássico

Artigo de opinião assinado por Paulo Vaz, para o POPline.Biz é Mundo da Música

A arte do som começou em 1927, quando Jack Foley, funcionário da Universal, ajudou a transformar o Show Boat “silencioso” do estúdio cinematográfico em uma extravagância musical completa. Como os microfones só captavam diálogos, Foley teve que adicionar os outros sons mais tarde. Ele projetou o filme em uma tela e gravou os passos, o movimento, os adereços – tudo em uma única faixa. Ele caminhou com uma bengala para criar os passos de três pessoas. Ele encenou o filme todo de novo.

No final das contas, Foley deu seu nome a uma indústria de design de som de pós-produção, onde artistas de som “pegam” cada personagem exatamente como Jack fez (usando guarda-roupas cheios de sapatos). Legumes são picados, melancias são esmagadas, cascas de coco são quebradas, galinhas cozidas são esmagadas, chaves são raspadas e tilintadas: tudo a serviço de replicar ruídos que não poderiam ser gravados ao vivo, ou não soam “certos”, ou criando sons que não existem em primeiro lugar.

Vamos imergir na arte dos efeitos:

Indiana Jones – Os Caçadores da Arca Perdida (1981)
Efeito necessário: pedra rolante
Som real: carro em movimento sem motor funcionando

O sonoplasta Richard Anderson explicou que a rocha monstruosa que Indiana Jones ultrapassa no início de Raiders rolou ao som de material circulante. “Era rolar um carro sem motor e também um daqueles rolos compactadores grandes e pesados para deixar o gramado plano: rolar morro abaixo.” Alguns dos sons do caminhão nas sequências de perseguição, entretanto, foram aumentados com rosnados de tigre.

Star Wars (1977)
Efeito necessário: sabre de luz
Som real: feedback do microfone de uma TV de tubo

Ben Burtt estava carregando um microfone pela sala, e passou por um aparelho de televisão que estava no chão e que estava ligado na hora sem, mas o microfone passou logo atrás do tubo de imagem e como sim, produziu um zumbido incomum. Ele captou uma transmissão do aparelho de televisão e um sinal foi induzido em seu mecanismo de reprodução de som, e isso foi um grande zumbido. Então pegou aquele zumbido, gravou e combinou com o som do motor do projetor e a combinação desses dois sons se tornou o tom básico do sabre de luz. Para obter a sensação adicional de movimento conforme os personagens balançavam e batiam nas armas, Burtt simplesmente tocou seu som em um alto-falante.

Os zumbidos se combinaram em um som infinito, então pegou outro microfone e acenou no ar ao lado daquele alto e o que acontece quando você faz isso gravando com um microfone em movimento se obtém uma mudança de tom no som e, portanto, você pode produzir uma sensação muito autêntico de um som em movimento.

O Senhor dos Anéis (2001-2003)
Efeito necessário: Espectro do Anel
Som real: copos de plástico

Começando com a manipulação dos sons das focas, David Farmer finalmente escolheu um rumo diferente para os estridentes Espectros do Anel. Michael Kamper estava trabalhando com ele e disse que o ruído do selo soou como um copo de plástico sendo raspado. David foi até o Target, comprou um monte de copos plásticos e tigelas, e então junto com Harry Cohen fizeram uma sessão de gravação na sala de foley. Finalizando assim aquela criatura usando nada além dos arranhões do copo de plástico. Ele ainda usa aqueles pedaços de copo em vários filmes.

Jurassic Park (1993)
Efeito necessário: T-Rex
Som real: vários animais

O rugido aterrorizante de T-Rex é um amálgama de pelo menos seis ruídos de animais, incluindo leões, tigres, crocodilos, elefantes, uma baleia e um coala. O som desagradável de Martin Ferrero sendo comido é um cavalo mastigando uma espiga de milho.

Clube da Luta (1999)
Efeito necessário: Perfuração
Som real: galinhas

Foi experimentado todos os tipos de coisas diferentes , explicou o designer de som Ren Klyce. Quebraram carcaças de frango com tacos de beisebol, quebrando nozes dentro delas, batendo em pedaços de carne com pés de porco e depois processando… Fizeram tudo e, como resultado deste projeto, a biblioteca tornar-se bastante extensa. Quando você ouve os socos em um filme como Rocky, eles geralmente usam um soco repetidamente; é muito fechado e escuro, e tem um som meio quadradão.

Essa é a magia do cinema. A transformação que gera sonhos e nos faz escutar criações com sons fantásticos através de objetos imprevisíveis.

____________
Paulo Vaz, formado em Publicidade e Propaganda é tecladista, guitarrista, compositor e produtor musical. Tendo iniciado sua carreira como músico profissional em 1994 na cidade de Ribeirão Preto, interior de SP, onde foi criado.
Como produtor musical, atua na produção musical para publicidade e audiovisual, no qual realizou vários projetos de criação e produção de jingles e trilhas para TV e Cinema. Reside na capital paulista há 17 anos e faz parte do Estúdio Lua Nova como produtor musical, lugar onde produziu discos de bandas como Haimanda, Gatalógica, Mariana Magri, Remix de Vamos Fugir com Seu Jorge, Kilotones, Karin Martins, Voltare e Amsterdan.
Participou de várias collabs com o projeto “Sessions da Tarde” com artistas como: Francisco el Hombre, Liniker, Scalene, Maneva, Onze20, Medulla, Selvagens a procura de Lei, Carne Doce, Plutão já foi Planeta,Dinho Ouro Preto, Gabriel Elias, entre outros.
Compôs e produziu 4 discos autorais solos, Janela em 2010, Fora do Lugar em 2012, URL em 2018 e o disco instrumental infantil Pra Dormir e Acordar em 2020. Ingressou na banda Supercombo em 2011 na Tour do disco Sal grosso, onde atua até hoje como tecladista e parceiro nos arranjos e composições.

Escrito por Paulo Vaz

Esperança

“Esperança”: Mallu Magalhães (re)descobre sua arte em novo álbum

Raissa Barbosa surge chorando no Instagram e vai para hospital