Fotos: Divulgação
in

Mulheres invadem o pagode e são a nova aposta do gênero para 2021; veja cantoras em destaque

Fecha o olho e tenta listar mentalmente 10 cantoras de referência no pagode da última década… Conseguiu? O pagode é um ritmo que historicamente traz pouca representatividade para as mulheres, mas o mercado vem demonstrando que o interesse pelo ritmo é crescente e, aparentemente, virou uma aposta real das grandes gravadoras para 2021.

O POPline.Biz é Mundo da Música está atento a todas as movimentações de mercado. Grandes gravadores elegeram suas cantoras para representar o nicho ainda pouco explorado. Por exemplo: Jecy, pela Som Livre; Marvvila, pela Warner; Ana Clara, com a Universal; e Andressa Hayalla, com a Deck. Mas, também têm artistas que estão escrevendo a sua história de forma independente, como Karinah. Há ainda as que estão se reinventando e apostando no pagode como a funkeira Ludmilla.

Há uma máxima no mercado: quando surgem muitos nomes de um gênero específico, quer dizer que ele está em ascensão (ou já está em alta!). Quer saber mais sobre as vozes femininas do Pagode brasileiro? Confere a lista abaixo!

Jecy

Com lançamento do primeiro álbum autoral previsto para abril, Jecy é a novidade anunciada pela Som Livre. Cantora e compositora, Jecy é moradora de Caxias, no Rio de Janeiro. Aos 26 anos a cantora ostenta uma voz marcante e por isso foi chamada de “Marília Mendonça do pagode”. A artista é uma das grandes apostas da nova geração feminina do gênero.

Para apresentar todo o potencial vocal da cantora ao público, seu primeiro lançamento foi um pot-pourri com canções de grandes artistas dos quais Jecy é fã: “Trilha do amor” (Xande de Pilares), “O que é o amor?” (Maria Rita) e “Estonteante” (Mumuzinho).

Para Gregg Bordallo, Gerente de A&R da Som Livre, o samba já proporcionou grandes cantoras, mas sempre sentiu a necessidade de ter mais representatividade feminina no pagode. Com isso, desde 2019, a gravadora está de olho no mercado atrás de uma voz que pudesse ocupar esse lugar.

“Um belo dia, antes da pandemia, numa reunião entre o Lincoln de Lima (produtor do Ferrugem), a Jecy e a nossa editora, para tratar de assuntos autorais, tivemos a oportunidade de ouvi-la interpretando algumas de suas composições em formato voz e violão. Ali, ficamos encantados com a sua voz e com o seu talento como autora, e tudo mais foi evoluindo até chegarmos a esse projeto que muito em breve estará nas plataformas de música”, revela.

Andressa Hayalla

Carioca, Andressa Hayalla está na ala das expoentes vozes femininas do pagode. Assim como tantas outras artistas, começou a cantar na igreja e lá fomentou o gosto pela música. Seu talento, inclusive, a levou ao The Voice Brasil, no qual chegou até às fases finais. Revelação do pagode, a fluminense de Belford Roxo, é a nova aposta da gravadora Deck e lançou, há uma semana, sua nova música de trabalho, um feat com Péricles.

O single “Sorte ou Destino” foi produzido por Edgard do Cavaco e com arranjos de Douglas Lacerda. Para a cantora, gravar com Péricles é a realização de um sonho antigo.

“Sou muito fã do Péricles desde criança. Eu cresci ouvindo pagode dos anos 90 e na minha casa ele sempre foi um dos artistas mais ouvidos. Desde que comecei minha carreira solo eu já me imaginei fazendo parcerias com diversos artistas mas, pra ser sincera, eu nem ousava sonhar que um dia eu teria a honra de fazer um dueto com ele. Essa participação foi um verdadeiro presente pra mim. Muita emoção cantar com ele essa música linda”, comemora Andressa.

O clipe de “Sorte ou Destino” foi filmado no bairro de Santa Teresa, no Rio de Janeiro, sob a direção de Meakaza. O ator Jonathan Azevedo faz uma participação especial interpretando o par romântico de Andressa.

Ludmilla

Há quase um ano Ludmilla resolveu deixar o funk um pouco de lado e se aventurar por um novo gênero: o pagode. “Numanice” chegou às plataformas com seis músicas que mostram que a cantora tem intimidade com o estilo e abriu portas para que outras mulheres pudessem se arriscar também no gênero.

Ousada, Lud apresentou canções românticas e deixou claro que a artista é fã do gênero. O projeto, que começou como uma brincadeira nas redes sociais e nas festas privadas cantora, causou burburinho e superou expectativa dos profissionais do estilo musical.

Ouça o EP Numanaice:

Ana Clara

Dona de um timbre de voz diferenciado e também considerada uma das revelações do estilo musical, Ana Clara está cada vez mais ganhando espaço no mercado. Nascida em Joinville, Santa Catarina, a cantora já tem 13 anos de carreira, apesar da pouca idade.

Em 2018, Ana Clara lançou seu EP de estreia, intitulado “A Gente Sempre Ganha”, com cinco faixas, que contou com as participações especiais da cantora Alcione e do grupo Atitude 67. Em dueto com a veterana sambista, Ana Clara regravou o clássico “Não Deixe o Samba Morrer” (Edson/Aluisio), imortalizado na voz da Marrom. A jovem sambista também interpretou outro grande hit do samba, “Verdade” (Nelson Rufino/Nelson Rufino), que atravessou gerações e fronteiras na voz de Zeca Pagodinho.

O último lançamento da cantora foi o EP Fã Declarada, o trabalho conta com cinco canções repaginadas do projeto “Bate-Bola” e com toda a percussão que o pagode pede. EP é “esquenta” para a gravação do novo DVD da cantora, que ainda não tem data de lançamento.

Ouça:

Marvvila

Carioca, natural de Bento Ribeiro, subúrbio do Rio de Janeiro, Marvvila, 21 anos, é a nova aposta da Warner Music Brasil para o segmento de samba e pagode. A artista, que assinou contrato com a marca no primeiro semestre de 2020, começou a carreira cantando na igreja – onde cresceu – e nos corredores da escola

Aos 17 anos participou do programa The Voice Brasil. Após o sucesso de sua passagem pelo programa, a cantora conquistou a admiração de artistas de renome, como Péricles e Ferrugem, fazendo participações em seus shows.

No primeiro semestre de 2020 gravou com Ludmilla uma colaboração lançada no EP de samba e pagode da cantora. No final do ano passado, lançou sua música “Dizendo Por Dizer” que atingiu a marca de 2,2 milhões de visualizações no Youtube.

Unindo música, moda e discurso, Marvvila quer levar a força feminina ao gênero que já é território de muitos ídolos homens. “É muito gratificante para mim receber mensagens de mulheres que estão começando a cantar pagode ou de meninas que estão soltando seus cabelos, aprendendo a gostar dos seus cachos naturais. Quero ser inspiração para elas”, comenta a artista.

A cantora lançou há uma semana a música “A Cada Beijo” que narra a história de uma pessoa que quer ir além na relação e não ser só uma amizade. O clipe conta com a presença de músicos conhecidos no meio, como Nene Brown, no tantan, e o backing vocal Bruno Brito, que trabalha com o grupo Sorriso Maroto. Assista:

Karinah

Destaque no universo do samba e pagode, a cantora Karinah acaba de lançar seu novo trabalho “Insegurança Zero – A Mãe Tá On”. O single faz parte do EP Completo, que encerra o ciclo de cinco lançamentos de EP’s realizado pela artista desde 2019, após ter dado uma pausa na carreira para gestação de gêmeos.

Nascida em Curitiba e radicada em Santa Catarina, ela começou a cantar nos saraus familiares. Na adolescência participou de festivais e passou a se apresentar em todo o Brasil cantando com a sua banda e participando de espetáculos musicais. Em 2010 gravou seu primeiro álbum independente e, em 2012, apresentou ao público o segundo disco, “Você Merece Samba” (Sony), título de uma composição que ganhou de Carlinhos Brown. Dois anos depois lançou “Cheguei pra Ficar” (independente).

A cantor já fez diversas parcerias com grandes nomes da música como Ivete Sangalo, Arlindo Cruz, Dudu Nobre, Xande de Pilares, Luiz Melodia, Péricles, Martinho da Vila, Dona Ivone Lara, Fundo de Quintal, Jorge Aragão, Margareth Menezes e Nelson Rufino.

Assista “Insegurança Zero – A Mãe Tá On”:

Escrito por Rafa Ventura

Especial Dia das Mulheres: Deezer celebra vozes femininas em programação especial durante todo o mês de março

Deezer celebra vozes femininas em programação especial

Claudia Leitte mostra a força da mulher brasileira em nova série documental, “We Can Do It!”