in

“K.O.”: clipe de Pabllo Vittar recebe 2,2 milhões de acessos após invasão hacker

O ataque de homofobia que Pabllo Vittar sofreu na segunda (29/8), com uma invasão hacker apagando seus clipes no Youtube e trocando seu avatar por fotos do político Jair Bolsonaro, teve efeito contrário. Se o intuito era discriminar, bola fora. De volta ao ar, o clipe de “K.O.” cresceu mais 2,2 milhões em acessos em 24 horas após a polêmica. Atualmente, o vídeo tem 135,2 milhões de visualizações no canal oficial da drag queen.

Por conta do ataque odioso, fãs, apoiadores e a comunidade LGBTQ se uniram compartilhando o clipe nas redes sociais ao longo de todo o dia. A hashtag #todoscomPablloVittar ficou nos Trending Topics do Twitter por várias horas – além do termo “K.O.”, título da música.

Sobre a invasão, Pabllo depois postou as frases “me aceita” e “LGBTfobia existia sim” no Twitter. A gravadora Sony Music, que contratou a drag queen recentemente, emitiu um comunicado oficial informando que as providências legais e técnicas estavam sendo tomadas. “Ressaltamos que invasões virtuais como essa são consideradas crime, assim como a discriminação demonstrada nos atos do(s) hacker(s), que não será tolerada em espaços digitais destinados à arte e liberdade de expressão. A Sony Music Entertainment Brasil se posiciona contra qualquer ação que manifeste discriminação, crime e intolerância em qualquer esfera, por respeito à diversidade, ao amor e ao direito da liberdade de expressão”, diz o texto.

Escrito por Leonardo Torres

Em alta, Livinho lança música com verso “vou abusar bem dessa mina”

Katy Perry é processada por ex-funcionária que perdeu o dedo na em turnê