in

VMA 2018: Madonna faz discurso em homenagem a Aretha Franklin

Nesta segunda-feira (20) a presença de Madonna era esperada no VMA, premiação da MTV. Sua presença foi muito importante, marcando uma homenagem a Aretha Franklin, que morreu no dia 16 de agosto, mesmo dia do aniversário de Madonna.

A cantora relembrou o começo de sua carreira, fazendo um paralelo com a importância da rainha do soul. Veja e leia a tradução:

“Aretha Franklin mudou o rumo da minha vida. Eu deixei Detroit quando tinha 18 anos, com 35 dólares no bolso, e meu sonho era ser uma dançarina profissional. Depois de ano de luta, sem dinheiro, decidi fazer audições para o teatro musical, porque eu sabia que pagava mais. Eu não tinha treino, prática, só o sonho. Segui fazendo audições, mas fui rejeitada. Eu não tive os movimentos suficientes, nada era suficiente. Mas um dia estavam procurando cantores de apoio para uma turnê mundial. Eu pensei, por que não? O pior que poderia acontecer era ser roubada novamente, ou confundida com uma prostituta. Sim, eu morava em um beco de crack. Então eu apareci no teste e os produtores franceses me disseram que eu tinha que ser incrível”.

“Eles me perguntaram se eu tinha uma música preparada e eu entrei em pânico. Tive que pensar rápido, meu futuro estava em minhas mãos. Então eu lembrei de um dos meus discos favoritos… Então eu citei “You Make Me Feel” e fiquei em silêncio. Eu disse que não precisava da letra, que sabia de cór. Eu vi que não me levavam a sério. Como assim? Uma cantora magrelinha e branca cantando a diva do soul? Mas eu disse que conseguiria. Eu não sei o que acontecei, mas eu consegui cantar. Quando eu terminei, estava suando de nervosa. Os franceses me disseram, então, que me ligariam. Quando finalmente me ligaram, falaram que eu não era boa para o trabalho, mas acreditavam que eu tinha potencial, só precisava melhorar. Queríamos que eu fosse para Paris e me tornasse uma estrela. Me colocaram em estúdio com Giorgio Moroder, e eu não sabia quem era essa pessoa, mas me parecia uma boa ideia. Eu queria morar em Paris e comer alguma coisa. Então eu fui, mas quando voltei, não tinha ganhado a vida luxuosa que queria. Eu queria ser a música, só tocar minha guitarra e cantar. E foi isso que fiz. Foi assim que começou minha história. Nada disso poderia ter acontecido sem a estrela do soul, ela que nos colocou aqui hoje. Eu queria agradecê-la. Descanse em paz, vida longa à rainha”.

Escrito por Caian Nunes

VMA 2018: Billboard elege o seu ranking das melhores performances da noite da premiação

Ludmilla coloca “Din Din Din” e “Jogando Sujo” no Top 20 do Spotify Brasil