O que é NFT e como ele pode trazer milhões para a indústria da música
Foto: Reprodução/Musictech
in

O que é NFT e como ele pode gerar milhões para a música?

Kings of Leon é a primeira banda a lançar um álbum através de NFT

As criptmoedas estão ganhando força na indústria da música e pode apontar uma nova era que renderá milhões de dólares. Inúmeros artistas em escala global estão aderindo ao “NFT”, mas o que isso significa? E como ele pode gerar milhões para o mercado musical? O NFT significa “token não fungível”, que é um termo jurídico para bens que não podem ser substituídos por outros da mesma espécie, quantidade e qualidade, ou seja, isso é totalmente adaptável para obras de arte como a música, por exemplo.

Os NFTs são um tipo de criptomoeda, mas em vez de reter dinheiro, eles podem reter ativos como: arte, ingressos e música. Os NFTs operam em um blockchain, que é uma rede transparente e acessível ao público – o que significa que qualquer pessoa pode ver os detalhes de qualquer transação NFT. Os computadores envolvidos nas transações passam a fazer parte da rede, que se atualiza continuamente e não pode ser hackeada devido à sua natureza.

Artistas como Deadmau5, Grimes, 3Lau, Jacques Greene, Tory Lanez e Kings of Leon estão todos entrando em uma fatia da ação do NFT. O número mais impressionante vem da recente venda da 3Lau, na qual ele acumulou US $ 11,3 milhões (cerca de R$ 64,2 milhões) em um leilão NFT.

Anteriormente, os NFTs tinham uma atuação nos bastidores composta de DJs e produtores. Mas esses tokens digitais se tornaram populares no ano passado, à medida que muitos músicos buscavam fontes de receita adicionais na era sem shows da pandemia. Os artistas Shawn Mendes e Grimes embarcaram nas últimas semanas.

Pouco depois da empresa Yellowheart ser formada pela primeira vez em 2018, a companhia atraiu o interesse da indústria pelas possibilidades da criptografia na venda de ingressos, mas o fundador e CEO Josh Katz diz que é apenas uma faceta, tal como aconteceu com os Kings of Leon. Em paralelo, Katz oferece serviços de consultoria através da Yellowheart para educar artistas sobre blockchain e criar seus NFTs.

 

Kings of Leon lança primeiro álbum através de NFT

 

O álbum de Kings of Leon lançado hoje em todas as plataformas, tem a sua versão NFT disponível no Yellowheart e será o único produto com vantagens especiais. O token, com preço de US $ 50, inclui mídia aprimorada – como uma espécie de capa de álbum alternativo em movimento – bem como um download digital da música e vinil de edição limitada. A venda do álbum NFTs abriu nesta sexta-feira e continuará por duas semanas. Após esse tempo, nada mais será feito e o NFT se torna um colecionável negociável.

“Nos últimos 20 anos – duas décadas perdidas – vimos a desvalorização da música”, disse Josh Katz, criador da plataforma à Rolling Stone. “A música se tornou ótima em vender tudo, exceto música. Houve uma corrida até o fundo, onde, com o mínimo de dinheiro possível, você tem acesso a tudo isso. Anteriormente, custava US $ 20 para comprar uma música”, diz.

Ele acredita que o modelo pro-rata baseado em assinatura do streaming prejudica irreparavelmente os artistas, e os NFTs farão os fãs modernos quererem ter a música novamente: “É uma fase inicial, mas no futuro, acho que será assim que as pessoas lançarão suas faixas: quando venderem um 100.000 a um dólar cada, então eles ganharam US$ 100.000″, afirma.

A Yellowheart disponibiliza 18 “tickets dourados” de aparência única como parte do lançamento da Kings of Leon NFT. Dos 18, a banda leiloará seis e saltará os outros 12 como um pintor faria com uma peça rara de uma série de arte. “Cada um deles é um NFT único com a arte mais incrível de Kings of Leon que você já viu”, explica Katz.

Cada “bilhete dourado” também desbloqueia um bilhete de concerto real – marcando a primeira vez que um bilhete de música foi oficialmente vendido como um NFT. Quem possui o token, tem garantidos quatro lugares na primeira fila para qualquer show do Kings of Leon durante cada turnê para toda a vida. O proprietário do token também tem uma experiência VIP que inclui um motorista pessoal, um produtor no show para cuidar de suas necessidades, um hangout com a banda antes do show e acesso exclusivo ao lounge. Ao sair do show, o carro do fã terá quatro sacolas cheias com todos os itens do estande das mercadorias, por exemplo.

Katz aponta que este é um “exemplo extremo para provar um ponto”.  A Yellowheart quer mostrar às pessoas quanto controle pode ser colocado no tíquete com contratos inteligentes. No futuro, ele diz que essa mesma tecnologia pode ser usada para bilhetes gerais, o que pode ser um grande avanço no mercado secundário. Cada vez que um NFT é revendido, uma porcentagem do dinheiro ganho pode ir para o artista – ou para quem quer que esteja incluído no contrato, talvez até uma instituição de caridade. Nesses casos, a Yellowheart também pode definir um preço máximo pelo qual o NFT pode ser revendido, eliminando cambistas.

Na opção final de Kings of Leon, há outros seis tokens de aparência exclusiva que são NFTs padrão com arte audiovisual elaborada. A partir de quinta-feira, os fãs poderão visualizá-los no site da Yellowheart. Os preços variam de US$ 95 a US$ 2.500, saiba mais clicando aqui.

 

Expectativa do Mercado Musical

Com o tempo, espera-se que todos esses NFTs aumentem de valor. Graças a esses contratos inteligentes mencionados anteriormente, a receita gerada com a revenda futura irá para onde os artistas quiserem. Kings of Leon decidiu enviar todos os rendimentos deste projeto para o fundo Crew Nation da Live Nation para profissionais de turismo desempregados.

Katz diz que os NFTs permitem o máximo de criatividade em torno do lançamento de conteúdo, o que ele acredita ser um grande atrativo em uma época em que os artistas estão adotando uma abordagem mais DIY – faça você mesmo. Ele planeja tornar a Yellowheart uma carteira de entretenimento que guarda músicas, ingressos e conteúdo colecionável para fãs.

À medida que a criptografia estourou na indústria da música, o projeto de Kings of Leon esta semana é de longe a incursão mais extensa em NFTs até agora. Com isso, a banda queria “desconstruir, degenerar e distorcer os símbolos icônicos da banda e a fotografia”, escreveu a equipe do Kings of Leon em um comunicado à imprensa que divulgado na última quarta-feira (3). “O resultado é uma deslumbrante reimaginação do corpo de trabalho desta banda lendária. Sem usar material externo, todas as fotos de origem foram tiradas por Casey McGrath [diretor criativo de Kings of Leon e CCO de Night After Night] ou pelo membro da banda Matthew Followill. ”

“Abordamos o lançamento de When You See Yourself de uma forma analógica, desde a abordagem da banda no estúdio até a filmagem de tudo em filme e chegamos ao ponto de literalmente puxar a fita adesiva, os bastões de cola e as letras de transferência a seco”, McGrath diz no comunicado.

“Abordar ‘NFT Yourself’ com uma mentalidade de arte digital enviou eletricidade por meio do trabalho. Para aqueles no espaço que entendem, eles apreciarão as técnicas de imagem gerada por áudio, detecção de pose e transformação de pixel que usamos para criar esta arte colecionável. Para aqueles que não o fazem, esperamos que apreciem o poder inegável e a emoção que resulta da colisão do analógico com o digital”, afirmam.

Em um crescimento rápido no mercado musical global, muito em breve a música brasileira deve aderir a novas soluções de gerações de receita, principalmente, através da NFT.

Escrito por Láisa Naiane

Segundo site, executivos da NFL forçaram boicote do Grammy para The Weeknd

Selena Gomez: "De Una Vez" estreia em 92º lugar na Billboard

‘Dear’: Selena Gomez está escalada para segunda temporada de série documental