banner com link para rádio globo
Foto: Globo
in ,

Lina e Natália falam de representatividade caso vençam a prova do líder

Cantora comentou sobre a importânica de ser a primeira travesti a conquistar a liderança e sister dispara: “Significaria tudo”

As comadres estão on! Linn da Quebrada e Natália estão focadas em vencer a prova da liderança do BBB22. Após mais de oito horas de prova de resistência, as sisters falaram sobre a representatividade que as duas poderiam trazer, caso vencessem a disputa, que segue acontecendo na manhã desta sexta-feira (11).

Foto: Globo

LEIA MAIS:

A mineira pergunta se era isso [representatividade] que a cantora queria e ela relembra a trajetória de Ariadna, que saiu na primeira semana da décima primeira edição do reality.

“Teve a Ariadna há dez anos atrás, como mulher trans, mas ela não foi Líder. Saiu na primeira semana. Mas eu quero muito, muito. Por isso e também para assumir a responsabilidade como líder. Quero ver as fotinhos da minha família”, responde Linn.

A designer de unhas explicou o que essa conquista significaria para ela: “Para mim, a liderança significaria tudo, sabe?”, comenta Natália, que continua. “A questão de ser a primeira mulher preta com vitiligo. Tem a questão do conforto, da comodidade… Mas acima de tudo poder falar ‘poxa, consegui pelo menos uma vez'”.

A terceira integrande das comadres, Jessilane, não conseguiu se manter na competição junto com as colegas de confinamento. Isso porque, depois dessa conversa das sisters, a professora de biologia não resistiu.

Depois de mais de nove horas na disputa, a integrande do quarto grunge começou a passar mal, sentiu vontade de vomitar e pediu para que os dummies a ajudasse a sair da prova.

h3 style=”text-align: center;”>Curtiu esta matéria? Leia mais conteúdos do Oh My God! by POPline. Tem listas, curiosidades, virais, celebs, k-pop, reality shows e muito mais sobre cultura pop!

Escrito por Bárbara Correa

“Olive Branch”: Alanis Morissette se desculpa em nova música

Flávia Pavanelli reata namoro com Júnior Mendonza após dois anos