Foto: reprodução/@marisamonte Instagram
in ,

Marisa Monte entra para o Top 100 do Itunes dos Estados Unidos

“Portas”, álbum da cantora, foi lançado nesta quinta-feira (1)

O novo álbum de Marisa Monte, “Portas“, foi lançado nesta quinta-feira (1). O projeto é o primeiro álbum solo da cantora em 10 anos. A coletânea de 16 músicas agradou a crítica especializada e os fãs da artista, que aguardavam ansiosos por músicas inéditas.

As canções otimistas do ícone da mpb atravessaram as fronteiras do país e repercutiram nos Estados Unidos e países europeus. Prova disso é a entrada do projeto no Top 100 do ITunes USA, na 98ª posição. Essa é a maior entrada de um artista brasileiro na plataforma de vendas digitais. Em Portugal, “Portas” chegou a 42ª posição na Apple Music.

Nesta sexta-feira (2), Marisa Monte apareceu em um dos telões da Times Square, em Nova Iorque, nos Estados Unidos. O vídeo exibido mostrava um pequeno spoiler do clipe de “Portas”.

 “Portas”

A cantora assina a composição da maioria das faixas ao lado de parceiros como Arnaldo Antunes, Chico Brown, Pretinho da Serrinha, Nando Reis, Silva, Marcelo Camelo (Los Hermanos), Seu Jorge, Pedro Baby, entre outros. Esse é o primeiro projeto de Marisa sem a colaboração de Carlinhos Brown, que aparece no time de compositores de seus projetos desde o “Verde anil amarelo cor-de-rosa e carvão“.

Todo o álbum é visual, sendo assim, as faixas ganharam vídeos especiais, alguns deles são clipes mais elaborados e outros reúnem imagens captadas no estúdio de gravação e nos bastidores da produção.

Portas
Foto: Divulgação

Fruto de uma parceria com Arnaldo Antunes e Dadi, a faixa-título ganhará um clipe dirigido por Giovanni Bianco e que estreará no “Fantástico”, no próximo domingo (4). O diretor já assinou trabalhos de Madonna, Ivete Sangalo, Ludmilla e Anitta, inclusive o clipe de “Girl From Rio”.

Ouça o álbum “Portas”, de Marisa Monte:

Escrito por Douglas Françoza

MARINA exalta força de Britney Spears em meio a polêmica de tutela

entrevista

Thiago Pantaleão fala de representatividade LGBTQIA+: “posso dar voz”